Sábado, 06 de Junho de 2020
CINEMA

De volta às salas: críticos listam filmes que merecem ser reexibidos em cinemas

Após pandemia, Brasil pode seguir exemplo chinês e reabrir seus cinemas com blockbusters



vvfds_E659B076-F2B5-4142-955F-3DC65FA979F3.JPG
03/04/2020 às 16:50

Quase quatro meses depois do primeiro caso de coronavírus em Wuhan, a China, enfim, está se recuperando da pandemia que a contaminou. Por conta disso, a indústria cinematográfica local iniciou um tímido retorno na semana passada, quando cerca de 500 cinemas – dos 70 mil fechados desde janeiro – abriram as portas para o público. 

A maioria das produções em cartaz são relançamentos de filmes nacionais que fizeram sucesso recentemente. Há ainda a possibilidade do relançamento de sucessos de bilheteria, em uma tentativa de reavivar a indústria.



No Brasil, a situação segue incerta e ninguém sabe ainda quando o País sairá desse cenário desolador, ou quando atingirá o pico no número de casos. Em terras tupiniquins os cinemas continuam fechados e a grande maioria da população permanece respeitando a quarentena. 

Caso os cinemas brasileiros decidam adotar a mesma estratégia chinesa para alavancar a indústria, alguns cinéfilos e críticos já tem em mente os filmes que querem rever nas telonas - é o caso de Caio Pimenta, Susy Freitas e Ivanildo Pereira.

Começando de leve

Para o editor-chefe do Cine Set, Caio Pimenta, a tarefa não é das mais fáceis. Afinal, por que escolher apenas um grande filme para rever nos cinemas, quando se pode escolher três?

Às indicações: “Vou com um trio de filmes leves, começando por ‘Um Lugar Chamado Notting Hill’, passando por ‘O Casamento do Meu Melhor Amigo’ e finalizando com ‘Simplesmente Amor’”.

Segundo o crítico, apesar de não serem obras-primas, o trio é unanimidade quando o assunto é um bom entretenimento.

“Acho que depois de tanta tensão, medo e baixo astral por conta da pandemia, as pessoas irão querer produções mais leves, para distrair mesmo, esquecer os problemas da vida e rir um pouco. Fora que tem trilhas sonoras ótimas para você sair com uma sensação melhor ainda”, completou.

O poder do cinema

Seguindo uma linha de raciocínio semelhante ao de Caio, o jornalista e professor de cursos de cinema Ivanildo Pereira, também integrante do time Cine Set, escolheu ‘Cantando na Chuva’. O musical, clássico de 1952, de acordo com Ivanildo, além de divertido e alto astral, mostra a importância do cinema em nossas vidas. 

“Bem, eu gostaria que o cinema passasse ‘Cantando na Chuva’. Porque é pra cima, animado e irresistível, e vamos precisar disso depois dessa época ruim. Se tem um filme capaz de festejar o poder do cinema e colocar pra cima todo mundo que o vê, é esse”, afirmou. 

Resistência popular

Indo na contramão dos filmes levinhos, feitos para a família, indicados até agora, a mestre em Ciências da Comunicação Susy Freitas elege um dos filmes que mais causou burburinho no meio cinematográfico nos últimos tempos: ‘Bacurau’. 

O longa brasileiro, que chegou a ser cotado para representar o Brasil na briga pelo Oscar 2020 de melhor filme internacional, conta a história dos moradores de um pequeno povoado localizado no sertão brasileiro, chamado Bacurau, que descobrem que a comunidade não consta mais em qualquer mapa. 

“Depois do período de distância social, muitos estarão sedentos por um contato orgânico com o outro, sem o uso de celulares ou computadores. ‘Bacurau’ é um filme que mostra muito dessa integração, do senso de comunidade e das transformações que essa interação é capaz de promover não só em termos políticos, mas também num plano pessoal, do cuidado de si e com o próximo”, concluiu Susy, que, além do Cine Set, também integra a Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.