Publicidade
Entretenimento
CARNAVAL 2017

Escolas de samba do Grupo Especial esperam liberação de recursos para desfile

Agremiações aguardam repasse das esferas Municipal e Estadual para pagar despesas e fazer desfile no Sambódromo no dia 25 de fevereiro 11/01/2017 às 05:00 - Atualizado em 11/01/2017 às 10:32
Show carnaval
Sambódromo recebe milhares de foliões para prestigiar o desfile das escolas de samba (Foto: Clóvis Miranda)
Paulo André Nunes Manaus (AM)

Nesta quarta-feira (11), a exatos 46 dias do desfile das escolas de samba do Grupo Especial, que acontecerá dia 25 de fevereiro no Sambódromo, as agremiações da capital aguardam a liberação dos recursos municipal e estadual para ajudar a pagar suas despesas e desfilar. A espera também causa tensão entre as “grandes” do Carnaval amazonense.

Por parte do Governo do Amazonas, a Secretaria  de Estado de Comunicação (Semcom) informa que o Governo do Amazonas, por intermédio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), já iniciou as tratativas com os presidentes das escolas de Samba de Manaus no sentido de viabilizar o Carnaval. Por sua vez, o Município lançou edital visando apoio às agremiações (ver matéria vinculada abaixo).

Para Jairo Beira-Mar, presidente da Comissão Executiva das Escolas de Samba de Manaus (Ceesma) e da escola de samba Reino Unido da Liberdade, é lamentável que, anualmente, as escolas passem por essa demora no repasse dos recursos públicos.

“Nós convivemos todos os anos com essa dificuldade do repasse demorar para sair. O Carnaval nunca está inserido no orçamento do Estado e do Município. Ele vem tipo uma doação e benevolente, e não para a cultura. Com a crise a cultura está sendo penalizada. Todas as escolas fizeram a sua parte de escolher seus sambas e sambas-enredos e agora estamos na fase de protótipos de fantasias”, explica Beira-Mar.

Para exemplificar a importância do valor repassado anualmente por Estado e Município, o dirigente comentou que esse repasse não paga todas as despesas do Carnaval das agremiações, mas “avalizam o Carnaval e dão certeza que o desfile vai ocorrer para as pessoas envolvidas com as escolas”.

“Até agora não temos nada por parte do Estado. Por meio da Ceesma, oficializamos documentos ao governador José Melo e ao secretário de Cultura Robério Braga, mas não obtivemos respostas. O secretário nos comentou, ano passado, que ainda não havia uma posição sobre o repasse. “Esse ano a Prefeitura até lançou o edital mais cedo, adiantando um pouco. Mas escolas têm enfrentado problemas com esse atraso, se é que vai haver repasse esse ano por parte do Estado”, teme o presidente da Ceesma.

Reino Unido, de Jairo Beira-Mar, busca o bicampeonato entre as grandes escolas de samba da capital. A agremiação verde a branca tem uma previsão de orçamento calculada em R$ 900 mil, mas deu uma “encolhida”, diz o dirigente, por motivos de economia em relação a outros Carnavais quanto ao número de brincantes. “Ano passado desfilamos com 4.500 pessoas; neste vamos com cerca de 3.500 para o Sambódromo”, confirma ele. Uma coisa certa é que os simpatizantes da agremiação não esmorecem em face das dificuldades: domingo passado, mais de 10 mil pessoas acompanharam mais um desfile técnico da Reino pelas ruas da Zona Sul.

Historicamente é assim

Na análise do presidente da Mocidade Independente de Aparecida, jornalista Saulo Borges, um dos maiores vencedores do Carnaval amazonense em todos os tempos, a dificuldade na liberação dos repasses por parte dos poderes é antiga.

“Historicamente tem sido assim. Acho que até mesmo as escolas de samba já estão meio que acostumadas com isso. No passado, quando o convênio era feito com a associação (Ageesma), já era assim. E quando passou a ser convênio com cada agremiação, continuou assim”, conta o dirigente.
Saulo ressalta que a “Aparecida já fez seu Carnaval em 40 dias”, mas destaca que “quanto antes o poder público sentar com as escolas e viabiizar o repasse é melhor para planejar o Carnaval e fazer as compras com preços mais em conta”. 

Ter o nome limpo na praça é uma das condicionantes para que as agremiações consigam fazer as suas compras mesmo em tempos de crise econômica: em dezembro do ano passado, o presidente da “Pareca”, como é conhecida a Aparecida, esteve no Rio de Janeiro comprando, a crédito, materiais para o desfile na loja “Babado da Folia”, que é a maior fornecedora de produtos carnavalescos do Rio de Janeiro, a meca do Carnaval brasileiro.

“A Aparecida tem crédito na praça pra chegar e comprar junto aos fornecedores de produtos do Rio e São Paulo. Mas é claro que sentimos o efeito ruim por aguardar todos os anos pelo posicionamento do poder público. Se esse posicionamento fosse feito de forma antecipada, conseguiríamos produtos mais em conta fora do período de Carnaval. Mas, por outro lado, entendemos que há uma crise financeira que abate o País inteiro e agradecemos que haja esse repasse”, disse o dirigente, que comanda a Aparecida com um orçamento dividido em planos A e B. “Estamos orçados em R$ 800 mil, mesmo valor de 2016, caso o Governo do Estado nos repasse recursos para o desfile. Se não houver essa verba, reduziremos para R$ 600 mil”, informa ele. Em 2015 a agremiação fez um desfile orçado em R$ 1 milhão.

