Publicidade
Entretenimento
Amazon Rock Fest

Festival de rock gratuito reúne bandas e promete revitalizar área pública após evento

União entre grupo de amigos e associação comunitária, evento será gratuito e terá sete bandas, sendo que músicos e realizadores farão mutirão de revitalização do campo após o evento 29/04/2016 às 06:40 - Atualizado em 29/04/2016 às 14:53
Show arf
Banda Bad Trip é uma das sete bandas que tocarão no evento
Felipe Wanderley Manaus (AM)

Há anos sem reforma, o campo do conjunto Renato Souza Pinto I, na Cidade Nova, Zona Norte de Manaus, está relegado ao abandono pelo poder público, que segundo os moradores locais, chegou a tirar parte dos alambrados da área de lazer para uma suposta reforma, que nunca aconteceu.

Enquanto isso, um grupo de amigos e amantes do rock’n’roll e do metal, afim de movimentar a cena dos gêneros musicais na cidade, projetou realizar um festival no campo, com a promessa de fazer, após o evento, um mutirão entre os músicos e realizadores para revitalizar o espaço, a única área de lazer da comunidade.

Nascia então o Amazon Rock Fest, que uniu os interesses da cena metaleira de Manaus com e da comunidade do Renato Souza Pinto e acontece neste sábado, 30, a partir das 14h, com entrada gratuita. Sete bandas abriram mão do cachê para tocarem: Scary Eyes, Vultos Viscerais, Bad Trip, Centaurea HC, Berserkers Viking Riders, Eutanase e Beyond’s Shadows.

O evento, organizado pelos amigos Max Trindade, Ilton Seixas, William Taveira e Rodrigo Gomes, tem apoio da Prefeitura de Manaus por meio da ManausCult, Associação Comunitária do Renato Souza Pinto I (Acresp), Gritos de Matita, Havres e Suvinil. Esta última cedeu as tintas para a revitalização do campo.

O presidente da Acresp, Atirson Nóbrega, o Aio, diz que se surpreendeu com a iniciativa dos jovens, que deve movimentar e trazer retorno da comunidade. “A gente abraçou a causa”, diz ele. Ilton Seixas, um dos idealizadores, está animado e diz que espera pelo menos mil pessoas neste evento, que promete ser o primeiro de muitos. “A ideia é fazer um evento permanente”, diz Ilton Seixas.

Publicidade
Publicidade