Publicidade
Entretenimento
Espanha

Congresso Internacional de Etnomusicologia seleciona apresentação de pesquisa do AM

O doutorando Agenor Vasconcelos, que é baixista da banda Alaídenegão, abordou a conexão entre os costumes indígenas e a influência espanhola na performance musical da Banda Marupiara, de São Gabriel da Cachoeira (AM) 20/10/2016 às 21:52
Show ala de
Segundo Vasconcelos, a pesquisa apresentada dá continuidade a sua tese de mestrado da qual originou o projeto “A música das cachoeiras”. Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

 “Uma incerta Espanha na Amazônia brasileira” é o título da tese apresentada por Agenor Vasconcelos, doutorando do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Amazonas (PPGAS-UFAM), durante o XIV Congresso da Sociedade de Etnomusicologia (SIBE) nesta quinta-feira (20) em Madrid, Espanha.

Na pesquisa, Vasconcelos apresenta a música de Seu Ademarzinho Garrido, indígena da etnia Baré, pontuando conexões entre as composições do músico e a descendência espanhola reivindicada por ele. Segundo o pesquisador, na performance musical da Banda Marupiara, liderada por seu Ademarzinho, são articuladas as identidades espanhola e indígena, revivendo as tensões sociais e o fazer musical das antigas gerações.

“É possível demonstrar um exemplo de indianização da música europeia, conforme sugere o antropólogo americano Sahlins. Ou seja, abordo a teoria antropológica da resistência para mostrar que a influência cultural dos colonizadores europeus não apagou a cultura Baré, pelo contrário, é utilizada para afirmar, por meio de memórias despertadas pela música, o sentimento que une o povo indígena Baré contemporâneo”, explicou durante a apresentação.

Segundo Vasconcelos, a pesquisa apresentada dá continuidade a sua tese de mestrado da qual originou o projeto “A música das cachoeiras” financiado pelo Natura Musical em 2012.

Para o estudante do segundo semestre do Doutorado, orientado pela Dra. Deise Lucy Montardo, a participação em congressos desse nível é um complemento ao que se extrai das literaturas discutidas em sala de aula e ao que se vive em pesquisa de campo. “Congressos como o SIBE nos conectam com pesquisadores do mundo inteiro e de diferentes correntes teóricas, além de tirar Manaus de um isolamento epistemológico”.

Sobre o congresso

O XIV Congresso da Sociedade de Etnomusicologia teve início dia 19 e encerra dia 22 de outubro. As exposições das pesquisas acontecem no Real Conservatório Superior de Madrid e na sede da UNED das escolas Piás.

A Sociedade de Etnomusicologia reúne investigadores e estudantes interessados ​​na música como um fato cultural e nas relações da música com seus contextos sociais. Tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento da pesquisa científica e divulgação da Etnomusicologia, campo de estudo que aborda a música como elemento cultural e humano fundamental dos indivíduos, povos e culturas. 

A viagem

Segundo Agenor, devido a atual situação econômica do país e a ameaça de cortes nos recursos para a ciência, tecnologia, educação e cultura, as instituições financiadoras não puderam dar suporte.

“Eu esperava o suporte da instituição quando enviei artigo para curadoria do SIBE, ainda em abril deste ano, mas a negação foi categórica. De todo modo, quando recebi a carta de aceite, percebi ser uma oportunidade irrecusável. Desde esse período, venho economizando uma parte da bolsa CAPES e trabalhando junto à banda Alaídenegão para cobrir os custos da viagem. Para debater a cultura da Amazônia brasileira em Madrid também foi necessário a ajuda da família”.

Além de estudante, Agenor Vasconcelos é contrabaixista da banda amazonense Alaídenegão e, por isso, além da atividade acadêmica, o estudante e músico viu na viagem uma oportunidade de participar da Womex, maior feira de música do mundo que acontece também na Espanha, em Santiago de Compostela.

O objetivo em participar, segundo ele, é a tentativa de construir uma rede possível entre a música independente da região norte do país e a música popular europeia. “A ideia aqui é divulgar os projetos musicais dos quais participo como a Cauxi Produtora Cultural, A música das cachoeiras e Banda Alaídenegão”.

Publicidade
Publicidade