Publicidade
Entretenimento
Vida

Herança: família símbolo do Natal de A CRÍTICA compartilha histórias de amor e união

Às vésperas do Natal, comemorado religiosamente na casa dos sogros do desembargador Lafayette Jr. –  Alcemir e Graça Figliuolo –, a família relembra tudo o que faz sem economizar esforços para reunir todos os seus membros nas viagens de férias 24/12/2014 às 14:43
Show 1
Membros da família Figliuolo-Vieira levam a sério o ato de passar adiante os valores natalinos
Laynna Feitoza Manaus, AM

Para chamar a atenção do pequeno Lafayette Bisneto - de um ano e três meses - para as fotos desta reportagem, a família Figliuolo-Vieira cantou junto a canção infantil “Meu Pintinho Amarelinho”, em frente à árvore de Natal, decorada por ursos de pelúcia, para que ele e as demais crianças pudessem se divertir.

A alma pura do representante da quarta geração do clã é uma das razões que motivam a união da família durante o período de renovação e esperança que rege o fim e o início de cada ano. Esta será a primeira vez que o bebê viajará com a família para passar férias em Orlando, nos Estados Unidos – destino favorito dos avós, o desembargador Lafayette Vieira Jr. e Giovanna Vieira. Ele certamente levará na bagagem do seu futuro a maior herança que se pode levar de uma vida: o amor cultivado em família.

Às vésperas do Natal, comemorado religiosamente na casa dos sogros de Lafayette Jr. –  Alcemir e Graça Figliuolo –, a família relembra tudo o que faz sem economizar esforços para reunir todos os seus membros nas viagens de férias.

“Quando viajamos, fazemos as reservas bem antes, para ficar toda a família no mesmo andar do hotel, é bem divertido. O que torna as nossas férias mais alegres são as nossas crianças”, pondera Graça, uma das matriarcas da família, ao lembrar que no decorrer dos 48 anos em que vive ao lado do esposo, sempre cultuou com as filhas, Giovanna e Alessandra, a importância de usufruir do lazer em união.

As férias em família, estabelecidas sob a premissa de “se um não for, ninguém vai” já renderam momentos emocionantes aos Vieira. Uma das surpresas foi a chegada da pequena Sophia, 5, que veio ao mundo sem avisar ninguém. E nem a própria mãe, Andrezza – filha do desembargador.

“Minha filha passou mal com dores durante um período de férias nos EUA e a levamos ao hospital. Depois de um tempo, meu filho Lafayette Neto veio e disse que eu seria avô de novo. Meu coração parou. Quando achei que era apenas a notícia da gravidez da minha filha, eis que ele me diz que ela estava ganhando bebê naquele momento e ninguém desconfiava”, diz Lafayette Jr. Sophia, por si só, é uma estrela:  não nasceu na famosa Hollywood da Califórnia, mas na cidade de Hollywood, situada na Flórida.

Laços

Durante as viagens, a família é parceira: todos procuram entrar em consenso e respeitar os desejos individuais uns dos outros, com direito às mulheres acompanhando os homens em programas masculinos, como pescaria; e aos homens cuidando das crianças em programas femininos, como compras no shopping. Dominós e lanches durante a madrugada, idas constantes à Disney e até bonés e camisas customizadas com fotos e o nome da família Vieira fazem parte deste rol.

“As meninas vão de boné vermelho e os homens de boné branco. Quando fazemos camisas, sempre colocamos coisas como ‘Excursão do Tio Lafayette Jr.’, mas não sei por que sempre sou eu o comandante”, alega o desembargador, aos risos.

Dos 32 anos em que vive ao lado de Lafayette Jr., Giovanna Vieira destaca toda a motivação de viver em plena harmonia com os entes de sangue. Os Natais vividos na casa dos pais, Graça e Alcemir, é o que a faz replicar nas gerações de sua família tamanho cuidado. Hoje, além da ceia tradicional da data, o nascimento de Cristo é comemorado por eles com brincadeiras, sorteios e orações.

“Além de sensibilizarmos as crianças todos os anos com a importância da partilha - sempre fazemos doações de brinquedos e outros artigos”, comenta ela, ao lembrar do quarto na casa da mãe separado só para armazenar os presentes. “Tudo simboliza o amor, confiança e segurança na família. Somos assim: a gente se respeita e combina”, destaca Gio, lembrando que esta herança ela não perderá nunca. E nem as suas próximas gerações.

Publicidade
Publicidade