Publicidade
Entretenimento
LITERATURA

Escritora mirim lança seu primeiro romance nesta quarta (13) no Teatro Fucapi

Gabriella Fraiji Melo lança o livro "E se fosse para sempre?" nesta quarta-feira (13) no Teatro Fucapi; Obra conta a história de menina em busca do paradeiro dos pais 12/06/2018 às 18:07 - Atualizado em 12/06/2018 às 18:41
Show  asl2963
(Foto: Antônio Lima)
Juan Gabriel Manaus (AM)

Buscar palavras para dar vida a imaginação nunca pareceu ser algo complicado para a jovem estudante Gabriella Fraiji Melo. Foi aos três anos de idade que a escritora prodígio encontrou na literatura a fórmula para transpor um universo de ideias criado todo em sua cabeça. Hoje, aos quatorze, trouxe a paixão por escrever para a adolescência e como fruto, se prepara para lançar o seu primeiro livro, o romance “E se fosse para sempre?”, pela editora global Chiado Books.

O lançamento da obra acontece nesta próxima quarta-feira (13), em uma noite de autógrafos com a autora no Teatro Fucapi, localizado no Manauara Shopping, Adrianópolis. A entrada será aberta ao público e o evento irá das 18h30 às 21h30. Os visitantes também poderão encontrar a obra disponível para a venda no local.

A história

“E se fosse para sempre?” conta a história de Cara Green, uma garota que acreditou ter perdido os pais aos seis anos de idade em um acidente de carro onde nenhum vestígio – inclusive as vítimas -, foi encontrado. Dez anos depois, o carro onde seus pais se acidentaram finalmente foi achado, o que trouxe à jovem Cara a esperança para ir em busca do real paradeiro de sua família. No decorrer da história a protagonista também vive seus conflitos pessoais e uma paixão com Benjamin Young. 

“Meu primeiro objetivo ao começar a escrever este livro era criar um romance adolescente, sempre gostei disso, mas aí senti a necessidade de fazer uma coisa a mais, dar um enredo para essa história e aí pensei, como ela era órfã, porque não procurar pelos pais dela?”, revela a escritora.

Embora o livro esteja ganhando vida apenas este ano, Gabriella conta que toda a história foi desenvolvida e escrita quando ela tinha apenas 12 anos de idade. Durante pouco mais de um semestre, a jovem escritora se dedicou a enriquecer o desenrolar do enredo e todos os aspectos que compõem a obra para então concluir a escrita do seu primeiro trabalho literário.

Futuro

Mesmo com a pouca idade, quando o assunto é futuro Gabriella já tem plena convicção dos próximos passos que pretende dar. Embora esteja prestes a debutar como escritora, o objetivo da jovem a longo prazo é manter a literatura como uma válvula de escape para a rotina e traça conciliá-la com um trabalho bem distante da área: 

“Eu pretendo levar a escrita como um hobby, uma coisa que fuja da realidade. Para o futuro eu pretendo fazer faculdade de medicina”, revela.
Se os planos não alçam a escrita como única profissão, nada impede de que ela siga dando frutos na vida da escritora. Após o lançamento de “E se fosse para sempre?”, Gabriella já planeja outros dois novos livros que já estão sendo trabalhados.

“Eu estou escrevendo dois livros, um de poesias, textos curtos e outro também romance. Dessa vez a história é sobre uma garota do interior que vai para São Paulo em busca de realizar seus sonhos”, antecipa Gabriella.
 

Publicidade
Publicidade