Segunda-feira, 15 de Julho de 2019
Vida

Dramaturgia em evolução: encontro discute cena contemporânea

Na segunda-feira, Artrupe realiza encontro com escritores para discutir dramaturgia contemporânea no Brasil e AM



1.jpg A dramaturga catarinense Martina Sohn Fischer assina o texto de A Casa de Inverno
28/07/2013 às 16:30

A montagem amazonense do espetáculo “A Casa de Inverno”, que o Núcleo Artrupe de Teatro estreou neste sábado (27), tem tudo para suscitar uma reflexão sobre a dramaturgia contemporânea produzida em Manaus e no restante do País.

Este é, inclusive, o tema de uma mesa-redonda que a companhia vai realizar na próxima segunda-feira, dia 29, com a presença dos atores, diretores e escritores Jorge Bandeira, Francis Madson e Denni Sales, além da autora de “A Casa de Inverno”, a catarinense Martina Sohn Fischer. O encontro é aberto ao público e acontece a partir das 19h, no Teatrinho do Sesc.

“O evento em si não é para discutir o espetáculo, mas como a Martina vai estar presente, ela vai acabar comentando sobre esse trabalho, que foi o primeiro dela. Essa é nossa primeira atividade desse tipo e a intenção é abrir um espaço para que os autores da cidade apresentem e discutam as suas produções”, explicou o ator Danilo Reis, que interpreta a Mãe de “A Casa de Inverno”.

Evolução

Com 25 anos de atuação no teatro, Jorge Bandeira acredita que a atual dramaturgia amazônica conseguiu alcançar uma considerável diversidade. “Houve uma guinada a partir dos anos 1990, com o aparecimento de novos autores, perspectivas e inovações técnicas. Hoje, já encontramos uma dramaturgia antenada com a contemporaneidade, apesar de muitos grupos ainda seguirem uma trajetória convencional em relação ao texto e à interpretação”, avalia.

Ele atribui esse avanço principalmente à Internet e aos intercâmbios feitos por algumas companhias de teatro. “A UEA e os festivais também ajudaram a criar um pólo de reflexão e de interação”. Bandeira está à frente da Cia. Teatro Éden, que já encenou alguns de seus textos, como “As 22 lâminas”, “A casa alienígena de Van Gogh” e “Psicose Magaiver”.

Ruptura

Segundo Francis Madson, a principal questão que ele vai levantar durante o bate-papo é sobre a possibilidade de criação de uma dramaturgia contemporânea diante da pluralidade das formas de ver o mundo. “Também vou apresentar dois novos trabalhos: ‘Obevandiva’, criação colaborativa a partir de cenas produzidas por outros atores, e ‘Voz de Cauxi’, que vai dar origem a um livro”, adiantou ele.

Para Madson, a produção contemporânea em Manaus ainda é tímida. “Ainda não dá para dimensionar uma ruptura significativa na dramaturgia amazonense, principalmente por falta de formação, divulgação e inexistência de grupos que pesquisem elementos de composição”, opina.

Por outro lado, o foco de Denni Sales, autor de “Coisas para depois de meia-noite” , com passagem pelo Sábados Detonados, será a sua linguagem e o processo de levar o texto para o palco. Segundo ele, a cena local ganhou um fôlego e já é possível notar diferentes dramaturgias na cidade. Dentro da pesquisa que vem desenvolvendo fora da comédia, “Vaga noite sem fim” é um dos novos trabalhos de Sales, que deve ser montado até o fim do ano.

Espetáculo segue em cartaz até novembro

Com direção de Taciano Soares, “A Casa de Inverno” teve sua estreia no último sábado (27), no Teatrinho do Sesc Centro. Os ingressos serão limitados e vendidos a R$ 10. O espetáculo segue em temporada até o mês de novembro, sempre aos sábados. No elenco, Danilo Reis, Diego Bauer e Victor Kaleb.

Serviço

o que é:  Mesa-redonda “Dramaturgo e o Teatro Contempo-râneo”, com Francis Madson, Jorge Bandeira, Denni Sales e Martina Sohn Fischer

onde: Teatrinho do Sesc, rua Henrique Martins

quando: Segunda-feira, dia 29, às 19h

quanto: Gratuito


Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.