Publicidade
Entretenimento
Vida

Espetáculos focados em casais são apresentados no Teatro Manauara neste domingo (9)

As peças que serão encenadas são “Os Homens Querem Sexo e as Mulheres Querem Casar”, às 19h, e “Corra Que Minha Ex-Mulher Vem Aí com os Divorciados”, às 20h 05/08/2015 às 10:10
Show 1
“Os Homens Querem Sexo e as Mulheres Querem Casar” está há oito anos na estrada e “Corra Que Minha Ex-Mulher Vem Aí com os Divorciados” está há um ano e meio
Lucas Jardim Manaus (AM)

Com uma trajetória de sucesso que já dura 8 anos, o espetáculo “Os Homens Querem Sexo e as Mulheres Querem Casar”, de Carlos Simões, chega a Manaus neste domingo (9) para uma apresentação única no Teatro Manauara.

A peça, no entanto, não vem sozinha: “Corra que Minha Ex-Mulher Vem Aí com os Divorciados”, também de autoria de Carlos, será apresentada na mesma noite.

Ambas partilham, além do mesmo autor, certas temáticas. Elas são parte de uma trilogia de comédias sobre os relacionamentos.

‘Homens’

Em entrevista ao BEM VIVER, Carlos Simões informou que tudo começou com “Os Homens...”. “Ele é um espetáculo sobre a busca incansável da mulher que já tivemos o prazer de apresentá-lo para mais de 1,5 mi de espectadores em mais de 100 cidades do Brasil, bem como uma pequena turnê nos EUA que nos levou a Nova York, Miami e Boston”, relembrou.

Com o sucesso da peça, que trata da fase do cortejo das relações, o ator acabou concebendo a trilogia, com os outros espetáculos focando em outros pontos da vida a dois: “Minha Mulher” trata do casamento e “Corra...”, do divórcio litigioso.

Pesquisa

Ele insiste que a escrita de todas as peças envolveu muita pesquisa e buscou muita inspiração em histórias reais. “‘Os Homens...’, por exemplo, veio de muitas histórias minhas ou de pessoas do meu círculo. Já ‘Minha Mulher’ foi inspirada em uma pesquisa do IBGE que analisava a influência da independência financeira da mulher na vida pessoal dela”, contou.

Sobre essa peça, ele aborda um grande problema que pode afetar a vida dos casais. “Na minha pesquisa, descobri que o maior problema do casal acaba sendo a falta de grana. Por mais que haja amor, ninguém se alimenta disso. Infelizmente não apresentaremos ‘Minha Mulher’ em Manaus dessa vez, mas tentaremos trazê-la no próximo ano”, explicou.

Essa busca por informações acabou levando Carlos a frequentar o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro durante o processo para compor “Corra...”. “Eu queria entender porque as pessoas se divorciavam e quem ingressava mais com esses pedidos. Conversando com desembargadores, juízes e advogados, descobri que mais de 90% dos pedidos eram feitos por mulheres e mais de 70% não eram motivados por direitos, e sim por vingança por conta de alguma coisa, geralmente por serem trocadas”, asseverou o ator.

Ex-mulher na trupe

A composição do elenco das peças, segundo Carlos, foi um processo natural. “A Hedla [Lopes] é a minha ex-mulher na vida real, por isso eu brinco que eu preferi pagar salário a pagar pensão. É mais barato [risos]. Ela fazia o ‘Zorra Total’ comigo e agora está em ‘Babilônia’”, explicou.

A boa relação dos dois veio a calhar já que a principal personagem feminina, encarnada por Hedla nas três peças, foi crescendo com o tempo. “Em ‘Os Homens...’, a Hedla faz a minha voz feminina, a Gioconda. Em ‘Minha Mulher’, a Gioconda se materializa e ela contracena comigo. E em ‘Corra...’, ela é esse personagem extraordinário, que está furiosa com o Juvêncio, personagem do Kadu [Moliterno]”, contou.

Um grande retorno

A presença de Kadu em “Corra...” marca o grande retorno do ator aos palcos, depois de uma ausência de 30 anos. Segundo Carlos, o envolvimento de Kadu se deu da maneira mais informal possível.

“A gente joga bola junto e eu falei que a gente tinha que fazer uma peça junto. Nisso que eu falei, ela saiu da Malhação e eu fiquei ocupado roteirizando ‘Os Homens...’ para o cinema. Uns oito meses depois, ele me procurou querendo saber do texto e, vendo a vontade dele, acabei fazendo”, comentou o ator.

Carlos confessa que Juvêncio se parece bastante com seu intérprete. “Ambos são caras muito voltados para a família e o Kadu teve toda a história recente do divórcio. Ele chegou a comentar comigo: ‘Carlos, parece que você está falando da minha vida’. Isso foi demais”, concluiu.

Humor com cunho social 

Carlos enfatizou bastante o cunho social de “Corra”, uma das peças apresentadas em Manaus. “Enquanto pesquisava para escrever o espetáculo, eu cheguei à triste conclusão de que, em todo o processo de divórcio, quem sofre mais são os filhos. Pouca gente sabe, mas quando o filho do casal tem oito anos ou mais, o juiz pode pedir que ele vá ao Tribunal escolher com qual dos pais quer ficar, no casos de disputa de guarda, o que pode ser uma experiência bastante traumática para a criança”, contou o ator.

Essa conscientização, trazida pelo espetáculo, despertou o interesse de seu criador em apresentar a peça nos Tribunais de Justiça do Brasil inteiro. “Recebemos, através de nossas redes sociais, várias mensagens de espectadores que estavam envolvidos em divórcios e que desistiram depois de ver nosso show”, relatou.Apesar de mexer com alguns temas sérios, Carlos faz questão de lembrar que as peças não são pesadas. “Ambas são grandes comédias e seu ritmo faz com que pareçam grandes stand ups”, informou.

Serviço

o que é : Espetáculos de Carlos Simões

onde é: Teatro Manauara

quando: Domingo (9). “Os Homens” às 19h. “Corra” às 20h

quanto: Para um espetáculo: setor A (R$ 120 inteira e R$ 60 meia) e setor B (R$ 80 inteiro e R$ 40 meia). Para os dois espetáculos: setor A (R$ 180 inteira e R$ 90 meia) e setor B (R$ 140 inteira e R$ 70 meia).

Publicidade
Publicidade