Publicidade
Entretenimento
Vida

Longa amazonense ‘A Floresta de Jonathas’ será exibido em canais privados de televisão

Filme integra a programação dos canais HBO 2 e Max HD a partir deste mês de setembro e seguirá com 10 exibições até o fim de outubro 11/09/2014 às 10:53
Show 1
Longa-metragem já circulou por mais de 20 festivais ao redor do mundo
Laynna Feitoza ---

O filme amazonense “A Floresta de Jonathas”, recentemente indicado ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2014 em 14 categorias, agora faz parte da programação dos canais HBO 2 e Max HD: a partir deste mês de setembro, o filme seguirá com 10 exibições até o fim do mês de outubro, se consagrando como a primeira produção cinematográfica do Amazonas - em caráter de longa-metragem - a ser veiculada em canais privados de televisão.

A primeira exibição do filme aconteceu na última terça (09), no Max Prime. O que foi surpresa, inclusive, para o cineasta Sérgio Andrade, diretor da produção. Ele sabia que o filme seria exibido nos circuitos de televisão fechada, porque os direitos de exibição para TV já haviam sido vendidos por meio da agência internacional do filme, a FiGa Filmes. “O que eu não sabia é que eles começariam a exibí-lo numa data em que não havíamos sido informados. Tudo o que sabíamos é que seria em setembro e em outubro”, argumenta Andrade, ao celebrar a novidade.

A próxima exibição do longa acontece no dia 25 de setembro, no Max HD. As demais só vão poder ser conferidas pelo público em outubro, totalizando 11 exibições programadas para este bimestre. Porém, a previsão é que o filme continue sendo veiculado com o passar dos meses, uma vez que o contrato estipulado entre a produção e os dois canais é válido por dois anos. O diretor do filme atualmente reside no Rio de Janeiro, mas constantemente vem a Manaus para dar seguimento ao processo de trabalho do segundo produto, intitulado “Antes o tempo não acabava”.

Para Andrade, o mais novo passo trilhado pelo longa-metragem representa a capacidade que o cinema possui de eternizar uma obra. “Este é um retorno muito bom. Porque vão se passar 50 anos e sempre vai ter alguém assistindo aos filmes e falando dos atores, do roteiro, entre outros. Isso eterniza quem participa dele. Em segundo lugar, é o jeito do Amazonas que é eternizado”, complementa o cineasta.

90% da equipe de trabalho de “A Floresta de Jonathas” é composta por amazonenses. A ponte-aérea entre Manaus e Rio de Janeiro se dá por conta da dinâmica do trabalho de Sérgio. “Minhas histórias são escritas aqui, filmo e produzo aqui em Manaus”, revela o diretor. Sobre o segundo longa-metragem, ele afirma que a produção ainda está em fase de captação de alguns atores, mas que já teve os trabalhos iniciados. “Fizemos testes de elenco, já temos os nomes com quem vamos trabalhar, mas não podemos divulgar por questões de confirmação. Temos o apoio da Petrobras e agora estamos tendo um apoio da Secretaria de Cultura do Amazonas (SEC-AM)”.

Origens

Andrade alega que tanto o imaginário amazônico quanto a história da capital amazonense o encantam e muito o inspiram a falar a respeito, o que o faz não ter muitos planos de trabalhar com outro enfoque.

“Há tanta coisa para ser dita sobre a nossa região. e não consigo me desvencilhar disso. Há uma carência de obras cinematográficas que retratem o homem do Norte, e sou muito feliz em ser um homem do Norte que retrata isso”, pondera.

Sérgio coloca que, apesar de estar envolvido no processo de “Antes o tempo não acabava”, já começou a rabiscar ideias do terceiro longa de sua carreira.

“Penso mais em trabalhar outros gêneros do cinema do que em mudar temáticas. Há maneiras diversas de lidar com o tema Amazônia fugindo de estereótipos”, assegura, revelando que pretende projetar o filme que está sendo rabiscado para ser uma ficção-científica.

Publicidade
Publicidade