Publicidade
Entretenimento
LITERATURA

Escritor amazonense fala de novo livro em Portugal e critica 'fiscais do Facebook'

Diego Moraes também se prepara para entregar romance para a editora Record; enquanto isso, revela que o diretor Francisco Garcia está interessado em adaptar um conto seu para o cinema 01/02/2017 às 13:11 - Atualizado em 01/02/2017 às 17:47
Show b0801 10f
André Conti/Reprodução
Rosiel Mendonça Manaus (AM)

Um dos escritores mais produtivos dos últimos anos na literatura amazonense, Diego Moraes não dá sinais de cansaço e tampouco está disposto a fazer concessões aos “fiscais de tesão do Facebook”. Usuário assíduo das redes sociais, ele lança no mês de março seu segundo livro pela editora portuguesa Douda Correria, a sétima obra de uma carreira promissora e inspirada, que ainda tem em seu horizonte um romance e um filme.

Com prefácio de Mário Bortolotto, “Dentro do meu peito você pode cultivar a solidão o ano inteiro” reúne 13 contos e 16 poemas, sendo a maioria um apanhado de textos publicados por Diego nas redes ou em sites e revistas de literatura. “Não é uma coletânea completamente inédita, mas também trago algumas coisas escritas de última hora”, afirma o autor.

Ele adianta que os contos são uma espécie de viagem pela noite manauara, enquanto os poemas têm algo de catártico. “Esse é o meu livro que mais fala de Manaus. A prosa é violenta, traz a violência manauara nas entrelinhas. Já os poemas foram escritos para eu me livrar do último relacionamento que tive. Foi algo muito intenso, e o livro me ajudou a superar isso”.

Para Moraes, ser publicado fora do País pela segunda vez também representa um novo impulso no objetivo dele de ser cada vez mais lido – em 2015, a coletânea de poemas “Um bar fecha dentro da gente”, também publicada pela Douda Correria, foi considerada como um dos 10 melhores lançamentos do ano em Portugal. “A editora tem acesso a livrarias importantes de Lisboa e o editor viaja muito com os livros. Para mim, é questão de expandir mesmo, de angariar leitores lá fora. Meu lance é esse”.

Outras linguagens

Diego Moraes agora se dedica à finalização do seu primeiro romance, ainda sem nome, que sairá pela Record. A previsão é que ele entregue os originais do texto no dia 18 de abril, mas o contrato com a editora também prevê a publicação de um livro de contos daqui a dois anos. Segundo ele, o trabalho tem sido diário, e a cada dia ele costuma ter um saldo de cinco novas páginas.

Sobre a experiência de migrar das narrativas curtas para uma de maior fôlego, ele diz: “O grande barato de sair do conto e da poesia, que têm um poder de síntese mais intenso, é você se exercitar, sair de uma piscina de cem metros rasos e ir nadar no Rio Negro, dando braçadas longas. Também é foi um pouco chato porque, principalmente no início, eu queria terminar logo a história. Batia a ansiedade do contista, mas depois entendi que romance exige um pouco de paciência”.

Além disso, o escritor iniciou conversas com o diretor paulista Francisco Garcia (o mesmo de “Cores”, “Desequilíbrio”, “Máscara negra” e outros) para a produção de um longa-metragem adaptado a partir de um conto seu. Por enquanto, Diego revela apenas que o filme será gravado em Manaus.

Literaturas

Antes ligado a grupos que movimentavam a cena literária amazonense, hoje em dia Moraes admite acompanhar pouco o que é produzido no Estado, numa espécie de estratégia deliberada de distanciamento: “Aqui rola muita inveja, mesquinharia, e quando você se sobressai num grupo você começa a ser cobrado pelo coletivo. Para mim, a literatura sempre vai ser uma arte individual; ninguém escreve comigo, é o meu delírio, minha onda, as pessoas confundem um pouco as coisas”, diz.

Por isso, o poeta se vê em condições de opinar mais sobre o cenário da literatura nacional do que o local – e a avaliação dele é positiva, mas com ressalvas: “O Brasil está indo muito bem na prosa, que tem me encantado mais que a poesia. Acho que a poesia deixou de ser provocativa, vejo muita poesia acomodada, não tem poetas escrevendo sobre o caos, o desespero, só uma poesia bonitinha e com militância política”.

De vez em quando, em posts no Facebook, Diego também pode ser visto às voltas com o politicamente correto. Para ele, as redes sociais deram voz a “grandes fiscais de tesão” que descambam para o conservadorismo.

“O Brasil tem se revelado muito careta, o que é estranho. Acho uma burrice tão grande quando isso chega na literatura porque não dá para você censurar a arte. Na literatura posso comer um bode e até a minha mãe. As pessoas estão querendo podar o artístico e essa é uma percepção boba, cafona e patética”.

Publicidade
Publicidade