Publicidade
Entretenimento
Literatura

Em livro infantil, amazonense Regina Foeger aborda 'morte' e 'ser' diferente

O pré-lançamento da versão em português “A Mensagem da Borboleta”, será nesta quinta-feira, 28, às 16h, no auditório Ruy Alencar do Instituto Cultural Brasil Estados Unidos (ICBEU) – localizado na Avenida Joaquim Nabuco, nº 1286, no Centro 27/07/2016 às 09:05
Show zbv0427 001f  2
A escritora amazonense Regina Foeger, lançou na Áustria o livro “Butterfly Letter”, com versões em inglês e alemão. (Winnetou Almeida)
Mayrlla Motta Manaus (AM)

Existem dois temas considerados delicados de abordar: A morte e o “ser” diferente. Para os adultos, essa tarefa, às vezes, pode ser executada com mais facilidade. Entretanto, no universo infantil é preciso ter um pouco mais de atenção. Pensando justamente em facilitar o diálogo com as crianças sobre os dois temas, a escritora amazonense Regina Foeger, lançou na Áustria o livro “Butterfly Letter”, com versões em inglês e alemão.

O pré-lançamento da versão em português “A Mensagem da Borboleta”, será nesta quinta-feira, 28, às 16h, no auditório Ruy Alencar do Instituto Cultural Brasil Estados Unidos (ICBEU) – localizado na Avenida Joaquim Nabuco, nº 1286, no Centro. A apresentação com entrada gratuita terá formato de encenação teatral em 60 minutos, com a participação de crianças.

O livro conta a história da pequena lagarta Tami, nascida com Síndrome de Down, desde o seu nascimento, passando pela escola, e até o “ir embora”. Na obra, a autora, por meio de ilustrações feitas por ela, também fala sobre o processo que os pais passam desde o início da gravidez até o nascimento de um filho. E a autora tem propriedade para falar sobre o assunto, pois um de seus quatro filhos nasceu com deficiência auditiva.

Em entrevista para A CRÍTICA, a pedagoga social defende que a historinha foi feita especialmente para alcançar as crianças. Ela relata as partes preferidas do conto. Uma delas é figura que o Sr. Besouro está trazendo a lagartinha num pacotinho para a mamãe lagarta e as  vizinhas, que são as joaninhas, para ver a “novidade”. 

“Na terra das fadas todas as lagartinhas têm três pontinhos, mas a Tami só tem dois, e isso tem a ver com os cromossomos. Durante a apresentação do livro, na quinta-feira, eu vou explicar isso para crianças comparando com as frutas, para elas entenderem o que faz uma criança nascer diferente”, disse a autora que tem o livro distribuído em escolas austríacas. 

Na imagem que segue, quando a mamãe lagarta se depara “com a lagartinha ela pensa: ‘A minha é diferente’ e eu ilustro com uma imagem de um mundo que se quebrou. Toda a alegria dos nove meses se defronta com indagações e inúmeros porquês”, explica Regina. A inspiração para a obra, além da própria experiência da autora que vive há mais de 30 anos na Aústria, foi a filha de uma amiga, nascida com Down, que morreu aos 17 anos. “Fiz esse livro para mostrar tanto a visão da mãe, no contraste de como ela se sente. E ainda pela discriminação para com essas crianças”, explica ela destacando que essa discriminação vem do ambiente e não pela própria criança, pois elas “não se sentem diferentes, apesar do medo que os pais sentem de o filho não ser aceito”.

A separação

Foeger conta que “um certo dia a lagartinha amanhece doente com vontade de dormir. A mãe vai querer descobrir o que está acontecendo com a filha, e ali começa a parte da separação”, explica. “Quando aconteceu isso, e eu fui contar para meus filhos, eu não achava um livro com a temática, para facilitar o diálogo. Você nunca vai saber qual será a reação da criança Geralmente elas aceitam tudo facilmente. Elas perguntam ‘morreu meu gatinho?’, mas elas querem saber o porquê”, disse. 

A mensagem

Após a ida da criança, o mundo daquela mamãe lagarta ficará escuro. “Ilustro assim para demonstrar o negativo da esperança que todos queriam ter”, defende. A mamãe lagarta irá receber uma carta de uma fada feita pela lagartinha, que se transformou numa bela borboleta. “E essa é a mensagem uma carta da filha para a mãe dizendo onde está e o quanto está feliz no palácio do Rei. No final da apresentação, a borboletinha interage com as crianças e sempre gosto de fazê-la voar distribuindo bombons, pois o público não pode sair de lá triste”, finaliza Foeger. 

Livro Vivo 

Regina relembra que a primeira apresentação pública do livro infantil foi ao lado do co-fundador de implantes cocleares, Geoffrey Ball, para uma turma do jardim de infância numa escola austríaca, por meio de um livro vivo, onde as crianças participam da apresentação vestida dos personagens.“Ele é uma pessoa com deficiência auditiva, que casa justamente com a temática abordada no livro. Geoffrey apresentou sua memória, e eu o livro para as crianças”, relembra.

Serviço

O quê: Pré-lançamento  do livro infantil “Mensagem da Borboleta”, de Regina Föger

Onde: no Auditório Ruy Alencar, no Instituto Cultural Brasil Estados Unidos – ICBEU

Quando:  nesta quinta-feira (28), às 16h.

Quanto:  Exemplares em inglês e alemão custam R$50. Versão em português R$10 - Será cobrado somente dos adultos. Disponível também em Amazon.com
 

Publicidade
Publicidade