Segunda-feira, 22 de Julho de 2019
Arte

Investigador de arte diz que mulher e homem foram modelos para rosto de ‘Mona Lisa’

O especialista argumenta que o pintor Leonardo Da Vinci usou uma modelo feminina e um masculino para criar o aclamado retrato criado no século XIV e hoje exposto no Museu do Louvre, em Paris



Mona_Lisa__copy__Hermitage_.jpg (Foto: Reprodução/Internet)
27/05/2016 às 16:15

O enigmático sorriso de Mona Lisa atrai milhões de visitantes de todo o mundo, todos ansiosos para ver o rosto feminino mais famoso da história da arte. Mas é um rosto feminino?

Um investigador de arte italiano está defendendo a tese de que pesquisas apoiam seu já antigo argumento de que Leonardo Da Vinci usou uma modelo feminina e um masculino para criar o aclamado retrato exposto no Museu do Louvre, em Paris.

Embora a identidade da mulher não seja certa, historiadores acreditam que Lisa Gherardini, esposa do mercador de seda florentino Francesco del Giocondo, tenha posado para a pintura de Da Vinci, criada entre 1503 e 1517, no século XIV.

Mas Silvano Vinceti, que chefia o Comitê Nacional para a Promoção da Herança Histórica e Cultural da Itália, disse ter usado tecnologia de luz infravermelha para examinar a obra e ter feito descobertas essenciais em sua primeira camada.

“Nessa camada, vemos que ela não está sorridente e alegre, mas que parece melancólica e triste”, afirmou, acrescentando que o segundo modelo foi Gian Giacomo Caprotti – o aprendiz de Da Vinci conhecido como Salai.

Usando o programa Photoshop, Vinceti comparou o rosto da “Mona Lisa” com outros trabalhos de Da Vinci para os quais se acredita que Salai posou, entre eles “São João Batista”.

“Acredito que isso combina com uma fascinação de longa data de Leonardo, que é a androginia. Em outras palavras, para Leonardo, a pessoa perfeita era uma combinação de mulher e homem”.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.