Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019
RETRATO AMAZÔNICO

Grafitti dos beiradões de Jorge Liu invade guarda-roupas dos manauaras

Além de peças do vestuário, o artista amazonense investe na customização de itens domésticos



WhatsApp_Image_2019-10-10_at_14.53.04__1__003D0F23-A95C-42AF-9888-36B85CC27FD5.jpeg Foto: Divulgação
11/10/2019 às 11:57

Os traços do grafiteiro amazonense Jorge Liu transbordaram os limites da arte urbana e pode começar a invadir o guarda-roupas dos manauaras em poucos dias. O lançamento de uma linha especial de vestuário, contendo desenhos que retratam a arquitetura típica dos beiradões da Amazônia, retrata a nova fase da produção artística do artista. O grafiteiro vem se destacando desde 2009 no cenário cultural do AM.

O diferencial encontrado nos itens de vestuário produzidos pelo artista é que eles são ‘únicos’. Apesar de serem baseadas no contexto amazônico, cada produção possui identidade própria. “As pessoas não entendem o trabalho que dá pintar uma peça a mão, e o fato dela ser uma peça única é o principal diferencial dos meus produtos”. 



Transformada em ‘vitrine’, a rede social do artista é o principal recurso utilizado por ele para publicizar as obras de artes. Entre elas, o ‘tênis pink’ se destaca entre os produtos mais desejados dos consumidores. “Uma cliente chegou e pediu pra customizar o tênis dela, confesso que fiquei meio com medo, pois tinha que ficar bom, e eu não ia me dar o luxo de estragar um tênis. Ela adorou e, após isso, surgiram outras encomendas”. 

Presente nas artes de Liu, as palafitas, um estilo de construção de casa sobre águas, foram utilizadas na elaboração dos desenhos das peças de vestuário. Uma coleção de ‘t-shirts’ foi lançada pelo artista ou como ele costuma dizer "o bodozal".

“É uma arquitetura bem nossa, a favela sobre as águas, diz mais de mim, de onde eu vim, de onde eu moro, do meu povo, bem melhor que essa Belle Époque com essa estrutura copiada de Paris, da Europa, que muitos negros e índios construíram e levam nomes de brancos”, diz.

Da parede das rua para a parede das casa

Ele define a pintura em objetos e produtos, diferente do tradicional ‘mural’, muito utilizado em pinturas de graffiti, com sendo “sempre um desafio”. “Espaço menor é sempre um desafio, no tênis então, por ser um objeto pessoal de muito ciúme por parte da dona, é um desafio maior ainda”. Cadê a Vans que não me contrata logo?”, indaga com humor.

Além dos itens de vestuário, Liu retrata o cotidiano ribeirinho por meio de desenhos customizados em objetos do dia-a-dia, como relógios de parede. 

Empreendedor de troca

Há mais de 10 anos ele faz da arte uma extensão do dia a dia no cenário manauara. Em 2016, ele lançou uma técnica de body painting que invadiu as passarelas do samba durante o Carnaval de Manaus. Liu se considera mais que um empreendedor, e confessa que ainda incomoda o fato de comercializar suas produções. “Confesso que ainda me incomoda o fato de comercializar meus trabalhos, mas a necessidade existe e eu troco papel moeda por um pouco mais de cor, tentando fazer do meu cotidiano uma poesia visual pintada”, diz.

Saiba mais

“Graffiti” é uma palavra italiana que significa “escritas feitas com carvão” e essa expressão de arte surgiu no império romano, quando os cidadãos registravam manifestações de protesto nos muros. Hoje em dia, há espaço para o grafite muito além dos muros da cidade. Ele está presente nas galerias de arte, na moda, nas tatuagens e também na decoração da casa.

Serviço:

Quem ? Jorge Liu, artista
Contatos e redes: Facebook, Instagram, e pelo número: 92 9290-9870

Repórter

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.