Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019
Evento

'Jungle Matsuri' acontece neste fim de semana, no Studio 5

Feira com entrada gratuita promove imersão na cultura nipônica



zBV0119-2F_30C3537E-0CD6-458C-A9F7-9E21A1B1D0D3.jpeg Durante os três dias do festival, o público poderá conhecer de perto os principais artistas nipo-brasileiros do país (Divulgação)
18/09/2019 às 19:13

Em 1908, o primeiro grupo de imigrantes japoneses chegava ao Brasil, mais especificamente no porto de Santos, em São Paulo, por meio do navio Kasato Maru. Vinte e um anos depois, foi a vez da região norte do país receber os irmãos do país do sol nascente. Na ocasião, os colonos migraram para Tomé-Açu, no Pará, e, em seguida, para Maués e Parintins, no Amazonas. 
Agora, em 2019, é chegada a hora de comemorar os 90 anos da imigração japonesa na Amazônia. A data, no que depender da Associação Nipo-Brasileira Da Amazônia Ocidental (Nippaku), será celebrada de forma grandiosa com um evento que já promete ser o maior do norte do país voltado para a cultura nipônica.
Nomeado de Jungle Matsuri (do japonês, “festival”), a feira, que tem entrada gratuita, acontece de sexta a domingo (20, 21 e 22), no Studio 5 Centro de Convenções, e conta com uma extensa programação cultural, área gastronômica, estandes de vendas, workshops, palestras, além de convidados especiais.
“A ideia do evento é propiciar uma experiência completa para o público. Não queremos somente que as pessoas venham ao Jungle Matsuri para comer um sushi, ou ver um show de taikô, mas sim que tenham uma verdadeira imersão na cultura japonesa”, afirmou o organizador do evento, Sérgio Takao Sato, ressaltando que, para isso, além de todos os atrativos do festival, o pavilhão contará, ainda, com decoração temática. 

Programação
De acordo com Takao, durante os três dias do festival, o público poderá conhecer de perto os principais artistas nipo-brasileiros do país, Joe Hirata e Karen Ito; um dos principais grupos de taikô do país, Grupo Wadan; a cantora Mariko Nakahira, vinda diretamente do Japão, entre outras atrações. 
“Teremos workshops com grandes representantes de cada setor, como o mangaká Fábio Shin, a artista de kirigami Naomi Uezu, além de profissionais locais com aulas de paper craft, pixel art, ikebana e muito mais. Tudo gratuito”, adiantou o organizador.
E, em meio aos desfiles de cosplays, expositores com produtos e lembrancinhas importados, apresentações de danças tradicionais e exibição de filmes, um nome se destaca: Maurício de Souza.  Conforme Takao, o criador da ‘Turma da Mônica’ fará uma palestra contando um pouco da sua relação com o Japão. Para quem quiser conferir, a programação completa com os horários já está disponível no site do evento.



 
Comunidade
Para Takao, ainda que Manaus não seja o principal refúgio nipônico no Brasil, que se concentrou ao longo dos anos em São Paulo, a capital Amazonense guarda estreitas relações com o povo japonês. 
“Em Manaus, temos uma comunidade forte que preserva bastante suas tradições, mas, mais do que isso, o povo manauara tem sede de conhecimento da cultura japonesa. Diferentemente das demais cidades e estados do país, esse interesse ocorre não só por motivos comerciais, mas, principalmente, por puro interesse próprio”, comentou ele.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.