Domingo, 19 de Maio de 2019
Vida

Desenhos animados ganham interpretação filosófica em Nova Acrópole de Manaus

Segundo a diretora do evento, Kelly Aguiar, este ano a organização optou por exibir desenhos antigos e atuais inspirados em grandes obras da literatura



1.gif
Em sentido horário: “Os Cavaleiros do Zodíaco”, será exibido no festival
19/01/2013 às 13:43

Tornar a filosofia mais palatável para diversos públicos – é com esse objetivo que a Nova Acrópole de Manaus mantém uma intensa agenda de eventos em sua sede, localizada na rua Teresina, 75, no bairro de Adrianópolis, próximo ao restaurante Banzeiro. Dentro da programação de férias da associação, a pedida de hoje é a terceira edição do Festival Filosófico de Desenhos Animados, que acontece a partir das 15h, com entrada gratuita e indicação para maiores de 15 anos.

Segundo a diretora da Nova Acrópole, Kelly Aguiar, este ano a organização optou por exibir desenhos antigos e atuais, em que os animadores, de alguma forma, se inspiraram em grandes obras da literatura universal, como mitos e contos. Serão exibidos trechos das animações “Os Cavaleiros do Zodíaco”, às 15h, “Death Note”, às 17h, e “Os Jetsons”, às 19h. Ao fim de cada sessão, um professor vai comandar um debate entre os espectadores para desvelar as ideias por trás dos desenhos.

De acordo com Kelly, a proposta do festival tem rendido bons frutos. “Falar de conceitos filosóficos numa linguagem mais simples realmente é o caminho para a filosofia nos dias de hoje. Também é importante mostrar que tudo isso é útil para o ser humano se construir de maneira mais consciente”, afirmou a diretora, garantindo que a próxima edição dará atenção especial ao público infantil.

INTERPRETAÇÃO


Para Kelly Aguiar, cada animação pode ser usada para contextualizar assuntos que vão do heroísmo presente em “Os Cavaleiros do Zodíaco”, criado pelo japonês Masami Kurumada, às tramas de poder e suas relações com a justiça, temas que aparecem em “Death Note”, animação que surgiu dos mangás de Tsugumi Oba e Takeshi Obata.

“Por outro lado, três gerações assistiram ao desenho ‘Os Jetsons’, que tenta situar o ser humano em um mundo futuro, mas fazendo essa projeção de forma linear. Estudando a História, vemos que as coisas não são bem assim. É uma discussão interessante num mundo em que tudo caminha muito rápido e mal temos tempo para nos adaptarmos”, concluiu Kelly.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.