Terça-feira, 25 de Junho de 2019
TEATRO

Espetáculo da Soufflé de Bodó aborda natureza mágica e polêmica da lenda do boto

Terceira parte de tetralogia, peça “Alice Músculo +2” estreia nesta sexta-feira (29) e ficará em cartaz no Ateliê 23



b0828-12f_AEAAE364-BE9D-473B-ADF7-3743A58A8FA5.jpg Divulgação
28/03/2019 às 14:45

A Soufflé de Bodó Company estreia nesta sexta-feira (29) o seu novo espetáculo, “Alice Músculo +2”, no Ateliê 23 (rua Tapajós, 166, Centro). A peça começa às 20h, com entrada gratuita, e continuará em cartaz no espaço neste sábado (30) e também nos dias 5 e 6 de abril, no mesmo horário.

Contemplada com o Prêmio Manaus de Conexões Culturais 2017, da Manauscult, a obra é a terceira parte da Tetralogia da Família, de autoria do dramaturgo Francis Madson, que dirigiu anteriormente as peças “Casa de Franciscos, quem nasce Antônio é rei” (2014) e “Obevandiva” (2016).

Segudo o diretor, a ideia da tetralogia começou a ser desenvolvida em 2013, quando a companhia surgiu. “As peças têm histórias autônomas que discutem a comunidade, a família, os desejos, afetos e poderes que envolvem esses indivíduos. A pesquisa de narrativa e personagens também dialoga com as tendências pós-dramáticas do teatro desenvolvido a partir de 2000 no Brasil e na Alemanha”, explica.

“Alice Músculo +2” traz como pano de fundo uma história que se relaciona com a vida ribeirinha e a natureza mágica da lenda do boto. A protagonista, interpretada pela atriz Maême Ferreira, é uma criança aliciada pela própria família e que busca sobreviver à dura rotina do dia a dia. Madson afirma que a peça aborda diretamente temas polêmicos como infanticídio e abuso de meninos e meninas.

“O enredo remonta ao passado de comunidades à beira do rio com a presença do seringalista, mas também do dono do mercado, do açougue, do prefeito. Todo o trajeto cênico, os símbolos e a dramaturgia são divididos entre quatros atores que interpretam personagensde uma comunidade, entre eles o boto, o homem seringalista, a mãe e a própria Alice”.

Para o diretor, a nova obra também é um convite para o espectador refletir sobre a essência da lenda do boto, que na peça exerce duas funções fundamentais – uma no campo mágico, que entende a natureza do animal, e outra no campo social, onde o boto muitas vezes surge como figura que esconde a identidade de um abusador. “Não é fácil tocar nesses assuntos, mas acredito que a Soufflé, com cuidado, qualidade e responsabilidade, abre um debate a partir do campo poético de atuação do teatro”.

Produção

“Alice Músculo +2” está em processo de criação desde janeiro, com ensaios diários de três a quatro horas por dia, de segunda a sexta. No elenco estão os atores Denis Carvalho, Isabela Catão, Maême Ferreira e Raquel Santos. A produção envolve ainda artistas de diferentes formações, como Viviane Palandi, na direção de atores; Marcos Veniciu, na preparação corporal; Diogo Navia, na pesquisa e sonoplastia; e Babaya Morais, na preparação de voz poética. Esta última recebeu há poucos dias o Prêmio Shell de criação de trilha sonora pelo espetáculo “Estado de Sítio”.

Serviço

O quê: “Alice Músculo +2”, da Soufflé de Bodó Company
Quando: Dias 29 e 30 de março; 5 e 6 de abril, sempre às 20h
Onde: Ateliê 23 (rua Tapajós, 166, Centro)
Quanto: Entrada gratuita

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.