Publicidade
Entretenimento
Vida

Gente da terra: talentos locais dão peso ao Festival de Ópera

Sopranos Miriam Abad e Carol Martins São destaques no FAO 2013 09/04/2013 às 09:20
Show 1
As rotinas das sopranos Mirian e Carol são bem intensas, envolvendo ensaios e preparação de voz diárias
a crítica Manaus, AM

Filho de músico, solista é. A mudança no ditado popular cabe perfeitamente no mundo da ópera, quando músicos da Amazonas Filarmônica, vindos da Bulgária para a criação do corpo artístico, na década de 1990, hoje se preparam ao lado dos filhos para estrear numa das mais divertidas e lúdicas peças do XVII Festival Amazonas de Ópera (FAO), “Aventuras da Raposa Astuta”, de Leos Janacek.

Estamos falando de Adriana e Mira Assenova Angelova, sopranino e contralto, respectivamente, do Coral Infantil do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro, que fazem parte do grupo de 7 solistas infantis locais que se apresentarão nesta edição, fato inédito dentro do FAO.

Em comum na carreira, todos estudam no Liceu Cláudio Santoro, de onde também evoluíram as belíssimas vozes das sopranos Mirian Abad, 28, e Carol Martins, 31, alguns dos destaques amazonenses no FAO 2013.

Aprendizado

Mirian, além de ter sido aluna do Cláudio Santoro desde 2000, aos 15 anos, hoje atua como preparadora vocal do Coral Adulto. Sua professora, a bielorrusa e maestrina Natalia Sakouro, continua sendo sua orientadora, porque a soprano não se cansa de aprender. “Comecei fazendo aula de canto e coral, aí a Natalia viu que eu poderia fazer mais coisas e passamos a trabalhar a parte técnica vocal e o canto lírico. Eu precisava de mais elementos para interpretar as complexas músicas de uma ópera, por exemplo. Não paro de buscar ajuda sempre quando preciso, como se ainda fosse aquela menina de 15 anos”, brinca Mirian.

Sua estreia no Festival de Ópera foi em 2010, como convidada em razão do trabalho na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), com a ópera “As Guerras de Alecrim e Mangerona”, de Antônio Teixeira, compositor luso-brasileiro.

Este ano, os desafios de Mirian Abad vão do rock ao clássico no FAO. Ela será solista no Recital Bradesco “God Save the Queen”, dia 3 de maio, sua estreia como cantora de rock; estará no Concerto do Dia das Mães, 12 de maio, ao lado da Orquestra de Violões do Amazonas, com o repertório com o qual tem tremenda intimidade, o começo da música no Brasil, as “Modinhas e Lundus”, mistura das culturas africana e portuguesa; e por fim estará na divertida ópera “O Morcego”, de Johann Strauss Filho, que será encenada no Centro Cultural Largo de São Sebastião, dia 26 de maio, às 19h. Aqui ela será Rosalinde, uma das personagens principais.

MANAUARA

A soprano Carol Martins, 31, é uma outra revelação lírica da política de formação cultural do Estado. Ela começou no canto coral aos 17 anos e hoje é coralista do Coral do Amazonas, estando em cena no FAO 2013 em diversos momentos, com o Coral, desde a abertura, com “Rei Roger”, dia 14, passando por “Um Baile de Máscaras”, de Verdi, “Parsifal”, de Wagner, e “O Morcego”.

Como solista, Carol fará a Vesperal Lírica “La Traviata”, que estreia dia 4 de maio, cantará no Recital Bradesco V – Canções Brasileira, dia 9, e fará o papel de Ida, em “O Morcego”. “Todos os anos tenho papeis de destaque, em várias montagens. Já fiz ‘A Flauta Mágica’, ‘Suor Angélica’, ‘Carmem’ e participei de concertos como ‘Carmina Burana’. Vou do drama ao mágico”, diz a soprano.

Tudo pela arte

As rotinas das sopranos Mirian e Carol são bem intensas, envolvendo ensaios e preparação de voz diárias. Mirian recebeu as partituras em março e desde lá vem ensaiando os repertórios.

 Como canta no Coral do Amazonas, Carol faz ensaios todos os dias, de manhã e à noite, e à tarde está na Faculdade de Psicologia. Mas quando os diretores das montagens precisam, como é solista, ela precisa estar à disposição, aí algumas faltas na universidade são necessárias. Vale tudo pela arte.

Publicidade
Publicidade