Publicidade
Entretenimento
Entrevista

Cantor Jorge Vercillo revela segredos de 'Vida é Arte' em entrevista exclusiva

Artista carioca lança 13º álbum da carreira e tem biografia registrada pelo Canal Brasil, com recepção em casa 16/04/2016 às 15:51 - Atualizado em 17/04/2016 às 00:06
Show jorge vercilo
“Vida é Arte” trata-se do título da canção que o próprio Vercillo elege como uma de suas melhores
Lucy Rodrigues Manaus

Engana-se quem pensa que Jorge Vercillo busque uma unidade no seu trabalho. Com 20 anos de carreira, o artista carioca não pretende ser definido por um único estilo musical. Prova disso, o recém lançado “Vida é Arte”, 13º registro fonográfico que revela não apenas as várias facetas do compositor, mas toda a técnica de um intérprete maduro. “Eu diria que estou no auge da minha condição física e profissional”, afirmou em entrevista exclusiva. Além do novo álbum e da turnê, a contribuição de Vercillo para a música brasileira vai além. Prova disso, os saraus em sua casa que viraram um dos melhores programas musicais na televisão, o “Compositores Unidos”, do Canal Brasil. O mesmo canal também está produzindo um documentário sobre a vida do artista. E foi com enorme entusiasmo que ele conversou com nossa reportagem sobre essa ótima fase da vida e da carreira. Confira a entrevista:

Esse é seu 13º trabalho - contando as gravações ao vivo - e sua voz continua firme, jovial e até melhor do que quando você se lançou. Qual é o segredo?

Não tem segredo, nos manifestamos artisticamente com entrega, verdade e perseverança, pois viver de música está cada vez mais complexo. Eu diria que estou no auge da minha condição física e profissional. O repertório reflete muito a diversidade do meu trabalho, músicas de estilos e linguagens diferentes, passeando por várias vertentes musicais como reggae, samba funk, soul, R&B.

“Vida é arte” marca a volta da sua música à moderna e contemporânea MPB, depois de fases mais acústicas e intimistas. Acredita que nesse último trabalho há uma pitada a mais de diversidade? Em que medida gosta de ousar sem se “afastar” da sua essência?

Se engana quem espera que eu busque uma unidade nos meus discos. Busco justamente o contrário, quero contrapor, contradizer, busco nuances e diversidade entre as músicas. Talvez por sonhar refletir a pluralidade do povo brasileiro. Eu nunca fiz um álbum todo pop, só com mbp, todo bossa nova, ou de reggae, por exemplo. Isso está fora da minha pretensão. Por que o que me motiva são as nuances, as matizes...

Esse trabalho tem várias participações especiais. Como foi para chegar a esses nomes e como foi essa troca?

São parcerias muito bacanas, eu estou muito feliz com isso. Paulo Calasans já produziu outros CDs meus, e agora toca nos teclados de "Quem" e "Pra Valer. Meu parceiro baiano Carlinhos Brown na voz e na percussão em "Silêncio na Favela". Beto Dourah, Dudu Falcão, Flavio Venturini, Jota Veloso e Junior Meireles também assinam composições junto comigo. Também tem a parceria com o produtor americano Patrick Leonard,responsável pelos álbuns e singles mais populares de Madonna, no single “A Cegueira da Visão”. Pat Leonard queria parceria com brasileiros. Eu tinha essa letra, sobre a ilusão da matéria.

Como foi gravar uma faixa com seu filho? Ele quer seguir carreira musical também? Como é esse diálogo na família?

O interesse do Vinicius pela música é completamente nato dele. Ele se interessa de uma forma diferente, é louco por guitarra, por exemplo. E eu deixo a coisa acontecer... Um dia, gravando ‘A cegueira da visão’, uma parceria com o produtor americano Patrick Leonard, chamei ele para tocar, mais de improviso mesmo, e ele já saiu solando muito bem, fazendo frases interessantes e caíram bem na música. Eu e o André Neiva acabamos optando por deixar, então foi a primeira participação nele num disco. É bacana poder acompanhar essa evolução, nossos filhos tem muito a ensinar para nós, acho que a gente acaba aprendendo até muito mais que ensinando, acho que é o caminho natural.

Tem previsão de shows na capital amazonense? Como é sua relação com a cidade e com o público do Norte?

Queremos levar a turnê Vida é Arte para a capital amazonense este ano sim. A Floresta Tropical é um bem maior, e deveria ser vista como um patrimônio do estado do Amazonas, e do Brasil. Faço muitos votos de que o estado do Amazonas deixe de ser tão pecuarista, devastando a mata. Os rios atmosféricos deveriam ser vistos como um dos patrimônios mais valiosos do planeta Terra.

Pode dar detalhes sobre o documentário que está sendo produzido sobre sua vida no Canal Brasil? Já iniciaram as gravações?

As gravações começaram ao longo do ano passado e seguem este ano. Já fizemos vários registros em diferentes momentos da minha vida, não só relacionados à música. Tentarei mostrar coisas que são importantes para mim como ufologia, yoga e bioenergias. Converso com pesquisadores e pensadores sobre esses e outros assuntos que quero levar para meu público. A previsão de lançamento é para o segundo semestre deste ano.

Você lançou algumas faixas desse trabalho antes nas redes sociais. Pode falar sobre como é sua atuação nessas mídias hoje e como elas são importantes para a carreira musical atualmente?

Em 2015, iniciei o projeto ‘Extra-físico’ com músicas sendo expostas e vendidas a cada mês na internet, e trata-se de uma iniciativa que pretendo continuar fazendo. Se integra como um adiantamento de cada disco, e acho isso fundamental para nós artistas nos tempos de hoje.

Destaque

“Com produção de André Neiva e do próprio Jorge, “Vida é arte” reúne 13 composições, seis inéditas, entre elas, “Pra valer” (Jorge Vercillo), canção pop, seis composições divulgadas na web por Vercillo, ao longo de 2015, dentro do projeto intitulado “Extra-físico”, e a regravação de “Pode Ser”, composição de Vercillo que se consagrou na voz de Pedro Mariano.

Playlist "Arte é Vida"

01 Pra Valer (Jorge Vercillo)

02 Talismã sem Par (Jorge Vercillo)

03 Quem (Luana Mallet / Jorge Vercillo) part. Especial Luana Mallet

04 Silêncio na Favela (Jorge Vercillo) Part. Especial (Carlinhos Brown)

05 Vida e Arte (Jorge Vercillo)

06 Acontecência (Jorge Vercillo / Junior Meirelles)

07 Noite dos jangadeiros (Jota Veloso / Jorge Vercillo)

08 Amparados (Jota Veloso / Jorge Vercillo)

09 Permissão (Jorge Vercillo / Dudu Falcão)

10 Luzes Que Se Movem Pelo Céu (Flávio Venturini / Jorge Vercillo)

11 Pode Ser (Jorge Vercillo)

12 Desafio (Beto Dourah / Jorge Vercillo)

13 Cegueira da Visão (Patrick Leonard / Jorge Vercillo )

Publicidade
Publicidade