Quarta-feira, 26 de Junho de 2019
paixão e carreira

Conheça histórias de profissionais formados em gastronomia que atuam em Manaus

Chefes de Cozinha renomados que atuam em restaurantes de destaque em Manaus, enquanto outros apostam em empreender



aberg.JPG O chef de cozinha Waldemberg Mar Vale, da Forneria Bistrô Di Villa, é formado em gastronomia (Foto: Winnetou Almeida)
06/08/2016 às 20:13

Tão importante quanto ter habilidade para cozinhar e montar pratos harmoniosos e apetitosos, o profissional que pretende seguir carreira na área de gastronomia precisa saber trabalhar em equipe e ter espírito de liderança. Principalmente se a opção for atuar como chef de cozinha. A carreira tem a possibilidade de cada vez mais atrair a atenção dos estudantes.

A Coordenadora do curso de Gastronomia da Faculdade Metropolitana de Manaus (Fametro), Márcia Martins, conta que o Mercado para o Gastrônomo, profissional da área formado, está em expansão no Brasil. “A profissão como de um cozinheiro, chef de cozinha e auxiliar de cozinheiro dependem da inserção. Os empresários buscam sim profissionais qualificados e para isso é necessário disciplina e ensino de qualidade”, enfatiza Márcia.

O curso de Gastronomia no Amazonas existe na Fametro e no Centro Universitário de Ensino no Amazonas (Ciesa), com duração de dois anos, superior Tecnológico. E algumas das disciplinas que estão no plano do curso são: Gestão gastronômica, ficha do custo de um prato, contratação, curso de francês, empreendedorismo, preparação de rótulos e segurança alimentar.
 
 O gastrônomo pode atuar como consultor para restaurante, inclui também trabalhar na produção e na pesquisa do produto, pode ser um gerente de alimentos e bebidas numa rede de supermercado. Além de ser um assessor de imprensa na área, designer gastronômico, confeiteiro, especialista em um produto, contribuinte em coluna de jornais, empreendedor e supervisor.

“O chef de cozinha passa a imagem de glamour, mas na verdade, no momento em que as pessoas então se divertindo nós estamos trabalhando. Tem que ser Proativo, esforçado, estar sempre estudando, ter disposição, disponibilidade e disposição física. Valorize o que é nosso, profissionais que iniciam a carreira podem investir na culinária regional, com um tucupi e o peixe” enfatiza Martins.
 
Motivada pelo simples gosto de cozinhar e querer fazer parte de uma confeitaria, Caroline Jean, 22, cursa o segundo período de gastronomia na Fametro e já faz seus planos de carreira.
 
“Não adianta fazer algo que nós não gostamos. Pretendo investir na comida e confeitaria. Tenho um projeto com meu namorado, que é montar um restaurante com cardápio latino, em que a cada dia possa oferecer um prato típico de cada país, além de desenvolver um segundo projeto que são pratos com intolerância a lactose”, comenta Caroline.

O salário Inicial é entre 800 a 900 reais para auxiliar de cozinha. Para a função de primeiro cozinheiro a remuneração é mil reais e chef de cozinha entre três mil a 3,5 mil reais, dependendo do ramo que for atuar (Hotelaria ou restaurante).

Chefes de Cozinha renomados que atuam em restaurantes de destaque em Manaus, enquanto outros apostam em empreender

Fabrício Guerreiro, Bruno Raphael e Carlos Alexandre são amigos e sócios do restaurante Taberna 88, em Adrianópolis (Foto: Winnetou Almeida)

O chef de Cozinha Guilherme Pereira, 36, formado pelo Ciesa, atua em Manaus no restaurante Najua, além de começar a criar sua própria marca de comidas que são sanduíches árabes vendidos no CSU do Parque Dez.

Guilherme começou sua experiência na área de informática, mas ao observar que o mercado estava escasso para esta área, iniciou o curso de gastronomia.

Adquiriu experiências na área como auxiliar de cozinha e logo depois, recebeu a proposta no Najua para assumir o cargo de chef. Para ele, a ideia de que um chef de cozinha é “estrela” não existe, e sim que precisa ter diferenciais indispensáveis: versatilidade, atenção e atualização.

“Este profissional não é uma estrela da cozinha, na verdade tem que estar disposto a fazer de tudo um pouco e saber o que está acontecendo com a gastronomia internacional”, ressalta.

O gastrônomo e proprietário da Taberna 88, Carlos Alexandre, conta um pouco da idealização até à conquista de ser um profissional de sucesso, formado pela Fametro.

“A faculdade lhe capacita ser um gestor e não um chef de cozinha. Da minha turma de 60 alunos  se formaram apenas 13. Eu comecei minha empresa como um bar, vendia apenas petiscos, laticínios e bombons, porém iniciei o curso e a paixão foi acontecendo”, diz Carlos.

A Taberna 88 tem 10 anos.  A empresa é junção de três sócios, dois gastrônomos formados e um em formação. Serve almoço todos os dias como carne de Sol, hambúrgues, petiscos, e linguiça artesanal com ervas. Além de ter diferenciais como: queijo coalho, manteiga de garrafa, tomate confit e maionese sem ovo. Os preços variam entre 12 a 16 reais e funciona das oito da manhã até às 24 horas.

“Aquele profissional que sempre está se atualizando cresce como profissional. Só os melhores fazem isso e acredito na capacidade dos chefs amazonenses de investirem na culinária da região”, comenta Carlos.

O chef de cozinha Waldemberg Mar Vale, da Forneria Bistrô Di Villa, trabalha com cozinha italiana e comidas árabes e conta que iniciou sua carreira através da geração de família. É um serviço árduo com a junção de amor e segurança. O profissional administra, compra o material necessário, faz a higienização, o pré-preparo, a execução e a entrega”, conta.

“Sempre senti vontade de conhecer cozinha de dentro pra fora. A pessoa tem que ser um master, começar de baixo pra cima, com sacrifício e dedicação”, enfatiza.

Aplicativo que conecta chefs de cozinha

O Apptite, aplicativo que aproxima os chefs de cozinhas aos consumidores, vai ser lançado em 2017 em Manaus. A nova tecnologia já funciona em São Paulo, disponível para ser acessado no Google Play e Apple Store.

Os chefs de cozinha vão até o site: www.apptite.com e se inscrevem para ganhar uma renda extra.  O aplicativo visa gerar emprego para as pessoas. Para o Investidor-anjo do Apptite, Rubenson Chaves, esta é uma oportunidade para descobrir talentos e tirar pessoas da crise financeira.

“O Apptite ajuda vários profissionais da gastronomia. Por exemplo, uma pessoa está num determinado lugar e deu vontade de comer um peixe. Então descobre que tal pessoa vende daí, vai gerar renda para aquela pessoa. É ajudar também um cozinheiro que ficou desempregado, então através do aplicativo ele pode vender seus pratos”, conta Chaves.

Com a estimativa de alcançar mais de 300 chefs em Manaus, com base no número de estudantes matriculados nas Universidades e em outras instituições de ensino, como o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

O Apptite é o primeiro marketplace, local onde se faz comércio de bens e serviço, de comida artesanal do Brasil. No aplicativo se consegue encontrar os melhores chefs que fazem comida com ingredientes frescos e sem conservantes. Ele tem como objetivo descobrir os talentos que fazem os melhores pratos na Cidade.

É possível ver o preço, a localização, ingredientes e a disponibilidade para fazer seu pedido. Além de poder conversar diretamente com o chef pelo chat, para tirar dúvidas e combinar a entrega ou retirada.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.