Publicidade
Entretenimento
Vida

Crianças abandonam brinquedos convencionais pelos eletrônicos

Muitas crianças vão ganhar neste domingo um brinquedo eletrônico e terão à mão um mundo novo cheio de perigos 11/10/2014 às 13:44
Show 1
Mateus expressa toda a alegria de brincar de jogos de luta no playstation dele
jéssica vasconcelos ---

Amarelinha, garrafão, taco ball, pique-esconde, bonecas e carrinhos parecem brincadeiras cada vez mais distantes do cotidiano das crianças. Se antes as crianças se reuniam no final da tarde para brincar e correr pela rua, hoje os videogames, celulares e computadores fazem mais sucesso com a criançada do que as tradicionais brincadeiras.

Para os pais é espantoso a capacidade que os pequenos adquirem cada vez mais cedo no manuseio de aparelhos eletrônicos, porém, é necessário pensar até que ponto esse contato com o mundo globalizado é benéfico.

Incentivado pela mãe, o pequeno Levi Antony, 11, é um exemplo de criança que não abre mão de algumas horinhas com os colegas da vizinhança no final da tarde.A mãe do menino Viviane Brandt conta que já faz parte da rotina do filho chegar da escola e correr para brincar. “Ele faz um lanche rápido e corre para aproveitar a companhia dos colegas”, disse Viviane.

De acordo com Viviane, assim como ela brincou na rua e conheceu todas as brincadeiras típicas dessa fase da vida, o filho também tem direito de aproveitar esses momentos, mesmo com as novas oportunidades de contato com aparelhos eletrônicos. “Eu corri e brinquei e fiz muitas amizades brincando na rua, isso é importante e quero que meu filho também tenha essa oportunidade de curtir cada momento dessa fase que passa super rápido”, acrescentou a mãe de Levi.

O pensamento compartilhado por Joana Kitzinger, mãe do pequeno Marcelo Kitzinger de Souza Junior, 8, que apesar de ter videogame e computador em casa não abre mão de brincar de bola e carrinho. Segundo Joana, incentivar essas brincadeiras faz com que o filho não perca a inocência que toda criança perde tão cedo. “Quero que meu filho cresça aproveitando todas as oportunidades que a infância oferece”, disse Joana.

Rodeado por computador, tablet, celular e videogame Mateus da Silva Monteiro, 7, diferente de Levi e Marcelo, vive longe das brincadeiras com bolinha de gude e futebol. A mãe Eriana da Silva conta que desde muito pequeno Mateus mostrou interesse por computador e celular, e o pai acabou incentivando o garoto comprando os produtos.”Ele brincava com os tios e foi pegando gosto por isso, hoje para ele ir na casa da avó é preciso dizer que lá tem wifi”, disse Eriana.

Eriana conta que o medo da violência faz com que a família acabe isolando Mateus que só tem contato com outras crianças na escola. “O mundo está tão perigoso que infelizmente não dá para abrir mão da vigilância constante”, disse Eriana.

Incentivos

Apesar do medo da violência, Eriana Silva, mãe de Mateus, pensa em incentivar um pouco mais a interação do filho com outras crianças, pois sabe que o isolamento não é saudável e que o contato com brincadeiras simples como jogar bolinha de gude é importante para o desenvolvimento do filho que muitas vezes encontra dificuldade de interagir.

Blog: Iraccy Rocha, psicóloga da escola Literatus

“O ideal para o desenvolvimento da criança é o equilibrio entre o contato com os aparelhos eletrônicos e as brincadeiras tradicionais e isso deve ser medido pelos pais. As brincadeiras antigas como pique-esconde, barra bandeira, bola, são importantes porque desenvolvem todo o aspecto motor e lógico da criança, tanto que hoje as escolas de ensino infantil trabalham o brincar e resgatam essas atividades que desenvolvem, além do corpo, a mente da criança. Muitos vão falar contra ou favor do mundo globalizado, mas não podemos negar que os jogos de videogame de acordo com a faixa etária da criança também ajudam a desenvolver o raciocinio. Só correr e pular não ajuda a desenvolver e se não exercitar a mente haverá uma falha também no desenvolvimento dessa criança, portanto o equilibrio entre o antigo e o novo devem ser aplicado pelos pais. As atividades tecnológicas também podem dar uma grande contribuição para o desenvolvimento humano”.




Publicidade
Publicidade