Segunda-feira, 22 de Julho de 2019
Vida

Criatividade na rede: criador do 'Mapinguari Criativo' explica o projeto

Trabalhar com audiovisual na rede era uma vontade antiga do publicitário Breno Bigi, que produz vídeos e curtas-metragens há pelo menos dez anos



1.jpg A gravação de esquetes é um dos planos de Bigi para quando ele conseguir reunir uma equipe de produção maior
11/07/2013 às 09:15

O publicitário acreano Breno Bigi acaba de entrar para a turma dos que se aventuram na produção de conteúdo para a Internet. Radicado em Manaus desde 2002, ele criou recentemente o canal no Youtube “Mapinguari Criativo”, onde tem postado “vídeos para a web, na Amazônia, com manauaras, índios e cabocos, na floresta ou na bela metrópole que é Manaus”. Até agora, dois vídeos já foram para o ar.

Trabalhar com audiovisual na rede era uma vontade antiga do publicitário, que produz vídeos e curtas-metragens há pelo menos dez anos. “A Internet é o futuro da televisão, porque não te deixa dependente de uma programação”, opina. Hoje, para manter o canal no ar, ele diz depender apenas de equipamentos – no caso, uma filmadora de mão e uma câmera convencional.

Estilos

Vídeos em stop motion (quadro a quadro) serão uma das especialidades do “Mapinguari Criativo“, segundo Bigi. O primeiro deles foi “Sonho ou pesadelo”, seguido por “Boneco no volante, perigo constante”, que alerta sobre os perigos dos “rachas” (para assistir no smartphone, leia o QRcode ao lado).
 

“Essa é uma técnica que comecei a usar ainda na faculdade. Crio um roteiro curto e gravo com os materiais que encontro em casa”, explica. Agora, ele pretende usar o stop motion na gravação de videoclipes de bandas locais. A primeira delas deve ser a Cabocrioulo.

“Sabedoria cabocla e vídeos virais” é outra série de vídeos do canal. “Esses eu tenho gravado aos sábados com alguns moradores de Paricatuba. Seleciono vídeos virais da Internet e levo para eles assistirem; em seguida, faço algumas perguntas e espero pelas respostas inusitadas”.

No entanto, o publicitário explica que a série foi retirada do ar temporariamente. “Uma das pessoas que aparecem nos virais denunciou os meus vídeos por violação de direitos autorais, mas tão logo a questão seja resolvida, eles voltarão ao ar”, justifica.

A gravação de esquetes é um dos planos de Bigi para quando ele conseguir reunir uma equipe de produção maior. A ideia é convidar atores e humoristas da cidade para adaptarem lendas amazônicas para o formato de vídeos de comédia.


Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.