Publicidade
Entretenimento
Vida

Cia. Cacos se apresenta na Festa Literária de Paraty (Flip)

O convite para se apresentar partiu de Marcos Rêgo e Rafael Coutinho, coordenadores do Departamento de Teatro do Sesc Nacional. A história se passa num espaço e tempo fictício, com leve estética em referência ao sertão nordestino. É a narrativa da Moça, que é apaixonada pelo Moço, que passa diariamente na porta de sua casa, porém disfarça sua paixão para evitar a ira do pai, Pantaleão 22/06/2013 às 20:24
Show 1
Quanto à expectativa para a apresentação, os integrantes revelaram que se trata de algo misterioso
Rafael Seixas Manaus, AM

A Cia Cacos de Teatro conta com um currículo vasto de apresentações do seu repertório pelo País e pela América Latina. Agora, a companhia amazonense irá participar da 11ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), que acontecerá de 3 a 7 de julho. O espetáculo a ser apresentado é “A cruz e a moça”, do coreógrafo Ricardo Risuenho. O escritor Graciliano Ramos é o homenageado desta edição, que será aberta com o show do cantor Gilberto Gil.

O convite para se apresentar partiu de Marcos Rêgo e Rafael Coutinho, coordenadores do Departamento de Teatro do Sesc Nacional. “Eles já conheciam o nosso trabalho, por ter visto uma apresentação da Cacos. Estamos negociando desde março, pois estávamos com um probleminha de agenda, mas no final tudo se resolveu”, disse Dyego Monnzaho, integrante da Cacos.

“Este vem sendo um ano bem produtivo para nós em termos de convites, viagens, eventos. Estão acontecendo muitos convites para levar à companhia para apresentar seus trabalhos em algum lugar do País. E isso é ótimo, mostra a projeção que estamos alcançando nacionalmente”, complementou.

Sinopse

A apresentação de “A cruz e a moça” está marcada para o dia 4 de julho. A história se passa num espaço e tempo fictício, com leve estética em referência ao sertão nordestino. É a narrativa da Moça, que é apaixonada pelo Moço, que passa diariamente na porta de sua casa, porém disfarça sua paixão para evitar a ira do pai, Pantaleão. O Moço resolve pedi-la em casamento, porém, após ser desprezado, é expulso a pontapé por Pantaleão. E vai se lamentar com seus dois amigos: Arlequino e Punchinella.

“Fizemos algumas mudanças no espetáculo, principalmente, na sua estrutura. O trabalho na Cacos, basicamente em todos, é de obra aberta. Portanto, nós realizamos algumas mudanças em relação à ocupação do espaço e, principalmente, ao cenário, porque tivemos que realizar adaptações para as necessidades do grupo que envolve um calendário de apresentações por outras cidades/estados. Mas, naturalmente, respeitando a narrativa e a estética projetada por Ricardo Risuenho”, declarou Francis Madson, integrante da Cacos.
 
A peça explora somente os membros superiores do corpo, resultado de uma investigação teórica e prática feita por Risuenho. Esse é um tipo de trabalho que o coreógrafo já desenvolve há nove anos.

Estreia

Quanto à expectativa para a apresentação, os integrantes revelaram que se trata de algo misterioso. “É a primeira vez que um grupo do Norte se apresenta na Flip. No nosso caso, fomos convidados pelo Sesc que é nosso parceiro há anos. A Cacos projeta em sua rotina diária de ensaios, conversas e abordagens, uma perspectiva sobre o evento, o impacto do espetáculo e da ocupação do grupo. Isso já ajuda a canalizar energia para minimizar a ansiedade em relação à expectativa”.

Prestígio  

A Cia Cacos em seus cinco anos de existência já apresentou seu trabalho por mais de dez capitais brasileiras, participou de grandes eventos de teatro e dança, dentro e fora do País, acumula em seu currículo diversos prêmios e já levou seu trabalho para fora do Brasil em territórios como Nova York, Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile e outros.

Turnê

A Cia Cacos está desenvolvendo um novo espetáculo em conjunto com Fabiano de Freitas e Marcio Abreu, ambos de renome no cenário teatral. Fora isso, em agosto, a Cia continua sua turnê de “Mãe in loco”, que contempla cinco cidades brasileiras.

Técnica

“A cruz e a moça” é um espetáculo de autoria do coreógrafo Ricardo Risuenho. No elenco, os atores Francis Madson, Carol Santa Ana, Dyego Monnzaho, Jonatas Amaral, Ruan Viana e Grayce Carlos.

Literatura

O romancista amazonense Milton Hatoum foi convidado para participar novamente da Flip.  Ele irá fazer a conferência de abertura sobre o homenageado desta edição, Graciliano Ramos. “Ele foi uma leitura minha da juventude em Manaus. (...) Eu li ‘Vidas secas’, ‘Infância’ e o manuscrito de ‘Angústia’, patrimônio da nossa Biblioteca Pública”, declarou o escritor, em matéria publicada anteriormente.

Publicidade
Publicidade