Publicidade
Entretenimento
ARTES CÊNICAS

De forma cômica, espetáculo apresenta dois pontos de vista de uma história de amor

A estreia de “Quarto Azul” será dia 3 de junho, às 20h, na sede do Ateliê 23. A montagem ficará em temporada no espaço todos os sábados de junho 29/05/2017 às 19:44 - Atualizado em 30/05/2017 às 09:15
Show teatro
Atores Felipe Maya Jatobá e André Angeli dão vida aos personagens Luís e Thiago. Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

Toda a história de um casal tem, no mínimo, 3 versões: Uma para cada indivíduo do relacionamento e uma versão que ambos contam para os amigos. Assim os personagens Thiago e Luís contam, por meio dos atores André Angeli e Felipe Maya Jatobá, o começo de sua relação, com situações comuns a todos quando há envolvimento sentimental com outra pessoa. O espetáculo juvenil “Quarto Azul” será apresentado todos os sábados do mês de junho, sempre às 20h, na sede do Ateliê 23, localizada na rua Tapajós, número 166, Centro. O ingresso custa R$ 10 (preço único).

A obra traz um secretário de escritório e um artista independente dialogando com a plateia sobre os clichês do começo de um namoro, como o primeiro encontro, o primeiro beijo, a primeira discussão, a primeira relação sexual, tudo apresentado de forma cômica e romântica. Se enganará quem pensa que será mais um romance. Os diálogos são repletos de problematizações sociais a cerca do indivíduo dentro de uma relação a dois, ou até no poliamor.

Qual a forma de enxergar um relacionamento em tempos líquidos de emoções efêmeras? Felipe Maya Jatobá, autor, ator e diretor do espetáculo, conta que a análise feita por Zygmunt Bauman, falecido em janeiro desse ano, sobre as relações humanas acabou por nortear o processo criativo de “Quarto Azul”, os sentimentos passaram a ser perecíveis a partir da difusão da globalização e o avanço tecnológico.

“A sociedade líquida que Bauman tanto esmiúça em seus livros é essa que mostra o quanto todas as coisas não são feitas pra durar, nem o amor romântico”, explica Felipe. Inspirado numa história real, a peça interativa promove ainda sua própria visão  do amor e deixa com que o público contribua para o desenvolvimento da narrativa.

Perguntado sobre o motivo do nome, o diretor responde que para as pessoas não existe ambiente mais íntimo que seu próprio quarto e que a cor azul, assim como a ideia que se tem hoje sobre o amor, esteve presente entre as pessoas mais nobres da antiguidade e a cada período vem se tornando uma cor simbólica e ainda a ser redescoberta.

“Em dezembro de 2016 cientistas descobriram uma nova tonalidade de azul, que passou a ser patenteada pela universidade de Oxford, nos EUA, e, como o amor líquido, logo estará disponível no mercado para consumo daqueles que mais precisam”. A canção original da história foi composta por Yago Reis, músico e ator amazonense.

“Quarto Azul” é o segundo trabalho do Grupo Jurubebas de Teatro, mas o primeiro a entrar em temporada na cidade de Manaus. Reunindo integrantes de 5 cidades do interior do Amazonas, o grupo realiza um exercício de formação teatral contínua além de desenvolver pesquisas dos arquétipos presentes na sociedade, tendo como objeto de análise a capital do Amazonas e as relações afetivas criadas aqui.

Podemos ter a impressão que veremos uma história de amor perfeita, mas a montagem na verdade é o sobre primeiro passo para uma relação, estando muito próxima da realidade de vários relacionamentos atuais. No fim das contas, é uma história sobre o  amor como realmente é. Como não sentir falta de quando tudo era novidade? Esses e outros sentimentos e sensações serão explorados durante toda a peça.

*Com informações da assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade