Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019
Vida

Ensaio, gravação e até produção em domicílio: há estúdios musicais para todos os gostos

Com a cena musical cada vez mais abundante em número e qualidade de artistas na cidade, multiplicam-se os espaços para ensaiar ou gravar um som com qualidade em Manaus



1.png Estúdio Garage é boa opção de preço para quem quer ensaiar
26/02/2016 às 14:05

Todo mundo sabe: o primeiro passo para um artista ou uma banda que começa na estrada musical é gravar suas primeiras músicas. É a partir daí que eles, com sua obra em mãos, podem buscar apoiadores, patrocínios e contratos, além de divulgarem seus trabalhos em meio digital com maior qualidade de gravação. Mas se é fato que os meios para produzir um disco ou uma demo estão mais acessíveis, também é verdade que o aspecto técnico e profissional desta produção continua sendo tão essencial quanto a qualidade dos músicos que a inspira.

Com a cena musical cada vez mais abundante em número e qualidade de artistas na cidade, multiplicam-se os espaços para ensaiar ou gravar um som com qualidade em Manaus. Um dos mais creditados estúdios da cidade, o Studio Sol Azul (S.A), do músico e produtor Paulo Marinho, é responsável pelas gravações dos maiores artistas do Estado.

Para gravar, o músico ou banda precisa dispender de pelo menos 400 reais por faixa, preço que pode dobrar (sujeito a descontos) se os músicos precisarem de um arranjador, ou seja, alguém que planeje e dirija a execução da gravação. O alto custo do equipamento, assim como as horas gastas na pós-produção, justificam o valor, explica Paulo. “São necessários cerca de 12 horas de trabalho para gravar uma faixa”, diz o produtor, para quem os sucesso da gravação depende não apenas do equipamento, mas do profissional que o conduz.

Material humano

“A melhor ferramenta é o profissional. Pode ter a melhor sala, o melhor tratamento acústico, um microfone da melhor qualidade, programa de gravação top, mas se o engenheiro ou técnico que estiver trabalhando não for capacitado ou não tiver sensibilidade, é o mesmo que nada. Nada substitui o talento”, diz ele, explicando porém que, mesmo nos melhores estúdios, há alternativa menos custosas, como a gravação ao vivo, com a faixa no valor de 100 reais, porém sem a vantagem de corrigir ruídos ou desafinações após a execução.

Faça você mesmoHá, contudo, quem prefira fazer por conta própria. A turma da banda Alaíde Negão, que tem feito sucesso dentro e fora da cidade com hits como “Vai Rodar na Bica”, resolveu montar seu próprio estúdio e hoje, além de gravar parte das canções presentes em seus discos e demos, ainda pode tirar um retorno do investimento ao gravar outros músicos da cena manauara. Ao preço de 300 reais a faixa, o estúdio é ponto de encontro de bandas e artistas independentes, entre elas Johnny Jack Mesclado, Infâmia, Marcelo Nakamura e Márcia Novo.

“(A cena independente) É o nosso lugar na música, como banda, como artistas. Então a gente gosta de produzir a partir desse lugar”, diz o baixista e vocalista da Alaíde, Agenor Vasconcelos, falando da experiência que a banda já adquiriu também na produção musical. “A gente utiliza muito do que a gente aprendeu gravando em grandes gravadores, com a DeckDisc, do Chuck  (Hipólitho, produtor musical) e, além de darmos o suporte técnico para a gravação, também damos toques na parte artística”, acrescenta.

Herança de garagem

Mas para aqueles que  buscam um bom lugar para ensaiar, mesmo ainda sem gravar, uma boa opção pode ser o estúdio Garage. Localizado no bairro do Japiim, o estúdio teve origem quando os filhos do dono, que são músicos, deixaram a cidade para trabalhar e estudar fora,  e o pai, Izildo Soares, adotou espaço e equipamentos. Com promoções que barateiam a hora do ensaio, chegando a custar 15 reais a hora, o lugar recebe bandas anônimas e conhecidas, como os já consagrados Tucumanos. “O pessoal tem gostado da estrutura e também dos preços, que estamos pondo num patamar bem acessível”, indica o proprietário do estúdio no Japiim.

Estúdio vai até a sua casa

Há cerca de um ano, o músico e produtor musical Jorjão Pampolha resolveu apostar num negócio diferente. Com o slogan “Fazendo música de qualidade onde você estiver”, o Studio Mobile, criado por ele, possui uma plataforma de gravação móvel que permite a produção de faixas com qualidade semelhante à produzida pelos estúdios de gravação, com a vantagem desta puder ser produzida “em domícilio”, como gosta de dizer o produtor.

“A ideia foi tentar inovar, fazer algo diferente, porque estúdio todo mundo tem, então tive essa ideia”, diz ele, que para produzir faixas e discos utiliza apenas um celular com o programa de gravação, uma placa de áudio e microfones condensadores. O Studio Mobile cobra 300 reais por faixa. “Gravamos de maneira profissional, só que pelo celular”, diz Jorjão.O produtor explica ainda que, para uma gravação perfeita, o ideial é levar o equipamento até um estúdio de ensaio. “O material grava com qualidade de estúdio, mas a qualidade também vai diminuir ou aumentar dependendo do tratamento acústico do local onde se grava”, podera.




Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.