Publicidade
Entretenimento
Vida

Caprichoso festeja 'Amazônia' em 2015 e anuncia gravação de DVD

“Sem Amazônia não há vida”, define o escritor amazonense Márcio Souza 23/12/2014 às 13:37
Show 1
Antes da divulgação do tema, o presidente do Caprichoso, Joilto Azêdo, anunciou a gravação do DVD para o dia 28 de fevereiro e um plano de ações
acritica.com ---

Amazônia é o tema oficial do Boi Caprichoso para comemorar os 50 anos do Festival Folclórico de Parintins em 2015. A apresentação para imprensa foi feita pelo coordenador do Conselho de Artes e vice-presidente do bumbá azul, Rossy Amoêdo, na manhã desta terça-feira, 23, em coletiva no Clube Caprichoso.

Antes da divulgação do tema, o presidente do Caprichoso, Joilto Azêdo, anunciou a gravação do DVD para o dia 28 de fevereiro e um plano de ações. “Vamos abranger a história do Caprichoso, fazer exposição fotográfica itinerante, criar um selo comemorativo de 50 anos no festival, promover dois grandes shows, ter programa televisão de abril a junho e entregar medalha do jubileu às personalidades”, declarou.

Quanto ao novo tema do Caprichoso, o presidente citou as palavras do escritor Márcio Souza “Sem Amazônia não há vida”. “Vamos explorar uma Amazônia completamente diferente daquilo já apresentado, desde os antepassados até o festival”, afirmou Joilto Azêdo. Na avaliação de Rossy Amoêdo, o festival comemora 50 anos de festival dentro da Amazônia e o Conselho de Artes vibra com o tema.

“Não vai ser uma Amazônia da preservação, da sustentabilidade. Vamos festejar os 50 anos de festival na Amazônia, com as múltiplas culturas, os povos que vieram de todo o Brasil para cá e ajudou a construir a nossa história que hoje é conhecida no mundo. Temos discutido ao longo desses últimos dias que faremos um novo formato de apresentação, de espetáculo”, explicou Rossy Amoêdo.

Mudanças

O teatrólogo Chico Cardoso, membro do Conselho de Artes, destacou que o Caprichoso terá mudanças para inovar. “Vamos começar principalmente a partir dos itens que são a base principal do espetáculo. Então, iremos reforçá-los e tratá-los como atores que merecem destaque dentro da arena. Vamos trabalhar uma reciclagem com eles, capaz de fazer com que o outro boi coma poeira. Vamos priorizar primeiro esse aspecto”, enfatizou.

Outro ponto abordado por Chico Cardoso é o amadurecimento da parte estética do boi. “Acredito que só uma grande mudança estética vai fazer o festival mudar. Quanto a parte intelectual, já se encontra reforçada. Temos uma efervescência cultural e intelectual no Conselho de Artes muito grande. Vamos ser meros instrumentos técnicos para fazer com que essa verdade, esse sangue artístico venha à tona nos espetáculos de arena”, assegurou.

De acordo com pesquisador e teatrólogo Márcio Braz, membro do Conselho de Artes, o tema é uma forma de agradecer pelos 50 anos de festival. “O Caprichoso é pioneiro em temas sobre a Amazônia. Vamos abordar a contribuição de todos os povos. Márcio Souza fala uma coisa que para a gente é central ‘Sem Amazônia não há vida’. A vida é um capítulo dentro da Amazônia”, concluiu.


Publicidade
Publicidade