Quinta-feira, 02 de Abril de 2020
Vida

Crítica: filme 'Jack - O caçador de gigantes' baseia-se no conto de fadas 'João e o pé de feijão'

Na história, uma guerra antiga se reinicia quando Jack (Nicholas Hoult), um jovem trabalhador do campo, abre inconscientemente um portal entre o mundo e uma raça de gigantes. Soltos na Terra pela primeira vez depois de séculos, eles tentam reconquistar o território perdido, forçando Jack a entrar na batalha de sua vida para impedi-los



1.jpg Com os vários problemas técnicos e artísticos, “Jack - O caçador de gigantes” passa se arrastando na avaliação
01/04/2013 às 08:53

A nova mania no cinema americano é fazer adaptações contemporâneas de clássicos do cinema ou da literatura infantil. Em “Jack - O caçador de gigantes”, que faz uma releitura do clássico “João e o pé de feijão”, essa nova roupagem é um tanto exagerada, além de não ser bem explorada.

Na história, uma guerra antiga se reinicia quando Jack (Nicholas Hoult), um jovem trabalhador do campo, abre inconscientemente um portal entre o mundo e uma raça de gigantes. Soltos na Terra pela primeira vez depois de séculos, eles tentam reconquistar o território perdido, forçando Jack a entrar na batalha de sua vida para impedi-los. Lutando por um reino e seu povo, e pelo amor de uma corajosa princesa, Jack fica frente a frente com os guerreiros que pensava serem apenas uma lenda.



Esse enredo, em certos pontos, está saturado. É aquela velha proposta da princesa que não quer se casar com o seu prometido, foge do castelo para viver suas aventuras e blá, blá, blá. Um roteiro muito fraco, mastigado, que não permite ao espectador pensar. Isso sem contar os inúmeros absurdos nos efeitos especiais.

Moderado

As atuações são medianas, apesar do elenco trazer nomes como Ewan McGregor, Ewen Bremner, Bill Nighy, entre outros. O que salvou a película no quesito atuação foi Stanley Tucci, que já ganhou o Oscar por seu trabalho em “Um olhar no paraíso”, e também o jovem Nicholas Hoult – que parece ser o novo queridinho das produções teen.

Com os vários problemas técnicos e artísticos, “Jack - O caçador de gigantes” passa se arrastando na avaliação. O filme ganha pontos, por outro lado, por ser bem sincero em sua proposta e no público alvo. A criançada deve lotar os cinemas para conferi-lo, assim como fez em outros títulos da mesma proposta, não deixando de ser diversão infantil garantida.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.