Publicidade
Entretenimento
Vida

Câncer de pênis pode ser evitado, alerta campanha

O tumor de pênis é raro, ao contrário do câncer de próstata, que apresenta 60 mil novos casos por ano no País. Entretanto, a média de 1,6 mil amputações anuais, por câncer de pênis, é considerada elevada 27/09/2013 às 17:29
Show 1
médico urologista Anoar Samad
ACRITICA.COM ---

Campanha da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) iniciada, nesta sexta-feira (27), alerta para a prevenção ao câncer de pênis, um dos poucos tipos que pode ser evitado com bons hábitos de higiene na região genital. Esse tipo de câncer é o responsável por mais de 95% das amputações de pênis no Estado.

A maior incidência do tumor ocorre nas regiões Norte e Nordeste e está associada não só à baixa condição socioeconômica das populações locais, mas também à falta de higiene e de conhecimento. Nos últimos dois anos, a Fundação Centro de Oncologia do Amazonas (FCecon), que atende pacientes da Amazônia Legal e até de países vizinhos,  registrou 17 casos desse tipo de câncer.

De acordo com o membro-fundador da SBU no Amazonas, o urologista Anoar Samad, o higiene pode ser a receita simples, mas eficaz, para evitar que os homens sofram com uma doença que, além de incapacitá-los fisicamente, pode terminar aniquilando a sua vida em termos psicológicos. “Basta lavar o órgão com água e sabão, puxando o prepúcio, pele que encobre a glande, na extremidade do membro. Essa higiene deve ser feita principalmente após as relações sexuais ou a masturbação”, afirmou.

Além das questões de higiene, o médico destaca a importância do uso de preservativo nas relações sexuais para se evitar o HPV e a cirurgia de fimose ou exuberância de prepúcio na puberdade. “O homem em regra geral não tem o hábito que a mulher já adquiriu de se prevenir e perceber com mais facilidades anormalidades que surgem no corpo. Por isso estamos incentivando essa prevenção”, disse.

Anoar Samad informa que os sintomas do câncer são fáceis de serem percebidos: perda de pigmentação ou manchas esbranquiçadas no pênis, feridas e caroços que não desapareceram, aparecimento de ínguas, inflamações de longo período com vermelhidão e coceira.

Ele destaca que o diagnóstico precoce é fundamental para evitar o crescimento desse tipo de câncer e uma eventual amputação do pênis, o que pode trazer consequências físicas, sexuais e psicológicas para o homem.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), porém, mais da metade dos pacientes demora até um ano após aparecerem as primeiras lesões para procurar um médico. A cirurgia é o tratamento mais frequente, mas também pode ser indicada químio ou radioterapia.

O tumor de pênis é raro, ao contrário do câncer de próstata, que apresenta 60 mil novos casos por ano no País. Entretanto, a média de 1,6 mil amputações anuais, por câncer de pênis, é considerada elevada.

Anoar afirma que a prevenção deve começar na infância, cabendo à família e aos pais, inicialmente e, depois, à escola, orientar os meninos quanto aos procedimentos que devem ser adotados para uma adequada higiene, e ainda ficando atentos para os casos de fimose.


Publicidade
Publicidade