Publicidade
Entretenimento
VERNISSAGE

Cineasta exibe cinco filmes e fala sobre road movie 'Opala Conexão Manaus'

Produções do diretor e fotógrafo Jimmy Cristhian fazem parte de sessão que acontece, no próximo sábado (13), no Cine Teatro Guarany 10/10/2018 às 21:18 - Atualizado em 14/10/2018 às 10:29
Show capturar 10c1d213 4847 4da9 b260 e2f8a42ba601
Jimmy acumula prêmios e tem participações em trabalhos que estão sendo exibidos por todo o Brasil. Foto: Antonio Lima
Hanne Assimen Manaus (AM)

Prestes a lançar seu novo filme, “Opala Conexão Amazônia”, o diretor audiovisual e fotógrafo Jimmy Christian realiza neste sábado (13) uma vernissage de cinco de seus filmes no Cine Teatro Guarany, no Centro de Manaus, a partir das 18h30, com entrada gratuita. Serão exibidos Beiradão Urbano (2006), Arapaima Gigas – O gigante da Amazônia (2010), Fogo no Cerrado (2013), Bodó com Farinha (2015) e Pornô Canino (2016).

Segundo o diretor e repórter fotográfico amazonense, o objetivo da mostra é exibir suas produções, incentivar a produção local e reflexão sobre os temas. Após a exibição dos filmes será realizada uma roda de conversa com o público presente para que o cineasta possa explicar sobre a feitura de cada curta-metragem e os participantes possam fazer perguntas.

Jimmy conta que sua mais nova produção, o road movie “Opala Conexão Amazônia”, está pronto e deve ser lançado ainda em novembro, no Casarão de Ideias. O longa de ficção traz a história de um repórter fotográfico desempregado e endividado. Ele consegue um trabalho freelancer para fazer a cobertura do cenário político em época de grandes manifestações e do impeachment da presidente do país. O fotógrafo compra um Opala 1975 – que está em Brasília – por um aplicativo de vendas e o filme versa sobre a sua trajetória em entrevistar personagens e buscar o carro em Brasília para trazê-lo até Manaus.

O apaixonado por cinema também conta que em 2019 vai dar continuidade às gravações de “Mawé”, um filme que traz a história de um índio da etnia Saterê Mawé que, após não suportar o Ritual da Tucandeira, sai de sua tribo rumo à cidade de Manaus. Na capital ele se apaixona por uma modelo e seu amor platônico o faz cometer loucuras, como sequestrar a moça. “A história fala sobre a deturpação da cultura indígena e o que a cidade é capaz de fazer com a personalidade de um homem”, explica Jimmy, ressaltando que “Mawé” pode ser considerado um filme do cinema marginal e underground.

Jimmy acumula alguns prêmios com produções próprias e com participações em outros trabalhos que estão sendo exibidos por todo o Brasil. No filme “Obeso Mórbido”, selecionado para a Mostra Internacional de Cinema de São Luiz, na categoria Mostra Competitiva de Curta-metragem, Jimmy atuou como diretor de fotografia.

O curta “Ruas de Rio” foi premiado com melhor fotografia, no Festival Olhar do Norte, realizado em Manaus, em janeiro deste ano. Das suas produções enquanto repórter fotográfico, Jimmy realizou as exposições “Remanso dos quilombolas” (2011), realizada no espaço cultural Zumbi dos Palmares da Câmara de Deputados, em Brasília, e “Amazônia da terra, da água e do ar” (2014), “Planopanoramanaus” (2012 e “Planopanoramabrasília” (2013).

Filmes da vernissage

Beiradão Urbano (2006) -  fotoetonografia da região dos igarapés do São Raimundo e Cachoeira Grande, no São Jorge.

Pornô Canino (2016) –  fotografias de desenhos  de Marcos Ney que se torna uma animação. Produção especial para o encontro da revista Sirrose.

Arapaima Gigas –  O Gigante da Amazônia (2010) – filme de ficção onde narra a lenda do pirarucu, por meio de montagem de fotos e vídeos.

Fogo no cerrado (2013) –  explora o fenômeno da seca que aumenta o número de queimadas que acontece em Brasília. O filme foi premiado e exibido na Mostra Filme Livre no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília.

Bodó com Farinha (2015) -  celebra o exótico peixe da cultura cabocla, onde desconstrói o estereótipo de um peixe com aparência estranha que vive em zona enlameada e mostra cada etapa do seu aproveitamento, desde a pesca à sua transformação ao prato típico da culinária, e sua importância intrínseca à vida dos ribeirinhos.

Publicidade
Publicidade