Publicidade
Entretenimento
Projeto incentiva leitura de autores de Manaus

Lei quer dar visibilidade a autores e artistas residentes em Manaus

Medida obriga a exposição de livros, CDs e DVDs de artistas e escritores para dar destaque à produção cultural local 09/04/2013 às 16:45
Show 1
Nos locais de exposição deverá constar o título: " Autores de Manaus"
Rafael Seixas Manaus

Está em vigor uma lei municipal que obriga a exposição, com prioridade, de livros, CDs e DVDs de artistas residentes em Manaus, há mais de cinco anos, nas estantes das livrarias, lojas e bibliotecas. A reportagem de A CRÍTICA conversou com alguns integrantes da classe artística para saber o que acham da Lei de N° 1.720, de 25 de março de 2013, de autoria do vereador Francisco da Jornada (PDT).

Os estabelecimentos que utilizam catálogo ou qualquer outro meio de divulgação de venda devem fazer constar, em prioridade, as obras de autores locais para a comercialização. As livrarias, lojas, bibliotecas têm o prazo de 90 dias, a contar da publicação no Diário Oficial do Município (DOM), dia 25 de março de 2013, para se adequarem.

Talentos

“A lei é para valorizar os frutos da terra, a ‘prata da casa’”, declarou Francisco da Jornada. “Esta proposta é um incentivo à leitura, à cultura e até mesmo ao surgimento de novos escritores e produtores. É importante que se estreite o contato do leitor com o autor, de forma que se perceba, principalmente os jovens, os estudantes, que o escritor não é aquele ser distante, abstrato e que o mesmo é feito de carne e osso como todos nós”, relatou o vereador, em sua justificativa para a lei.

Difusão


Para o escritor Wilson Nogueira, qualquer ação que venha incentivar o segmento literário sempre é bem-vinda. Porém, de acordo com ele, é importante que os vereadores, políticos em geral, criem mecanismos para que o município incentive a produção e a circulação do livro.

“Isso implicaria não somente o livro nas estantes. Essas já são medidas adotadas pela livraria Saraiva (MegaStore), Valer, que têm estantes com publicações regionais, assim como outros lugares como Belém e a Paraíba. A Prefeitura e o Estado deveriam adotar a política de valorização da produção regional, fazendo a aquisição destas obras para seus acervos, bibliotecas, escolas, fazer com que o livro circule entre os alunos e pessoas da comunidade, adotando serviços que facilitem o acesso às pessoas”. Conforme a lei, nos locais de exposição deverá constar em específico destaque o título: “Autores de Manaus”.

Outros pontos

Isaac Maciel, livreiro e editor da Valer, aprova a medida, mas acredita que uma contribuição maior seria se tivessem imposto a obrigação ao próprio poder público que nos espaços pertencentes ao município fossem expostas essas obras e que elas ficassem acessíveis. “A meu ver não é a exposição que inibe a produção. Na verdade é o preço. Se fossem distribuídos gratuitamente (os livros), provavelmente nos espaços públicos, como a Câmara de Vereadores, Serviço de Pronto Atendimento, eles beneficiaram a todos”, disse Maciel. A Livraria Valer conta com uma grande variedade de títulos locais e regionais em seu acervo, que ainda ganham o merecido destaque nas prateleiras.

Aproximação

“Acho estimulante, pois assim o comércio e a divulgação dos trabalhos barés podem ter um fluxo e visualização maior, e além de tudo é bom para que o próprio público local conheça seus artistas e escritores. Talvez, dessa maneira, a cultura manauara não se prenda e nem se perca”, declarou a cantora Kely Guimarães, vocalista da banda BQuadro, sobre a Lei de N° 1.720.

Publicidade
Publicidade