Terça-feira, 22 de Outubro de 2019
Vida

Com som e iluminação de primeira, SUB traz novo conceito de balada eletrônica

O clube SUB foi o destino certo da turma de Manaus que curte as mais diversas vertentes da música eletrônica, especialmente a dita não comercial, que passa longe da maioria dos lugares dedicados ao gênero na cidade



1.jpg os DJs escalados para estrear a cabine do SUB foram: o espanhol Damián Schwartz, o paulista Wehbba e o amazonense Cezar Dantas
23/09/2013 às 09:41

No fim de semana passado, o clube SUB foi o destino certo da turma de Manaus que curte as mais diversas vertentes da música eletrônica, especialmente a dita não comercial, que passa longe da maioria dos lugares dedicados ao gênero na cidade. Depois de abrir as portas na última sexta-feira (20), o novo clube do Vieiralves deixou claro a que veio: tornar-se referência quando o assunto é exclusividade, qualidade do som e atrações de peso, tanto locais quanto nacionais e internacionais.

“Escolhemos tudo nos mínimos detalhes, do guardanapo até o teto. Nossa ideia sempre foi abrir um espaço com extrema qualidade musical e no atendimento, que é algo complicado em Manaus”, explicou um dos sócios do SUB, Bruno Morrison.



Para ele, o estilo underground do lugar vem para satisfazer os anseios de um número crescente de pessoas que busca por novidades no cenário da música eletrônica. “Teremos sempre surpresas no line-up e dias em que a casa vai funcionar de maneira especial”, adiantou ele.

O empresário Rafael Rezende foi um dos que aprovaram o novo point. “Conseguiram reunir um público que realmente gosta de boa música e que tem apenas o compromisso de se divertir e dançar, e não de fazer ‘carão’”. Ele também se entusiasmou com os DJs escalados para estrear a cabine do SUB: o espanhol Damián Schwartz, o paulista Wehbba e o amazonense Cezar Dantas. “Trouxeram grandes nomes. Gostei principalmente do Wehbba, que é um produtor que gosto e respeito demais”.

MÚSICA E LUZES

Inspirado em um padrão europeu de bares e boates, o microclube manauara, com capacidade para 150 pessoas, investiu pesado para proporcionar ao público fã da e-music uma experiência de alto nível. Um dos destaques fica por conta do sistema de som inglês Void Acoustics, único no Brasil, que não agride os ouvidos e permite que os frequentadores da casa conversem perfeitamente enquanto o som rola nas picapes.

Outro destaque na estrutura do SUB é o sistema Live Music Visuals, com imagens e iluminação que acompanham a música, geralmente em tempo real. Assinado pelo VJ Tchelo, que fez trabalhos semelhantes para festivais como o Skol Beats, Planeta Atlântida e SPFW, o projeto combina imagens projetadas em telões e iluminação intimista à base de lâmpadas de LED instaladas no teto da boate.

O QUE VEM POR AÍ

O SUB já tem agenda fechada até janeiro do próximo ano. Nesta sexta-feira (27), a atração nacional da casa é a DJ paulista Eli Iwasa, que esteve em Manaus no ano passado, quando fez parte do line-up do Seven Music Festival.

Conhecida por organizar durante anos a noite Technova do Lov.e Club (SP), ela rapidamente alcançou maturidade e respeito destilando suas diversas influências em incursões pelo mundo do techno, do house e da sensibilidade feminina. Na segunda noite de funcionamento do SUB, Eli vai dividir as atenções com os DJs Raul Mota e Felipe Litaiff. Para conferir as próximas atrações que vão passar pela boate, acesse o site do submanaus


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.