Estado 'trata'; Município lança edital

A Secretaria  de Estado de Comunicação informa que o Governo do Amazonas, por intermédio da Secretaria de Cultura (SEC), já iniciou as tratativas com os presidentes das escolas de Samba de Manaus no sentido de viabilizar o repasse deste ano. Em 2016, o valor individual destinado somente a cada uma das oito agremiações do Grupo Especial foi de R$ 132.057,00, montante 50% menor que o repassado em 2015 por esse mesmo poder.

Já a Prefeitura de Manaus,  por intermédio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), abriu na última segunda-feira o Edital Nº 01/2017, que vai disponibilizar apoio financeiro às agremiações carnavalescas para o Desfile Oficial do Carnaval 2017. A concessão prevê o apoio para até 26 escolas de samba dos grupos Especial, “A”, “B” e “C”, conforme publicado no Diário Oficial do Município (DOM).

Os recursos destinados ao apoio do desfile das escolas de samba totalizam R$ 1.537.995,00, sendo esse valor dividido entre as quatro categorias do Carnaval da capital: Grupo Especial, com até R$ 99.582,00 por agremiação; Grupo “A”, com até R$ 60.856,00 por escola de samba; Grupo “B”, com repasse individual de até R$ 38.727,00 e; Grupo “C”, com até R$ 16.597,00 por entidade. Os valores são os mesmos repassados para o desfile passado.

Ao contrário dos anos anteriores, informa a Manauscult, o edital deste ano é baseado na Lei Nº 13.019/2014 e o Decreto Federal 8.726/2016, que considera as agremiações carnavalescas como Organizações da Sociedade Civil (OSCs). Assim, poderão participar as escolas de samba integrantes do desfile oficial, conforme regulamento do grupo ao qual pertencem e resultado do desfile do ano anterior.

“É um olhar diferenciado sobre o Carnaval que possibilita um melhor acesso das agremiações ao edital e garante o cumprimento do certame ao deixar a cargo da gestão pública o monitoramento e fiscalização das propostas apresentadas pelas escolas de samba”, afirmou o diretor-presidente da Manauscult, Bernardo Monteiro de Paula.

As propostas deverão ser entregues no Protocolo da Manauscult, a contar da data de publicação do edital, até o próximo dia 8 de fevereiro, das 8h às 14h, em envelopes fechados, contendo a identificação do proponente e informações de contato. Dentro do envelope deve constar toda a documentação exigida pelo edital, conforme o item Nº 4. O edital completo pode ser acessado no site da Manauscult, no link: http://bit.ly/edital-carnaval2107.

As propostas serão analisadas pela Comissão de Seleção, que vai verificar a autenticidade das informações e documentos apresentados. O resultado preliminar deve ser divulgado no dia 9 de fevereiro.

Oito enredos em disputa entre as 'grandes'

As escolas de samba do Grupo Especial do Carnaval de Manaus vêm com temas bastante diversificados em busca do título neste ano. A Mocidade de Aparecida, que ano passado dividiu o título com a Reino Unido, vai levar para a avenida do samba o tema sobre os 300 anos da aparição da imagem milagrosa de Nossa Senhora Aparecida, nas águas do Rio Paraíba do Sul, no interior Paulista, em 1717, com o enredo “Gratia plena, Aparecida! 300 Anos no Coração do Brasil”.

Por sua vez, a escola do Morro da Liberdade, da Zona Sul, busca o bicampeonato com “No Reino das fontes de vida, o Morro em movimento sustentável faz a diferença”, destacando a importância da sustentabilidade e preservação do meio ambiente.

A Vitória Regia traz o samba “Olhos vendados, mãos firmes: a verde e rosa clama por justiça”. A Grande Família coloca todas as suas fichas nos 36 anos do bairro São José, na Zona Leste, onde está situada, e nos 30 anos da agremiação para apresentar o enredo “Grandes sonhos, Grande Família, Grande Circular... Meu São José, fonte viva de histórias e cultura popular”. A tradicional Sem Compromisso propõe o tema “Eu tenho pra vender... Quem quer comprar?”, com a Andanças de Cigano celebrando os deuses com o enredo “Na festa dos Deuses  os Ciganos fazem o Carnaval”. A Unidos da Alvorada homenageia o Nordeste com “Meu ‘Padim’... Abençoai esse povo guerreiro filhos do chão rachado do nordeste brasileiro” e a Vila da Barra traz “Do proibido ao Sagrado: com a Vila desfrute o sabor do pecado”.

Desfile

No dia 25 de fevereiro será o desfile das oito escolas do Grupo Especial de Manaus no Sambódromo. A festa das agremiações dos três grupos de acesso começa dois dias antes, no mesmo local, “aquecendo” para as grandes agremiações.

As escolas do Grupo Especial de Manaus

Aparecida
Reino Unido
Vitória Régia
A Grande Família
Unidos do Alvorada
Sem Compromisso
Andanças de Ciganos
Vila da Barra

Publicidade
Publicidade