Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Vida

Fotografia: Sebastião Salgado lança projeto ‘Gênesis’

No ano em que comemora 40 anos de carreira, o economista que trocou os números pelas lentes faz projeto épico


18/04/2013 às 11:05

<!-- /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Tabela normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin-top:0cm; mso-para-margin-right:0cm; mso-para-margin-bottom:10.0pt; mso-para-margin-left:0cm; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-theme-font:minor-fareast; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}-->Um dos mais prestigiados fotógrafos de todo o mundo, o brasileiro Sebastião Salgado completa 40 anos de carreira este ano. Para comemorar a data, ele lançou anteontem, 15, um novo projeto, intitulado Gênesis. O trabalho é considerado um grande acontecimento no mundo da Fotografia.

A obra, chamada de “épica” pela imprensa internacional, é resultado de oito anos de trabalho em 35 países. O objetivo era só um: revelar o mundo em sua face mais inóspita, com retratos da vida e da natureza em lugares jamais tocados pela mão industrial do homem.

Sentido oposto

A obra vai no sentido oposto de seu trabalho mais célebre – “Trabalhadores: Uma Arqueologia da Era Industrial”, que retrata a relação homem/trabalho no mundo contemporâneo. Exposta no Museu de História Natural de Londres, a exposição Gênesis deve passar por Toronto, Roma, Paris e, mais tarde no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro.

publicidade

Envoltas numa atmosfera quase sobrenatural, as fotografias revelam um ambiente mítico, uma referência bíblica já indicada pelo título, capturada pelas lentes do fotógrafo em regiões totalmente diferentes entre si, ligadas apenas pelo fato de serem ambientes totalmente isolados e desconhecidos do resto do mundo, como a Sibéria, o Grand Canyon, a Amazônia profunda e a África.

“É um estupendo empreendimento artístico, que consegue relacionar o calor escuro da floresta tropical brasileira à luz fria do gelo siberiano”, escreveu a colunista Laura Cumming, do jornal inglês The Observer sobre a obra, que também expressa a preocupação socioambiental do documentarista.

Perfil

Sebastião Salgado nasceu em Minas Gerais, formou-se em Economia. Interessado por questões sociais e ambientais buscou na fotografia um meio de expressar com maior contundência as contradições éticas do mundo contemporâneo. Ganhou quase todos os prêmios da fotografia mundial e trabalhou para agências como a Sygma e Magnum. Atualmente vive em Paris e tem 69 anos.

Homem e natureza

Considerado um dos maiores documentaristas fotográficos de todos os tempos, Sebastião Salgado se destacou com obras-primas da fotografia, como o projeto “Tralhadores”, em que retrata a relação homem e trabalho em ambientes de completa insalubridade. A foto abaixo, clássica do jornalismo fotográfico, foi tirada no Garimpo de Serra Pelada (Pará).

publicidade
publicidade
Contratos de patrocínio da Petrobras passam por revisão, diz Bolsonaro
Fotografias de parto feitas por amazonense são reconhecidas por associação internacional
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.