Sábado, 24 de Julho de 2021
Audiovisual

Curta amazonense 'Jamary' é selecionado para o Cine Fantasy

Produção, que fala sobre a lenda do Anhangá, é dirigida pelo ator e diretor Begê Muniz. Evento é voltado para o cinema fantástico brasileiro e internacional



foto_divulgac_a_o_filme__4C830BE5-429C-4628-9877-0DB6CCD8B28E.jpg Cena registra o encontro de Ane com o Anhangá (Foto: Divulgação)
15/03/2021 às 14:47

Com elementos amazônicos misturados ao gênero da fantasia, o curta-metragem “Jamary”, dirigido pelo ator e diretor amazonense Begê Muniz, foi selecionado para a 11º edição do Cine Fantasy – Festival Internacional de Cinema Fantástico. A produção integra a categoria “Fantasteen”, voltada para o público infanto-juvenil e para a formação do público consumidor de cinema fantástico. O evento acontece de 16 a 29 de abril e o filme poderá ser assistido neste período, de forma virtual, por meio do site www.cinefantasy.com.br.

Na trama, a pequena Ane, interpretada pela atriz Júlia Cabral, é uma menina que mora na zona rural de Manaus, e que passa as tardes brincando nos arredores da floresta com seus primos Madson (Carlos Eduardo) e Janice (Clara Leonel). De acordo com Begê, ela se depara com o Anhangá, um espírito indígena presente na cultura de várias etnias do País. Mas, ao adentrar mais profundamente na floresta, Ane encontra uma verdadeira assombração.



“Era a estreia que esperávamos, por ser o maior festival de cinema fantástico do Brasil. Uma vez que nosso curta-metragem tem esse caráter de fantasia, considerando elementos amazônicos, era nosso maior objetivo estrear nesse festival”, celebra Begê. O filme foi gravado no mês de dezembro do ano passado, na zona rural da capital. Nesse período de pandemia, ele alega ser extremamente importante a divulgação virtual do projeto. “A maioria [dos festivais] são realizados online e as pessoas poderão assistir ao filme de forma gratuita, aumentando o alcance do público”, pondera.
 
Muniz, conhecido pela atuação na novela “Além do Horizonte” (2014), da Rede Globo; e nos filmes “A Floresta de Jonathas” (2012) e “Antes o Tempo Não Acabava” (2016), agora inverte os papéis: com o curta, ele celebra a sua estreia também no ramo da direção audiovisual. “Eu adorei a experiência. Já estou escrevendo o novo roteiro de ‘Jamary’, que irá se tornar um longa-metragem. Acho que essa temática, seus personagens e a defesa do meio ambiente são super atuais e necessárias”, aponta ele, que planeja uma carreira internacional para o filme. 

As nuances da direção de Begê com os atores de “Jamary” buscam explorar a profundidade de cada um, segundo ele. “Sobre as cenas e suas performances, tive a sorte de contar com atores experientes como Rosa Malagueta, e poder direcionar estreantes como a Júlia Cabral, Carlos Eduardo e Clara Leonel, que são o elenco ‘teen’ do filme. E me interesso muito por fotografia. Acho a Amazônia um lugar cheio de possibilidades que podem ser aproveitadas nesse sentido”, destaca o diretor.

Próximo projeto

Muniz acaba de finalizar os trabalhos na direção de outro curta-metragem, intitulado “Porcelana”. “O projeto em si é da Eliana Andrade, que também foi diretora de arte no  curta ‘Jamary’. Ela me convidou para dirigir esse filme, que é mais experimental, completamente diferente do outro”, comenta ele. “Porcelana” conta a história de uma bióloga que mora em Iranduba (AM) e que enfrenta a perda de um ente querido. “O curta começou a ser gravado em dezembro do ano passado, mas só foi finalizado no mês de fevereiro, e ainda será inscrito em festivais”, completa o diretor.

Saiba mais

O curta "Jamary" foi premiado pelo Edital Conexões Culturais Manaus - Lei Aldir Blanc 2020. Já o filme "Porcelana" foi contemplado pelo Edital Encontro das Artes - Lei Aldir Blanc 2020.

Subeditora de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.