Publicidade
Entretenimento
Vida

Lumbersexual desafia estilo do homem impecável

Nos últimos tempos, a moda tem apontado para o aparecimento de um novo estilo masculino que tem como principais referências a figura clássica do lenhador, o lumbersexual (do inglês “lumberjack”) 13/06/2015 às 11:51
Show 1
Lucas Castro (acima), guitarrista da banda gospel Hope, afirma que antes de saber do novo estilo, já usava barba volumosa e camisa xadrez
Rosiel Mendonça Manaus (AM)

Nos últimos tempos, a moda tem apontado para o aparecimento de um novo estilo masculino que veio para destronar o metrossexual, baseado na busca por uma imagem sempre impecável. E vêm da figura clássica do lenhador as principais referências do chamado jeito lumbersexual (do inglês “lumberjack”) de se vestir: camisas xadrez, geralmente de flanela, botas e barba cheia, que podem ainda compor com tatuagens e cabelo assimétrico.

Segundo o editor do blog Maoleskine, André Barbosa, o homem de aspecto rústico e cara de lenhador já era algo comum para os norte-americanos, assim como o normcore (tendência que estourou entre os fashionistas mas que já existia antes de ser identificado). Para ele, o que impulsionou a estética mais despojada foi a “fadiga” a que chegaram o homem moderno e metrossexual.

“Em uma época na qual a figura masculina está tão ligada com a vaidade quanto a feminina, o estilo lumbersexual provou ser a resposta, a contra-tendência. Não que o homem que se identifica nesse estilo não seja vaidoso - ele cuida muito bem da barba e pra que sua roupa e corpo transmitam uma imagem viril - só que o alvo agora é parecer bruto, milimetricamente calculado para aparentar ser largado”, diz.

A barba, porém, não é uma tendência necessariamente alimentada pelo lumbersexual. “Esse é um dos modos que os homens usam pra desenhar o maxilar, que em várias civilizações e em vários padrões de beleza ao redor do mundo são ligados à virilidade, apetite sexual voraz e beleza masculina. Então não dá para dizer que foi a explosão do lumbersexual que trouxe as barbas de volta aos rostos dos homens... Esse é um truque antigo, popularizado por meio das mil formas de influência que a mídia de moda exerce”.

Rótulos

Mesmo não se definindo como lumbersexual, o agente de câmbio Eddie Ferreira diz sempre ter usado roupas que se encaixam no estilo, como a camisa de lenhador, bota e barba por fazer. “Agora que ficou modinha o pessoal vem me marcando em muitos posts sobre o assunto”, comenta. As escolhas dele se devem principalmente pelo conforto. “Não ligo muito para marca, uso o que vem na mão. Mas também não me visto que nem um mendigo”, ri.

Ferreira lembra que, antes de começarem a falar sobre lumbersexual, ele também teve que lidar com o rótulo de hipster. “Essas definições não me agradam, apesar de eu não ter aversão a elas. Mas sei que quando entrar outro estilo [na moda] vou continuar na minha”.

Há cerca de três anos, quando deixou de trabalhar na noite, em bares e restaurantes, ele resolveu deixar a barba crescer à vontade. E ainda ensina um truque: “Não me atrapalha no trabalho, mas para não chamar muita atenção eu faço uma trança e a prendo para dentro, o que diminui o volume, e solto quando chego em casa”.

Praticidade

Já o guitarrista da banda gospel Hope, Lucas Castro, não rejeita a nomenclatura, tampouco se considera alguém que procura se encaixar em uma tendência da moda. Ele diz, por exemplo, usar barba volumosa e camisa xadrez antes mesmo de saber que existia um estilo chamado lumbersexual. “Sou uma das únicas pessoas do meu círculo que usa barba, e os outros acabavam me chamando de lumbersexual. Foi assim que dei uma pesquisada e vi que essa é uma tendência de fora”.

“Hoje me considero porque realmente o que falam sobre o estilo bate com o que eu sou no dia a dia”, completa. O conforto e a praticidade, segundo o músico, vêm em primeiro lugar. “Não tem mais o lance de ficar escolhendo o que vestir, o guarda-roupa se resume a esse estilo, tudo que eu tenho se encaixa nele”.

A barba grande, por outro lado, veio da vontade de “não fazer mais a barba”. “Era uma coisa muito chata. Depois também parei de passar a máquina”, conta ele, que também corta o próprio cabelo.

Destaque

Sucesso entre as mulheres, o estilo foi detectado primeiramente por Tom Puzak, do site especializado em roupas de camping e aventuras GearJunkie.com, e já ganhou perfil no Instagram (@lumber sexual) com mais de 39 mil seguidores.

Saiba +

E em Manaus?

“Quanto a ser lumbersexual em Manaus, acredito que é bem possível adaptar. A flanela pode ser substituída pelo bom e velho algodão com estampa xadrez em tons escuros, o jeans varia de acordo com o gosto (mais ajustado ou reto), os coturnos trazem um peso extra ao look e a barba arremata o visual lenhador urbano”, afirma André Barbosa.

Blog

Iago Castro, 22, estudante de psicologia

“Lumbersexual para mim é só um nome bonitinho para definir uma forma de imitar um estilo clássico do trabalhador alemão. Não levo muito para esse lado porque me visto com camisa de flanela desde os 11 anos, e a barba eu deixei crescer a partir dos 17. Quanto a esse ser um estilo avesso ao do metrossexual, desminto isso tudo, porque sou muito narcisista, como minha namorada fala. Só tenho pelo na cara, tiro sobrancelha e faço a unha. Como Manaus é muito quente e eu transpiro demais, também sempre ando com um kit de higiene pessoal na bolsa”.

Publicidade
Publicidade