Publicidade
Entretenimento
Vida

Excessos do Carnaval podem ameaçar a saúde do coração

Abuso de álcool e outros hábitos comuns dos foliões podem comprometer o órgão e até estragar a festa 05/02/2016 às 18:11
Show 1
O consumo exagerado de bebidas alcoólicas são um dos comportamentos que podem comprometer o funcionamento regular do coração
Jony Clay Borges Manaus (AM)

A alegria e a animação do Carnaval ajudam a aliviar o estresse, um dos fatores de risco das doenças cardiovasculares, mas os excessos da folia carnavalesca também podem fazer o coração bater fora do ritmo – literalmente. É que o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, a alimentação desregrada e outros comportamentos comuns do período festivo podem comprometer o funcionamento regular do órgão, ocasionando a chamada síndrome cardíaca de feriado.

Relacionada também a outras datas festivas, como aniversários e finais de ano, a síndrome descrita pela primeira vez em 1978 é assinalada pela ocorrência da arritmia cardíaca – isto é, quando o ritmo ou a velocidade das batidas do coração se modifica. O problema é ligado principalmente ao abuso do álcool, como explica Aldemir Araújo de Oliveira, cardiologista, hemodinamicista e coordenador da Unidade Coronariana da Unimed Manaus.

“O músculo cardíaco tem uma sensibilidade grande quando se ultrapassa o limite de ingestão de bebida alcoólica. Com isso, o indivíduo começa a ter palpitações, taquicardia e arritmias”, explica o cardiologista. O abuso simultâneo de cafeína – presente em energéticos, no café, em chocolates –, ele acrescenta, também contribui para desencadear o problema.

As arritmias mais perigosas, segundo Oliveira, são as chamadas de comportamento maligno. Entre elas está a fibrilação atrial, que pode afetar a circulação e causar a formação de coágulos (trombos) em certas áreas do corpo. Essas formações podem levar mais tarde a problemas sérios e com risco de morte, como acidente vascular cerebral (AVC), infarto ou tromboembolia pulmonar.

As arritmias podem acometer tanto quem passa do limite de forma pontual quanto quem consome álcool regularmente. “Pode acontecer tanto no abuso ocasional quanto naqueles que já usam de longa data”, explica Oliveira. O abuso crônico, ele acresce, pode levar à cardiomiopatia alcoólica, em que o músculo cardíaco sofre danos, podendo levar à morte.

Atento aos sinais
Além de palpitações e taquicardia, outros sintomas do malfuncionamento do coração por conta dos excessos das festas incluem dor no peito (precordialgia), tontura, cansaço e falta de ar. A recomendação de Oliveira é procurar ajuda o quanto antes. “Tem de procurar orientação médica, seja em emergência ou urgência, nas unidades de saúde ou pronto-atendimentos de hospitais”, indica o médico.

Quem já teve outros problemas de saúde deve prestar atenção especial a tais condições, recomenda o cardiologista. “Se você já tem predisposição para doenças cardiovasculares, tem que fazer uma avaliação da saúde do coração. Se sofre de hipertensão, colesterol alto, diabetes, consome muito álcool, deve beber de forma moderada, fazer refeições leves”, orienta ele.

Tendo ou não problemas de saúde, Oliveira salienta que o ideal é fazer uma avaliação médica regular – e não esperar que o coração “fora da sintonia” estrague a festa.

“Há uma cultura de se procurar o médico apenas quando acontece um problema, e em decorrência disso acontecem muitos casos de morte súbita”, aponta. “É preciso ter um comportamento de prevenção, ir ao médico regularmente e fazer check-ups”.

Maus hábitos contribuem

Além da ingestão de álcool, outro comportamento de risco para a arritmia cardíaca é o exagero na hora da refeição, como afirma Aldemir Araújo de Oliveira. “Você passa a noite toda no Carnaval e depois ainda consome uma comida pesada como sopa de mocotó”, exemplifica. O efeito, prossegue ele, não é bom.

“O estômago cheio exige grande quantidade de sangue, que rouba da circulação. O coração, batendo mais rápido e com menos sangue, fica predisposto à arritmia”, comenta o cardiologista.

Outro mau hábito que contribui para o problema é o sedentarismo. “Hoje 60% da população é sedentária. Um indivíduo sem condicionamento às vezes vai a uma festa pular sem parar, por horas. Praticar atividade física regular, por outro lado, ajuda bastante, pois melhora a circulação e evita a formação de trombos”, diz Oliveira.

Perigo entre os jovens

Concomitante ao excesso de álcool, o uso de drogas, como cocaína, heroína e crack, é outro fator que ocasiona danos ao coração, e em alguns casos até leva à morte súbita. Tal comportamento, alerta Aldemir Araújo de Oliveira, tem se tornado perigosamente comum entre adolescentes.

“Antes o perfil do paciente cardíaco era de pessoas da meia-idade, mas hoje há muitos jovens sofrendo de arritmia e até morte súbita, pelo uso de drogas e de álcool”, aponta o médico.

Ele lamenta ainda falta de políticas públicas voltadas a esse público, e cita o aumento nos casos de aids como exemplo. “Não há campanhas para os jovens, muitos estão se contaminando, e por isso o Amazonas aparece nos primeiros lugares em casos de contágio pelo HIV”.

SAIBA MAIS

O que é
A síndrome cardíaca de feriado, ou HHS (holiday heart syndrome, em inglês) é um conjunto de sintomas causados por arritmias cardíacas, após ingestão excessiva de álcool em feriados e datas festivas.

O que se sente
Palpitações, tontura, taquicardia, cansaço e desconforto no peito.

Causa
Estimulante do sistema elétrico do coração, o álcool em excesso é o principal causador das arritmias.

Quem pode ter
Mesmo pessoas sem histórico prévio de doenças cardíacas podem apresentar arritmias e seus sintomas decorrentes.

O que fazer
Procurar socorro médico com rapidez, especialmente no caso de pessoas predispostas a doenças cardiovasculares, como hipertensos ou diabéticos.


DICAS
Como preservar o coração na folia

Sem abuso
Diminua a ingestão de álcool. Uma sugestão é, para cada dose da bebida, consumir o dobro em líquidos como água ou chá. Ah, e fuja dos energéticos.

Pule o Carnaval...
Mas sem exagero. Dançar ou pular por horas seguidas pode induzir arritmias, hipertensão e desmaios.

Seja despojado
Use roupas leves e arejadas, principalmente em salões fechados. A falta de líquidos e transpiração excessiva podem causar queda de pressão.

Coma menos
Evite comidas pesadas ou gordurosas, que por si sós já fazem mal ao coração. E dê tempo para a digestão.

Nada de ‘viradão’
Dormir pouco pode causar ansiedade e hipertensão. Uma boa noite de sono é essencial para curtir a festa.

Publicidade
Publicidade