Publicidade
Entretenimento
ENTREVISTA

‘Estamos pouco a pouco quebrando os estereótipos’, diz atriz Lucy Ramos

Recentemente no ar como a advogada “Vanda”, de “O Tempo Não Para”, a artista fala sobre a personagem e revela os planos para 2019 04/02/2019 às 15:59 - Atualizado em 05/02/2019 às 08:05
Show bv0603 001f f017fff9 1a9e 4d01 beb6 df55b4bfa945
(Foto: Divulgação)
Juan Gabriel Manaus (AM)

Nesta última segunda-feira (28), o público de casa se despediu da novela “O Tempo Não Para”, que trouxe uma família de congelados do passado para o século XXI. O folhetim marcou também a despedida entre a atriz Lucy Ramos e a advogada Vanda, sua personagem na trama. Responsável por chefiar o setor jurídico da Samvita, empresa que ambientou a trama, Vanda foi responsável por um marco pessoal na carreira de Lucy. “Foram sete meses de novela e de muita realização profissional. Uma das melhores experiências que já tive na minha profissão”, crava.

Em meio a esse clima de despedida, o BEM VIVER conversou com a atriz que falou sobre a personagem, a qual julga que a possibilitou quebrar estereótipos, revelou o processo de criação por trás de Vanda e ainda indicou quais os próximos planos para 2019.

Como foi o processo pra construir a personagem?

Cada personagem é uma página em branco, com uma personalidade diferente. E quanto mais pesquisar sobre esse novo ser, melhor para estar preenchida em cena. Estudar a profissão, como pensar, falar, andar... Gosto de trocar com profissionais também, como a diretora e preparadora Bia Szvat, que trás um olhar de fora. E para dar vida a advogada Vanda Lord, fui em busca de uma referência na vida real e encontrei a Analu Nogueira, uma advogada negra, diretora jurídica de uma empresa, que me ajudou muito.

Quais as semelhanças entre a Lucy e a Vanda? 

A Vanda era um grande exemplo de mulher. Com muitas qualidades, comprometida no trabalho, responsável, de confiança, cuidadosa. Chegou onde chegou pela sua competência e talento, uma excelente inspiração. A Vanda tinha muito de mim e eu tenho muito dela.

Por muito tempo se via na indústria atrizes negras limitadas ao papel de empregada. As coisas estão mudando?

Eu sei que ser atriz não é uma carreira na qual as coisas caem do céu, que as chances fluem como imaginam. Sou grata a todos os personagens que tenho a oportunidade de interpretar. Estamos pouco a pouco quebrando os estereótipos e sendo colocados como de fato é a realidade. Só assim veremos atores negros interpretando personagens diversos, de empregados domésticos a médicos, de bandidos a delegados, advogados, enfim, retratando o que é o dia a dia.

Como você avalia a novela como um todo, em especial tua participação?

Foram sete meses de novela e de muita realização profissional. Uma das melhores experiências que já tive na minha profissão. Foi um imenso prazer fazer parte desse elenco, trabalhar com toda essa equipe. Gratidão ao autor Mário Teixera, por ter escrito a Vanda, essa mulher forte, segura, inteligente, que inspirou e ensinou a tantas outras mulheres. Saio dessa novela grata. E a novela foi um imenso sucesso, ela não só fez rir, mas também fez refletir.

Com o fim da novela, quais os planos para este ano?

Dei início a umas férias rápidas, mas na volta já começo a preparação para o filme “O Segundo Homem”, com direção de Thiago Luciano. Começamos a rodar em março e o longa trata de um tema que poucos conhecem, a “Legião Estrangeira”. Gosto de temas pouco falados e minha personagem é uma mulher forte.

Publicidade
Publicidade