Domingo, 15 de Setembro de 2019
CD NOVO

Em entrevista, Sorriso Maroto fala sobre novo disco gravado na ‘casa dos sonhos’

Banda promete resgatar sonoridade do início da carreira no CD “De volta pro amanhã”. Em março, integrantes do grupo passaram 20 dias confinados em casa no Rio de Janeiro para compor o material



sorriso.jpg Após DVD gravado em 2014, banda decidiu fazer disco que resgatasse a essência (Foto: Divulgação)
04/07/2016 às 10:14

Como no início da carreira, há 18 anos, a banda Sorriso Maroto se reúne em ambiente caseiro para compor músicas com mais liberdade, além de resgatar o sentimento que fez nascer o grupo. A iniciativa é precursora para a gravação do mais recente trabalho “De volta pro amanhã”. Em entrevista ao BEM VIVER Sérgio Jr., (violão e vocal) revela como foram os 20 dias em que a banda passou confinada na ‘Casa dos Sonhos’, no Rio de Janeiro, em março deste ano.

“Meus 20 anos ficaram retratados no primeiro disco da banda, que também nasceu assim, num clima caseiro. Com os passar dos anos fomos amadurecendo, afinal a gente vai tocando a carreira”, conta.

Segundo ele, depois do último DVD “Sorriso Eu Gosto no Maracanazinho”, gravado em 2014, a banda decidiu fazer um disco novo que resgatasse a essência que fez surgir o grupo. “É totalmente diferente de gravar num estúdio. Tivemos que adaptar os ambientes da casa para ter um melhor resultado sonoro e a reflexão de som. Mas com certeza o ambiente caseiro é melhor e mais fácil de produzir”, disse.

“Estamos gravando!”, essa foi uma das frases mais ditas pelos integrantes da banda, “afinal quando se está numa casa o cachorro late e a panela bate”, destaca Sérgio.

Bastidores

Sorriso Maroto ficava na casa de segunda a quinta, e aos fins de semana cumpria os shows marcados. O clima era de liberdade. “Estava compondo com o Bruno (vocalista) e já estávamos quase terminando a música ‘Prédios Vazios’ (nova faixa do disco), quando disse para ele: ‘Estou sentindo falta de uma melodia, uma especial cairia bem’, ele respondeu: ‘vamos pensar’”, revela.

Eles resolveram tomar um café, e parte da banda foi passear. Sérgio e Bruno foram para um jardim e começaram a sugerir a melodia que faltava. Foi quando gritou: “Volta todo mundo! Vamos gravar”, em referência de terem achado a melodia perfeita. “Não tínhamos a letra ainda, mas a liberdade para criá-la não faltava naquele ambiente”, conta.

Participações especiais

O disco conta com a participação especial de Wesley Safadão, na música “Coincidência não existe”; Roupa Nova, em “Adeus” e Nego do Borel, na faixa “Soltinha”.

Segundo Sérgio, Wesley é amigo do grupo há cinco anos, e a ideia de convidá-lo surgiu nos camarins. “Ligamos para ele e a resposta foi: ‘Só me diz a hora e a roupa que vou usar. Eu topo’”, revela. A criação da música que o cantor participa durou um dia.

Já a ideia de chamar o Roupa Nova parte da admiração que o grupo tem por eles. “Foi uma parceria incrível. Roupa Nova são nossos professores, além de serem ícones da música brasileira. Nossa interação na música foi demais”, compartilha.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.