Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
O humorista Carioca caracterizado como Boris Casoy
publicidade
publicidade

Buzz

Carioca lamenta 'coice' de Jô, revela origem do Boris e anuncia seu próximo alvo: Lobão

Além do reconhecimento do público, a alegria é ainda maior porque o alvo da imitação, o jornalista Boris Casoy, já deu alguns depoimentos elogiando Carioca


05/06/2012 às 18:46

Caracterizado como Boris Casoy, Marvio Lucio, o Carioca, percebe o sucesso do personagem que criou ao caminhar dentro da própria Band. Do camarim até o estúdio 4, onde é gravado o “Pânico”, a todo momento, algum funcionário da emissora se aproxima e diz “boa noite, boa noite”, imitando o imitador.

Além do reconhecimento do público, a alegria é ainda maior porque o alvo da imitação, o jornalista Boris Casoy, já deu alguns depoimentos elogiando Carioca. “Quando eu li que o Boris curtiu, foi o maior tesão. Rebateu nele. Eu o vi feliz. É isso que gratifica”, diz Carioca.

Numa sexta-feira, dia de gravação do programa, a reportagem do UOL assistiu ao longo processo de caracterização que transforma Carioca em Boris. Enquanto o maquiador Anderson Montes, o Dinho, trabalhava, o humorista deu um depoimento bacana.

publicidade

A arte da imitação - Sou muito perfeccionista com a caracterização. Como não desenho nada... consigo, mais ou menos, fazer o mesmo trabalho de um chargista. Precisa ter um certo exagero. Você reconhece e ri... Imitar é um dom, velho. Engloba muita coisa. Eu gosto de encantar. Imitar é uma coisa que impressiona as pessoas.  O meu lance é convencer. Imprimir. Se eu fico perto, melhora muito a minha imitação. Eu chamo a atenção para aquilo que você não vê, mas depois você vai reconhecer.

Jô Suado - Não me importa tanto o reconhecimento, mas levar um coice daqueles... Tentaram me convencer a continuar com o Jô até os 49 minutos do segundo tempo. Você acaba se envolvendo sentimentalmente. Não faço isso pra sacanear o cara. Não tô aqui pra ridicularizar. O mínimo era ele (Jô) me cumprimentar, me dar um autógrafo. Tenho o barato de fazer, mas se a pessoa gosta aquilo me dá uma energia... O Amaury pirou com a minha imitação. Ele pediu para eu fazer o prefácio do livro dele.

As influências para o Boris - Depois do Jô, pensei, precisava fazer uma coisa que impressionasse. Fiquei olhando uns quatro meses (para o Boris). E coloquei várias outras pessoas no Boris. Meu pai me mostrou uns vídeos do Zé Trindade. Tem o Costinha e tem também o Rony Rios (que fazia a "Velha Surda" na "Praça É Nossa"). Trabalho no Brasil. Tem muita coisa legal no Brasil. Peguei um pouco de cada um e homenageei. O próprio Jô, se você conhecer o meu tio Ivaldo, você vai mijar de rir. Tem muito do meu tio no Jô. Misturei muito. 

Primeiras imitações - Já perdi a conta de quantas pessoas imitei. Faço imitação desde os 9 anos. Tinha um programa do Agildo Ribeiro, eu via e imitava os tipos. O Gil Gomes eu ficava em casa imitando... Foi o meu primeiro grande desafio. E eu consegui.

Política - Tentei ser político. Em 1994, me filiei na Juventude do PMDB. Curto o jogo político. Sei mais de política do que do “Pânico”.

publicidade
publicidade
PM do Rio é detido no aeroporto de Manaus tentando embarcar com pele de gato maracajá
Bombeiros encontram corpo de carioca que caiu em cachoeira do AM ao tirar ‘selfie’
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.