Publicidade
Entretenimento
Vida

Exército de Noeis leva alegria à criançada em Manaus e comunidades rurais

No decorrer do ano eles têm outras funções, mas em dezembro eles são recrutados para  integrar o pelotão que vai levar amor e esperança à crianças e comunidades carentes  nos quatro cantos do planeta.  22/12/2015 às 15:00
Show 1
Pelos rios do Amazonas, Papai Noel entrega brinquedos em comunidades rurais
KELLY MELO Manaus - AM

Ser Papai Noel  é uma missão que enche de alegria os corações daqueles que foram chamados para se transformarem no “bom velhinho” durante o Natal. Isso mesmo! Todos os anos,  Papai Noel convoca um verdadeiro exército de “Noeis” para da conta do recado, afinal de contas, as listas de pedidos lá no Pólo Norte são gigantescas e só um batalhão poderia dar conta de atender a todos os pedidos de crianças do mundo inteiro com pontualidade na noite de Natal.

A fugira, que mexe com o imaginário de crianças e adultos, não é só um personagem. Por baixo daquelas roupas vermelhas e brancas existem homens que se emocionam com as histórias que ouvem e tentam, ao máximo, extrair um olhar de gratidão e um sorriso sincero da molecada.

O “Papai Noel” Marcos Souza Pereira, 65,  é um típico bom velhinho, de cabelos brancos e olhos azuis. Há 11 anos ele foi convocado para integrar o pelotão natalino e espalhar a magia do Natal por onde passa. “Natal é tempo de relembrarmos o nascimento do menino Jesus e de levar a bondade, o amor, a união por onde passamos. Que neste Natal tenham um mundo melhor para as nossas crianças”, disse ele, guardando pela visita dos pequeninos em seu trono, no Manaus Plaza Shopping, na Zona Centro-Sul.

Sem fronteiras

Não importa a distância. Mesmo nos locais mais distantes, Noel consegue chegar e atender aos pedidos que recebe. Muitas vezes é preciso até deixar o trenó e as renas de lado, para embarcar numa viagem em barcos regionais, pelos rios da Amazônia. “Não tem  sensação melhor do que se doar para ver uma criança estampar um sorriso no rosto”, afirmou o “Papai Noel”,  Claudionor de Deus, 56, que há 12 anos, viaja com o grupo “Amigos do Papai Noel” pelas comunidades ribeirinhas do Amazonas.

Segundo ele, o espírito de Natal é tão envolvente que até os adultos querem realizar seus sonhos que ficaram esquecidos na infância. “Cada vez que dou um presente para uma criança e recebo um abraço, sinto uma satisfação enorme e isso me enche de alegria. E não são só as crianças que nos emocionam. Os adultos também”, lembra ele, ao mencionar dois episódios marcantes em sua trajetória. Em um deles, uma senhora cega chorou ao poder conhecer o “Velho Noel”.

O bom velhinho Jocynei Freitas, 37, que é policial militar “nas horas vagas”, descreveu o sentimento de poder levar o Papai Noel para perto de crianças carentes, no bairro Petrópolis, na Zona Sul. “Não tem dinheiro que possa pagar por isso, pois essa é uma missão muito especial e me emocionei com cada criança que chegou até mim”, disse ele, após uma ação social da Polícia Militar do estado.

Crianças ajudam Papai Noel

No Amazonas Shopping, na Zona Centro-Sul, o Papai Noel teve um momento único  e especial com os “duendes”. Durante dias,  além de receber visitas de diversas crianças em sua fábrica de brinquedos, no espaço Florestinha Park, ele também pôde contar com a ajuda delas para embalar os presentes que serão entregues, durante a manhã de hoje, à outras crianças de dois abrigos da capital.

Para ele, mais do que dar ou receber um presente, a magia do Natal deve ser incentivada para que essas crianças não percam sua infância. “O mais importante é os pais não deixarem de acreditar nessa magia, porque é um momento único, e  incentivarem os filhos a continuarem acreditando no bom velhinho. Isso mexe com a gente e com toda a família”, afirmou ele, com lágrimas nos olhos.

Saiba mais

A lenda do Papai Noel foi influenciada pela história  São Nicolau, um bispo nórdico que tinha o hábito de ajudar as pessoas pobres. De acordo com a tradição, o bispo colocava um saco com moedas próximo à chaminé da casa de quem seria beneficiado.

Publicidade
Publicidade