Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
Vida

Entrevista: por trás do bigode de Carlos Portta

Renê Zafer, criador e intérprete de Carlos Portta, revela como nasceu seu polêmico personagem que brilha no “Alô Amazonas”



1.jpg Carlos Portta
24/08/2013 às 15:38

Sucesso nos espetáculos de stand up comedy e nos programas “Alô Amazonas” (TV A Crítica) e “Tamoputtojunto” (A Crítica FM), o personagem Carlos Portta vem mexendo com a imaginação da população de Manaus e conquistando cada vez mais fãs com suas propostas políticas absurdas. Então, devido ao sucesso, é natural que surja o seguinte questionamento: “Quem está por trás do bigode?”. A reportagem do BUZZ conversou com Renê Zafer, criador e intérprete de Portta, que explicou como nasceu este “candidato político”.

“Em 2010, quando trabalhei como apresentador e produtor na campanha política do Navarro (PCB), explorei a comédia. Eu fiz uma brincadeira com propostas absurdas. Já tinha um pouco do Carlos Portta ali. Então, decidi ir para São Paulo fazer um curso de produção, atuação e direção de um mês, na Escola de atores do Wolf Maya. Lá o Luís D’Mohr, que era nosso diretor, disse para eu criar um personagem, pois me achava com potencial, mas meio tímido”, lembra. No mesmo dia, caminhando pela rua 25 de Março, ele teve um insight.

“Comprei um bigode e um óculos. Cheguei em Manaus, fui com meus amigos da Tessa Mídia (produtora), e falei que queria fazer um personagem que fosse uma paródia de políticos locais como Sabino, irmãos Souza e Marcos Rotta, então nasceu o Carlos Portta”, disse Zafer, ou melhor, Carlos Renê de Souza Fernandes.

“Carlos é por ser meu primeiro nome e Portta porque queria um nome fácil de falar, de colocar nas redes sociais e os dois ‘t’ para ficar mais charmoso”, complementou, aos risos.

Por trás das câmeras

O que também motivou o nascimento de Portta foi a paixão de Renê Zafer por comunicação, em especial por televisão, desde criança. No entanto, não sabia como realizar seu sonho, até que um dia, ao fazer uma entrevista em uma empresa de Recursos Humanos da cidade, surgiu a oportunidade para o emprego de operador de máster em uma emissora local. Ele, mesmo sem saber do que se tratava, falou sim sem pestanejar!

Contudo, só ficou na frente de uma câmera um tempo depois, quando se inscreveu para participar da primeira edição do reality show “Big Brother Brasil”, que lhe rendeu o documentário “DEZculpem – A história de Renê e as 10 tentativas ao BBB”.

Fama de Portta

Apesar de ser um personagem bem amarrado, explorando o universo da política. Carlos Portta só ganhou a grande massa, quando começou a ter um quadro no programa “Ponto Crítico”, extinto programa da TV A Crítica. De lá, começou a participar do “Alô Amazonas”, também da TV A Crítica.

“Depois que fui convidado para participar do ‘Ponto Crítico’, o Carlos Portta começou a ganhar mais vida, por ser um canal aberto. No ‘Alô Amazonas’, criei quadros que hoje são carros-chefes como ‘Almoço com o Presidente’ e ‘Na porta de casa’”. Na rádio, em seu programa de segunda a sexta-feira, Portta recebe os convidados e lê ao vivo algumas das 600 mensagens que recebe por dia no celular, tudo, claro, com muito humor e interatividade.

“No começo, minha paródia não tinha limites, eu podia fazer qualquer coisa que as pessoas falavam que eu estava imitando o Sabino, Marcos Rotta... Hoje é diferente, o Carlos Portta tem vida própria. O que eu digo não é mais associado a nenhuma imagem”.

Ao fim da entrevista, ele foi questionado se, assim como seu personagem, gostaria de se candidatar em breve. A resposta: “Quem sabe?”. Quem viver, verá.

Popular

Renê Zafer adiantou que também pretende desenvolver um projeto com apresentações de seu stand up comedy nas periferias da cidade. Ele já começou a fazer alguns contatos para se apresentar nas sedes de algumas escolas de samba. Os ingressos terão preços populares.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.