Publicidade
Entretenimento
Vida

Cookies decorados viram opção de presente

Os biscoitos da Le Cookier estão disponíveis nos sabores baunilha, chocolate e gingerbread (gengibre e especiarias) 22/08/2015 às 14:40
Show 1
Dia dos Namorados, aniversários, casamentos e chás de panela são alguns dos eventos em que os cookies são uma mão na roda para quem tem dificuldade em achar presentes fora do comum
rosiel mendonça ---

Assim são os cookies que saem dos fornos da Le Cookier: ricos em detalhes, saborosos e feitos com ingredientes especiais. O ateliê criado em São Paulo se especializou em transformar os biscoitos artesanais em opções para presentear quem se gosta em datas especiais ou oferecer como lembrança em eventos temáticos. Quem está à frente disso é o amazonense Wayner Lyra, 30, radicado no Sudeste há dez anos.

Formado em comunicação, ele descobriu o talento para a cozinha depois de um intercâmbio na França, quando conheceu de perto a mundialmente conhecida confeitaria e gastronomia do País. Quando voltou, resolveu se dedicar à nova paixão e criou a Marie Antoinette, marca que resgatava os doces da corte francesa. Com o tempo, a linha foi incorporada ao que passou a ser a Le Cookier.

“Hoje tenho seis funcionários trabalhando na produção de cookies decorados e acabamos de lançar uma loja virtual, que recebe novidades toda semana”, conta Lyra. “Nosso catálogo é grande e estamos lançando os produtos aos poucos. Mas posso adiantar que voltaremos a fazer alguns doces da linha Marie Antoinette, como a torta de limão com lavanda”.

Os biscoitos da Le Cookier estão disponíveis nos sabores baunilha, chocolate e gingerbread (gengibre e especiarias). Outro diferencial é eles não possuírem conservantes e durarem até dois meses, se bem acondicionados. Isso é o que faz o ateliê de Wayner atender pequenas e grande encomendas de todo o Brasil, inclusive para eventos corporativos.

Manteiga e glacê real

Dia dos Namorados, aniversários, casamentos e chás de panela são alguns dos eventos em que os cookies são uma mão na roda para quem tem dificuldade em achar presentes fora do comum. Na Le Cookier, a criatividade é um dos “ingredientes” principais dos biscoitos. Por serem personalizáveis, as opções são quase infinitas, mas os cookies decorados são o carro-chefe do ateliê de Wayner Lyra.

“Todos são feitos artesanalmente e pintados a mão. O cookie acabou se tornando uma boa escolha de presente porque ele se comunica com o presenteado. Algumas pessoas têm até dó de comer porque eles trazem um apelo sentimental”, completa o amazonense, que hoje está equipado para produzir 10 mil unidades por mês.

“O que mais gostamos de fazer é criar produtos sob medida. No site tem um formulário que os clientes podem acessar e jogar as informações básicas do que querem. Nosso trabalho é executar a ideia. Queremos que a qualquer momento, de casa ou do celular, pessoas de todos os cantos do Brasil possam pedir e receber em casa nossos produtos”.

Dente os ingredientes que passam pela cozinha dele e que tornam seus cookies especiais está a manteiga e o Glacê Real, que ganhou esse nome depois de ser usado para decorar o bolo de casamento da Rainha Victoria.

“Usamos somente manteiga porque ela deixa o biscoito mais crocante e dourado. Outra coisa fundamental é o glacê, que já foi muito utilizado até os anos 80 na confeitaria mundial, mas acabou perdendo espaço para a pasta americana. Como minha vertente de estudo vem das escolas francesas, muito ligada à tradição, resolvi resgatar esse elemento”.

Dedicação paralela

Os cookies decorados e personalizados conquistaram outra manauara, a advogada Evelyn Loureiro (@cookiesevelyn), que por enquanto atende só por encomenda. A experiência de Evelyn com a confeitaria começou quase por acaso, enquanto passava o dedo pelas fotos do Instagram. Ela se deparou com um cookie decorado e passou a pesquisar tudo a respeito dos doces. “Hoje advogo durante o dia e faço cookie durante a noite” , brinca.

Os biscoitos podem ser nos sabores limão, baunilha ou canela e os temas também variam conforme a ocasião: com motivos religiosos, no caso de batizados, ou florais, para o Dia das Mães.

“Estou sempre buscando algo novo para não ficar na mesmice e Manaus não ficar aquém do que rola lá fora. Costumo fazer cursos em São Paulo e o próximo vai ser focado em cookies para o Halloween e Natal”, adianta. “Não tem um preço fixo porque varia de acordo com o que as pessoas pedem e o material que vou usar. Não é igual doce que vendem de cento”, explica ela.


Publicidade
Publicidade