Publicidade
Entretenimento
Cultura

Inauguração da ExpoInd Amazonas acontece nesta sexta-feira (16)

Espaço, que visa promover a cultura indígena na capital amazonense, fica localizado na antiga Expoagro, na avenida Torquato Tapajós, Zona Norte 16/12/2016 às 05:00 - Atualizado em 16/12/2016 às 15:00
Show expoind
A artesãs Maria Harry e Wall França (da esquerda para a direita) estão entre os expositoras da ExpoInd Amazonas (Foto: Clóvis Miranda 27/02/16)
Silane Souza Manaus (AM)

Já pensou encontrar, em Manaus, num único lugar, artesanato, música, dança, esporte, gastronomia, medicina tradicional, rituais e outras manifestações culturais dos povos indígenas? A partir desta sexta-feira (16) isso será possível com a inauguração da ExpoInd Amazonas. O espaço, que visa promover a cultura indígena na capital amazonense, fica localizado na antiga Expoagro, na avenida Torquato Tapajós, Zona Norte, próximo ao Hospital Delphina Rinaldi Abdeu Aziz, e será inaugurado às 16h.

Os expositores estão na maior expectativa. Para eles, a ExpoInd Amazonas é a oportunidade que faltava para os povos indígenas mostrarem – não só à população da cidade, mas também aos seus visitantes – o que é produzido nas aldeias. Além de abrir portas para o desenvolvimento das famílias indígenas ao incentivar a geração de renda. “Nós sobrevivemos com o que produzimos e nossa grande dificuldade era ter um espaço fixo para vender nossos produtos”, disse a artesã Wall França.

Ela será uma das expositoras na área de artesanato e revela que vários tipos de produtos indígenas serão expostos na ExpoInd Amazonas por artesãos de diversas etnias. “Teremos uma grande diversidade de peças artesanais feitas com materiais regionais, como sementes da Amazônia, penas e madeira”, avisou destacando a atitude da Fundação Estadual do Índio (FEI) de criar o projeto que é considerado o pontapé inicial para o que deve se tornar um Centro de Referência Indígena até abril de 2017.

Culinária e rituais

Além do artesanato, a culinária indígena também estará em evidência na ExpoInd Amazonas. Entre os pratos típicos está mujica (peixe no tucupi), quinhapira (peixe cozido com pimenta) e puqueca (peixe assado na folha de bananeira), entre outros. Já entre as bebidas, o destaque é para caxiri, caiçuma e pajuaru, que são feitas à base de mandioca.

Os rituais da Tucandeira e da Pajelança, dos povos Sateré-Mawé e Tikuna, respectivamente, estarão entre as danças que serão apresentadas. De acordo com o coordenador do ritual da Tucandeira, Andirá Santeré, aproximadamente dez indígenas da tribo Sateré-Mawé vão fazer a demonstração do ritual no fim da inauguração da ExpoInd Amazonas, o que deve acontecer por volta das 21h de sexta-feira. “Esse ritual para nós é muito importante porque protege nosso corpo contra as doenças e purifica nossa mente. Também nos prepara para a vida. A pessoa que faz esse ritual tem melhor resistência, melhor visão, melhor saúde”, disse.

Meta é criar centro de referência

Inicialmente, a ExpoInd Amazonas reunirá manifestações artísticas, de medicina tradicional, culinária, rituais, entre outras, de pelo menos 65 etnias de todo o Estado. O diretor-presidente da Fundação Estadual do Índio (FEI), Raimundo Atroari, revelou que muito dos produtos comercializados no espaço serão confeccionados no próprio local. Outros virão prontos das aldeias localizadas no interior. “As pessoas vão ter contato maior com a nossa cultura, que vai estar em evidência neste lugar”.

O objetivo da FEI é que a ExpoInd seja permanente e que venha a se transformar no Centro de Referência Indígena, onde haverá museu, centro esportivo voltado aos povos indígenas, entre outros espaços. “Vamos dar início a esse projeto macro para que a população tenha ciência desse espaço exclusivo, que queremos ter a partir do dia 19 de abril de 2017”, afirmou.

Etnias beneficiadas

Entre as famílias indígenas beneficiadas pelo projeto   estão os povos Tikuna, Sateré-Mawe, Miranha, Mura, Tukano, Kokama, Munduruku, Wanana, Maragua, Kambeba, Dessana, Apurinã, Baré, dentre outros. A ExpoInd Amazonas contará com em torno de 200 barracas de comida tradicional, artesanato indígena, entre outros.

Publicidade
Publicidade