Sábado, 20 de Julho de 2019
cirurgia de próstata

Cirurgia a laser na próstata apresenta diversas vantagens

Operação feita a laser, e via canal da urina, libera o paciente em apenas um dia e é considerada muito mais eficiente



1.jpg Anoar Samad, que faz a cirurgia a laser em Manaus, alerta que o câncer de próstata, no início, não apresenta sintomas e, por isso, é essencial o exame preventivo
07/08/2013 às 10:40

O sexto caso mais comum de câncer no País, o de próstata, é também o que mais acomete a população masculina. A incidência de novos casos no Amazonas representa quase 1% do total registrado no País, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).  

Em 2012 foram estimados 38,1 casos para cada grupo de 100 mil habitantes na capital amazonense e 28,70 para o mesmo grupo no Estado. A próstata é um órgão que somente o homem possui. Trata-se de uma glândula localizada bem abaixo do abdômen, em uma região chamada períneo, entre o ânus e a bolsa escrotal. Além de produzir substâncias que protegem a uretra, também participa na produção de substâncias que compõe o esperma.

As principais doenças que afetam a próstata são as infecções, o aumento exagerado da próstata (hiperplasia benigna) e o câncer. Para o câncer de próstata em estágio inicial a cirurgia radical, que é a retirada o órgão, é a primeira opção de tratamento.Para o tratamento da Hiperplasia existem hoje avanços importantes no tratamento cirúrgico.

Em Manaus, esse tipo de intervenção já pode ser feito a laser, sem cortes, que é realizada pelo canal da urina. Trata-se do último avanço da tecnologia em urologia. De acordo com o médico, Anoar Samad, membro correspondente da Associação Americana de Urologia e titular da Sociedade Brasileira de Urologia, o método é feito pela uretra, sem cortes no abdômen.

“Nesta técnica, não existe quase nenhum sangramento, diferentemente de outras. O paciente fica com a sonda pós-operatória por apenas um dia, enquanto nos outros tipos de cirurgia, esse tempo pode chegar até 10 dias”, explicou.

Além disso, o especialista alerta para o período de recuperação: a alta pode acontecer no mesmo dia ou, no máximo, no dia seguinte. “Na cirurgia aberta o tempo de internação pode chegar a 10 dias”, explicou. Outras vantagens são a de atendimento a pacientes que tomam remedios anti-coagulantes, o que é impossível com outras técnicas e o baixo índice de complicações.

A terapia com laser passou a ser usada no Brasil em 2010. Atualmente, existem aproximadamente 15 máquinas no País. Hospitais como o Albert Einstein e Oswaldo Cruz, ambos em São Paulo, estão entre os que oferecem o serviço. Em Manaus, O Instituto de Urologia Dr. Anoar Samad, junto com o Hospital de Transplantes de São Paulo (antigo hospital Brigadeiro) e o Hospital de Campinas, são os serviços com maior experiência no País. 

Todas as instituições oferecem a técnica de segunda geração da tecnologia, única aprovada pela Agência Nacional de Saúde (ANS). A primeira nem chegou a ser importada pelo Brasil. Testes ainda estão sendo realizados com a técnica de terceira geração.


“O importante é o homem se cuidar, principalmente com prevenção. O preconceito ainda existe e é um fator de atraso e tratamento das doenças da próstata”. Segundo o especialista, a prevenção é pra quem não sente nada, quem sente alguma coisa já necessita tratamento. 

Fatores de risco e diagnóstico

Os principais fatores de risco para o câncer de próstata são a idade superior a 40 anos e a hereditariedade, ou seja, o risco aumenta quando o homem envelhece ou quando ele tem pai que teve câncer de próstata.

“Para o diagnóstico precoce do câncer de próstata todo homem a partir de 40 anos de idade deverá procurar um urologista, anualmente, para realizar toque retal e PSA”, explica o médico Anoar Samad.

O PSA, do inglês prostate-specific antigen ou antígeno prostático específico, é um teste laboratorial de sangue que ajuda a diagnosticar ou acompanhar o câncer de próstata. Trata-se de uma substância produzida na próstata. No entanto, este exame não é unicamente suficiente para identificar o câncer.  Em torno de 30% dos homens com tumor maligno de próstata, em seu estado inicial, podem ter o PSA normal, sem sintomatologia alguma. 

“O paciente com câncer de próstata não sente nada, principalmente no início da doença, daí a importância do exame preventivo. Já o paciente com hiperplasia benigna da próstata sente distúrbios urinários como dificuldade para urinar, urinar muito a noite, sensação de que não urinou tudo e em muitos casos pode chegar a parar de urinar e ter de usar sonda”, explica o urologista Anoar Samad.  

A introdução do PSA e do toque retal rotineiro, nos anos 1990, permitiu identificar lesões em fases precoces e diminuir a probabilidade de morrer por complicações da doença.

Hiperplasia

De acordo com Anoar Samad, é importante salientar que a próstata grande ou pequena não significa que haja relação com o câncer de próstata, ou seja, o câncer de próstata pode aparecer em próstatas grandes ou pequenas. “O câncer não ‘escolhe’ o tamanho. Muitos homens realizam ultrassonografia e se assustam quando a próstata está crescida”.

A ultrassografia é suficiente para identificar os casos de hiperplasia e um exame de fluxometria da urina pode ajudar na avaliação se o paciente urina bem ou não. Neste caso, os tratamentos podem ser feitos por meio de medicamentos e/ou cirurgia.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.