Quinta-feira, 24 de Setembro de 2020
Televisão

Fãs seguem 'enlutados' após o fim da exibição de Chaves

Chaves e Chapolin deixaram de ser transmitidos na televisão após impasse. Será um adeus ou um até logo?



WhatsApp_Image_2020-08-10_at_21.29.06__1__41C7B94C-443C-42CA-961A-9ED6BE42AF87.jpeg William transmitiu o legado de paixão ao personagem para o seu filho Fábio, de 8 anos (Foto: Aguilar Abecassis)
13/08/2020 às 11:32

Desde o início do mês, frases icônicas como “Ninguém tem paciência comigo”, “Tá bom, mas não se irrite”, “Sigam-me os bons” e “Suspeitei desde o princípio” não são mais reproduzidas na televisão. Isso porque Chaves e Chapolin, os lendários personagens do saudoso Roberto Bolaños “Chespirito”, tiveram as exibições canceladas, após um impasse contratual. Resta saber se o ‘adeus’ é temporário, já que o legado do comediante pode virar um grande universo de mídias.

Distribuidora dos programas, a emissora mexicana Televisa não chegou a um acordo sobre os direitos de reprodução com o Grupo Chespirito – comandado pelo filho do humorista, Roberto Gómez Fernández –, que administra as licenças de exploração comercial dos personagens. Nesse cenário, canais de diversos países, incluindo do Brasil (o SBT), tiveram que suspender as exibições de Chaves, Chapolin e derivados, deixando os fãs consternados.



O empresário William Barros Chaves, de 44 anos, foi um deles. Apaixonado por Chaves, ele diz que conheceu a série aos 12 anos, mas se tornou fã declarado somente após a maioridade. Sua casa e seu antigo carro foram pintados com o tema do programa, assim como sua empresa de eventos tem o nome e a identidade visual inspirados no personagem. Além disso, em 2010, o empresário fez uma tatuagem do menino pobre que morava em uma vila.

Mesmo abalado com o fim das exibições, William mantém as esperanças quanto a um possível retorno. “Soube sobre o cancelamento em um comunicado nas redes sociais. Fiquei triste, mas acredito que um dia possa voltar”, destacou.

Esse também é o caso da fotógrafa Pâmela Lazaron, de 28 anos. Assim como William, ela expressou na pele o amor pela obra de Bolaños – seu ídolo, que faleceu no dia do seu aniversário (28/11). Com um significado forte, a tatuagem representa os dois personagens principais do comediante mexicano: um barril com os gorros de Chaves e Chapolin meio caidinhos. “Ele descansou depois de um baita trabalho”, pontuou.

Pâmela diz que sentiu o baque com o fim das exibições, mas principalmente quando os episódios deixaram de ser exibidos pelo Multishow, que, segundo ela, vinha tomando mais cuidado em não repetir tantos episódios e seguir a ordem histórica. O canal de TV pago anunciou a saída das séries mexicanas da grade em julho, após dois anos de exibições.

Pelo retorno das transmissões, a fotógrafa se uniu ao coro de uma legião de fãs, que criou a petição online #VoltaCH no site Avaaz. Até a última sexta (07), mais de 44 mil pessoas haviam assinado o documento.

Possível volta

Apesar do momento de tristeza, os fãs podem acalentar seus corações. Em postagem no Twitter, Fernández deixou claro que continuará insistindo para que os personagens retornem às telas: “embora estejamos tristes pela decisão, minha família e eu esperamos que Chespirito esteja em breve nas telas do mundo. Continuaremos insistindo e estou seguro de que conseguiremos".

De acordo com Cristina Padiglione, colunista do Zapping, da Folha de São Paulo, são fortes os rumores sobre uma negociação entre o diretor do Grupo Chespirito e a Netflix, embora a plataforma de streaming informe não ter nenhuma informação sobre o assunto no momento.

Vale ressaltar que, no ano passado, durante a feira audiovisual MIPCOM – evento anual que acontece em Cannes, na França – Fernández anunciou a criação do universo midiático do Chespirito, através da parceria entre o Grupo e a THR3 Media Group, produtora de TV e cinema. As empresas planejam lançar produções de variados gêneros a partir dos personagens do humorista, como biografia, séries, animações, filmes e histórias em quadrinhos.

Sendo assim, como diria a canção “Buenas Noches Vecindad” do seriado Chaves, “decir adiós sería tonto, un hasta pronto solo será” (em português, “dizer adeus seria tonto, um até logo será apenas”). Na versão brasileira (“Boa Noite, vizinhança”), a mensagem também serve como promessa: “prometemos despedirmos, sem dizer “adeus” jamais, pois haveremos de nos reunirmos muitas vezes mais!”.

Repórter

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.