Publicidade
Entretenimento
Música

Conheça oito versões inusitadas de canções que deram certo

A reportagem ligou o radar musical e fez uma lista das oito versões mais inusitadas de clássicos da música mundial 28/03/2016 às 00:27
Show pi
A cantora Pitty fez uma das melhores versões da canção “Deus lhe Pague”, de Chico Buarque (Reprodução)
Felipe Wanderley

Você sabia que a performática cantora islandesa Björk já gravou “Travessia”, de Milton Nascimento, e em português? E que a banda estadunidenese Korn tem uma das versões mais envolventes da clássica Another Brick in the Wall, do Pink Floyd? O universo das versões musicais às vezes extrapola o senso comum e casa gêneros e artistas totalmente diferentes em estilo. A reportagem ligou o radar musical e fez uma lista das oito versões mais inusitadas de clássicos da música mundial.

De Maria Bethânia cantando Zezé de Camargo e Luciano a Black Sabbath tocando Beatles, temos exemplos de bandas e músicos que trascendem as divergências musicais, ora dando nova roupagem a clássicos de outras épocas, ora se apropriando do estilo original da canção para fugir a própria maneira natural de tocar.

Estilos

Se algumas delas são versões adicionais às originais - caso do Korn tocando Pink Floyd, já que é impossível dizer que um sucesso tão clássico pode ser superável por um cover, já exemplos de versões que conseguiram ir além e desenvolver um estilo que deve ter deixado até o autor original com inveja. Vale a pena conferir - e ouvir!

Bethânia sertaneja

Grande diva da voz na música brasileira atual, Maria Bethância deu força nova à consagrada canção da dupla sertAneja Zezé de Camargo e Luciano “É o Amor”. O grande sucesso dos irmãos foi gravado no disco “A Força que Nunca Seca”, de 1999, e até hoje faz parte do repertório da artista em seus grandes shows pelo país.

O curioso é que, se o público tradicional da cantora é bastante diferente daquele que idolatra a música serteneja, a música é uma das mais celebradas nas apresentações da cantora, levando o público ao delírio.

The Black Beatles

Embora ambas sejam bandas britânicas, Black Sabbath é o oposto dos Beatles em assunto d rock’n’roll. O que não impediu a banda criadora do heavy metal a fazer uma versão da clássica “Day Tripper”, além de outras versões tocadas em shows.

Nem tão ‘Pink’

Se você acha que Korn e Pink Floyd não tem nada a ver um com o outro, vai deixar de pensar assim quando ouvir a versão do grupo americano de “Another Brick in the Wall - part 2”, maior sucesso da banda britânica. A música fica eletrizante no timbre cavernoso do vocalista.

Chico em rock

A roqueira Pitty fez sucesso com suas canções originais. Porém, uma versão “Deus lhe Pague”, de Chico Buarque, de 2003, identificou a agressividade melódica na canção de Chico e acrescentou os bem casados acordes grooves de guitarra. Fez uma das melhores versões desta música, deixando a d’O Rappa no bolso.

Amy em groove

A banda indie Artic Monkeys não é muito de covers e surpreendeu o mundo ao trazer uma versão incrível de You Know I’m No Good, de Amy WineHouse. A guitarra falou a língua da canção.

Waters of March

Só a sofisticação do apaixonado por música brasileira David Byrne e o talento e perfeição da voz de Marisa Monte para prestar uma homenagem à altura do mestre Tom Jobim, que canta “Águas de Março” dupla em portugês em inglês.

Para se emocionar

A canção Jolene, da cantora country americana Dolly Parton, nunca foi tão bonita até ser interpretada pela dupla de rock The White Stripes. A versão do show Under Black Pool Lights, disponível no YouTube, é arrebatadora.

Publicidade
Publicidade