Publicidade
Entretenimento
Despedida

Karyne Medeiros deixa função de sinhazinha da fazenda do boi-bumbá Caprichoso

A jovem deixou a agremiação folclórica porque está grávida e quer se dedicar mais à família 15/04/2016 às 10:26
Show karyne
Karyne Medeiros ocupava, atualmente, a função de sinhazinha da fazenda do Caprichoso (foto: Divulgação)
Rafael Seixas Manaus (AM)

A Associação Folclórica Boi-Bumbá Caprichoso comunicou, na manhã desta sexta-feira (15), por meio de comunicado em sua página oficial no Facebook, que recebeu o pedido de desligamento de Karyne Medeiros da função de sinhazinha da fazenda. A decisão foi tomada, pois a jovem está grávida e quer se dedicar à família.

Esse é o segundo item da nação azul e branca que pede desligamento esta semana. Na quarta-feira (13), Jéssica Tavares deixou o posto de porta-estandarte para se dedicar aos estudos.

Em nota, o presidente da agremiação, Joilto Azêdo, declarou compreender as razões pessoais externadas por Karyne.

“Vencido o impacto inicial, o da perda de uma artista tão profissional e tão esmerada na defesa de seu item,  fomos na sequência agraciados com uma notícia que não poderia ser mais abençoada e, por si só, nos confortou e nos encheu de alegria”, declarou.

“Karyne marcou seu nome na história do Caprichoso, seja revolucionando o item de porta estandarte, seja desfilando graça, simpatia e carinho pelo touro amado ao se personificar em sinhazinha nos anos de 2014 e 2015, quando venceu indubitavelmente em seu item, somando preciosos pontos para a histórica conquista do cinquentenário do festival de Parintins”, acrescentou o presidente, complementando que as porteiras do curral do Caprichoso sempre estarão abertas para Karyne e sua nova família.

Carta aberta de Karyne Medeiros

À minha nação Caprichoso,

O dia 15 de abril de 2016 ficará para sempre marcado em minha memória e em meu coração.

Por meio desta carta aberta ao público, eu, Karyne Medeiros anuncio que estou deixando o item 07, de Sinhazinha da Fazenda do Boi-Bumbá Caprichoso. Confesso que não é fácil dizer adeus, meu coração se aperta com uma saudade antecipada que me faz chorar de emoção.

Estar na arena e ser item é um sonho de menina que se tornou realidade, mas hoje com as benções de Deus estou realizando o sonho mais poderoso , transformador e divino que existe na terra, o sonho de ser mãe. Por esse motivo, a partir de agora, irei dedicar-me a minha família.

Tenho em mim o sentimento de dever cumprido, pois por muitos anos em que pisei no Bumbodromo fui agraciada com o título de item campeão.

Saio com a certeza de que as próximas gerações merecem viver esta oportunidade única. Deixo para as meninas que realizarão este sonho o segredo de minhas vitórias: “DISCIPLINA”. Em minha jornada, a vitória foi o resultado alcançado através de muita “DISCIPLINA”.

Desde criança eu e minha família sonhávamos em fazer parte do Festival, quando conquistei esta oportunidade a alegria que senti foi indescritível, porque naquele momento não era apenas o meu sonho que se realizava, mas o de meus pais, irmãs e avós que compartilharam comigo esta felicidade e incansavelmente me apoiaram.

De fato, honrar pai e mãe é um dos meus princípios norteadores, por isso, desde que entrei para a Nação Azul e Branca, sonhei em deixar um legado, uma marca que servisse de inspiração para outras meninas sonhadoras.

Compreendi que a responsabilidade de ser um item do Caprichoso incluía ser um exemplo de boas ações para as gerações posteriores, mesmo muitas vezes sendo incompreendida, pois lutar pelos meus valores muitas vezes me custou bastante. Por isso, incontáveis vezes renunciei a diversão e o lazer; o tempo e as festas com parentes e amigos, simplesmente para ensaiar, ensaiar e ensaiar.

Eu não nasci campeã, mas a dedicação que Deus me deu e a perseverança em superar meus limites me transformaram em uma pessoa vitoriosa. Para as próximas meninas a entrar na arena, deixo um recado: o sonho está ao alcance de todas as pessoas que têm fé e amor suficientes para resistir aos obstáculos e continuamente se superarem.

Olho para o passado e sei que fiz o meu melhor. Me dedicar de corpo e alma foi o único modo de agradecer todo amor que recebi da Nação Azul e Branca. Não me arrependo de tudo que renunciei para vencer pelo Caprichoso, eu agi com o coração aberto e a sinceridade que me é característica.

Possivelmente, só quem pisou na arena ou ouviu a Marujada de Guerra rufar com a nossa toada a sacudir o Bumbodromo sabe do que estou falando. Todo aquele que conhece o nosso Caprichoso vê-se rendido por uma cultura maior que os limites da própria cidade de Parintins.

Aliás, eu sou filha de Parintins e peço a proteção a Nossa Senhora do Carmo para seguir meu caminho. Aonde quer que eu vá, a cultura e a estrela do Caprichoso estará tatuada em meu espírito.
Tenho a certeza de que fiz o melhor que pude. Horas de ensaio somados a muita dedicação e disciplina e lá na arena a mágica acontecia. Às vezes o corpo doía muito, se feria com as fantasias e com os pés livres ao chão, mesmo assim, caprichosamente a minha alma de azul se cobria e, revestida pelo amor ao meu boi-bumbá, eu brilhei estandarte e renasci sinhazinha.

Nos anos que carreguei os estandartes, levei comigo a história do Caprichoso, os símbolos primeiros de nossas lendas, do nosso folclore e da nossa rica literatura, tão regionais e tão exemplos de amor para o mundo. As rendas, fitas e laços de sinhá me trouxeram a delicadeza e a certeza que tudo é possível se acreditarmos.

Honrei com responsabilidade e total comprometimento, estive de corpo e alma do ensaio à apuração, por isso obtive as notas merecidas notas nesses oito anos como item do Caprichoso.

Agradeço a Deus pela oportunidade e livramentos, agradeço a minha família pelos cuidados e apoio incondicional. Serei eternamente grata a cada um de vocês: aos brilhantes artistas e artesãos que atuam na criação, aos músicos e ritmistas que contam as histórias com toadas de embalo, a diretoria e a presidência por me proporcionar condições para as apresentações e às centenas de torcedores, minha nação azul, que são o combustível de nossa festa e a todos que com suas mãos habilidosas transformam o comum em alegorias e roupas extraordinárias.

Sinto uma imensa gratidão por tudo que vivi e aprendi ao longo de meu caminho com meu Boi-Bumbá.  Aonde quer que eu vá, as marcas da arena seguirão comigo.

A todos desejo que levem o meu carinho e respeito. Saio da arena, porém trago para minha Nação mais um coração azul.

Publicidade
Publicidade