Segunda-feira, 20 de Maio de 2019
Vida

Carolina Toledo, Miss Amazonas 2015, abre as portas de sua casa para uma conversa franca

Em entrevista, Carolina Toledo disse que o episódio envolvendo Sheislane Hayalla teve seu ponto final. Após audiência, realizada semana passada, a segunda colocada do Miss Amazonas prometeu se retratar publicamente pelo constrangimento feito contra Carolina. Na época, Sheilane arrancou a coroa da cabeça de Carol motivada por supostas fraudes no concurso



1.jpg
Carol falou de sonhos, polêmica com a vice e preparação para o Miss Brasil
13/07/2015 às 13:29

CONFIRA AQUI A GALERIA DE IMAGENS

Num fim de tarde de junho, Carolina Toledo abriu as portas de casa para o BV GENTE ainda com grampos no cabelo. À vontade, sentada próxima à piscina da ampla residência, ela ia soltando os fios conforme a conversa se desenrolava. Eleita 60ª Miss Amazonas em janeiro deste ano, em premiação marcada por uma polêmica de repercussão internacional, a jovem de 21 anos garantiu não guardar mágoas da vice.

Naquela noite de finalíssima, motivada por supostas fraudes no concurso, Sheislane Hayalla arrancou a coroa da cabeça de Carol. A confusão só ganhou desfecho na semana passada, após audiência de conciliação em que a segunda colocada prometeu se retratar publicamente pelo constrangimento.

Segundo Carolina, a conciliação encerra o caso de vez. “Dei a oportunidade a ela de se redimir por tudo que me fez. Se não houvesse a retratação, com certeza eu iria até o final do processo criminal”, disse, em contato recente com a reportagem. “Nunca tive a sensação de ‘peso nas costas’ porque sempre soube que o resultado foi legítimo, me esforcei muito para conquistar esse título”.

Focada

Agora, a amazonense concentra as energias na preparação para o Miss Brasil, que deve acontecer no fim de agosto. “A responsabilidade continua sendo a mesma, porque você tem que se dedicar ao máximo. Como é um concurso nacional, serão muito mais pessoas olhando para você, então também há uma cobrança em cima disso que eu não posso decepcionar”, comenta.

Do signo de peixes e com mania de organização, Carolina administra com desenvoltura o tempo entre a faculdade de Direito, que está prestes a concluir, e a rotina de miss. “Faço todos os dias cerca de 2h de exercícios aeróbicos com personal trainer, na academia. Além disso, faço sessões de estética e tenho uma equipe de outros profissionais que me acompanham”, explicou. A dieta é regrada, sem espaço para doces e guloseimas. “Sou louca por chocolate, mas não posso!”

Ela aproveita as horas vagas para ir ao cinema ou jantar com a família. “Sou mais caseira, gosto de estar no meu espaço, lendo um livro...”, acrescenta. Entre as leituras recentes, além dos livros de Direito, está “O poder da escolha”, de Zibia Gasparetto, e pode-se dizer que Carolina conhece bem onde esse poder pode levá-la.

Desde os 17 anos ela sonha com as passarelas e holofotes. Em 2011, Carolina disputou e levou o título de Miss Brasil Teenager e, três anos depois, o de Miss Manaus. “Coloquei na minha cabeça que eu poderia ser Miss Amazonas e graças a Deus eu consegui. Sempre fui muito determinada”, destaca.

Sobre o que o título de ícone da beleza amazonense já lhe trouxe, Carolina não hesita em dizer: “A experiência é o que conta mais. Amadureci muito nesse tempo, pude compartilhar coisas com pessoas que nunca poderia imaginar. Também vi muitos me apoiando, tanto é que acabaram de criar um fã-clube para mim. São momentos que não têm preço: carinho e reconhecimento, isso vale mais que qualquer coisa”. Por tudo isso, ela diz ser muito difícil algo abalar o seu alto-astral, até mesmo uma coroa no chão.

Família é a base 

Carolina diz ser muito apegada à família, que chegou a viajar em massa para a Guatemala quando ela foi disputar o Miss Teenager Universo representando o Brasil. E é o ambiente cercado de afeto que não a deixa cogitar a ideia de morar fora de Manaus. “Não tenho esse objetivo. Quero estudar ou fazer um curso fora, quem sabe, mas me mudar de vez não está nos meus planos”.

Falando de saudade, Carolina lembra do pai, falecido quando ela tinha 13 anos e de quem herdou o outro sobrenome, Burégio.  Em casa, ela vive sempre na companhia dos amigos e parentes – e agora também de uma gatinha de rua que apareceu por lá no dia do aniversário do avô. Com namoro firme há quatro anos, Carolina também acalenta o sonho de casar, ser mãe e aumentar a família.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.