Publicidade
Entretenimento
Vida

Manaus será sede de congresso mundial de artes cênicas em 2016

O anúncio de Manaus como próxima sede do 35º Congresso Mundial do International Theatre Institute (ITI) deve acontecer na próxima terça-feira, dia 18 17/11/2014 às 17:03
Show 1
Evento da Unesco deve atrair cerca de 700 artistas de todo o mundo
ROSIEL MENDONÇA Manaus (AM)

Passada a euforia da Copa do Mundo, que teve Manaus como subsede, a capital amazonense começa a viver a expectativa de receber outro evento de importância internacional daqui a dois anos. Em 2016, a cidade vai se tornar foco das artes cênicas com a realização do 35º Congresso Mundial do International Theatre Institute (ITI), órgão com mais de 60 anos de atuação dentro da Unesco, agência da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura.

O anúncio de Manaus como próxima sede deve acontecer na próxima terça-feira, dia 18, durante o 34º encontro, na capital da Armênia, Yerevan. Quem adianta a notícia é o presidente do Conselho Municipal de Política Cultural, Márcio Souza, que viajou com uma comitiva da Prefeitura de Manaus para o país da Eurásia. A expectativa, segundo ele, é que cerca de 700 artistas do teatro, dança, circo e ópera de todo o mundo passem pelo Amazonas durante o congresso de 2016.

“Foi durante uma reunião no ano passado que surgiu o interesse deles em fazer o evento no Brasil. A princípio seria em São Paulo, mas achei que Manaus seria uma melhor candidata, até porque em São Paulo acontece tudo, é uma cidade com vida cultural magnífica”, conta Souza, que membro do ITI há cinco anos. “Fazer o evento em Manaus seria bom não só para a cidade e para os artistas daqui, mas também para os de fora conhecerem a Amazônia”.

Quando a capital amazonense entrou na disputa, ela concorria com a Terra da Garoa e com o Vietnã, mas ambos acabaram desistindo da candidatura. “Nós vamos com os votos dos ITIs do continente americano, inclusive do Canadá, e também temos a promessa de apoio da França”, explica o presidente do Concultura. Ele destaca que será a primeira vez que o congresso virá para a América do Sul, e a questão da identidade e diversidade cultural é um possível tema para o encontro, que está sendo inicialmente orçado em 800 mil euros.

CIRCUITO

Segundo Souza, o congresso em Manaus deve concentrar suas atividades no Tropical Hotel, com a utilização do complexo da Ponta Negra para apresentações e convivências. O Teatro Amazonas, claro, não deve ficar de fora. “Também vamos fazer um circuito de casas de espetáculo públicas e privadas da cidade, com linhas regulares de transporte coletivo para levar o público a conhecer esses espaços”.

Outra meta é atrair em massa grupos de artistas do Norte do Brasil e dos países amazônicos vizinhos, como Bolívia, Peru e Venezuela. “Nosso objetivo é que eles não só tragam espetáculos, mas participem das plenárias e se conheçam. Num evento como esse, os bastidores são tão importantes quanto as atividades oficiais”, frisa Souza, usando como exemplo a programação preparada por Yerevan, com até 20 espetáculos por dia.

TROCA E EXPERIÊNCIA

Na opinião de Márcio, também escritor e diretor de teatro, a vinda do congresso do ITI para Manaus tem muito a contribuir para a cena das artes cênicas local. Para ele, a presença de alunos e ex-alunos do curso de Teatro da UEA nos festivais realizados na cidade é prova de crescimento.

“Também acho que há um interesse no campo das artes cênicas no sentido de profissionalização técnica. De certo modo, apesar do avanço, os artistas daqui ainda vivem muito isolados. Alguns porque querem e outros porque não têm condições de quebrar o isolamento. Então o mundo vem aqui nesses sete dias, e surge a oportunidade de congraçamento. Nem todos falarão a mesma língua, mas vão se entender por meio da arte”.

Em busca de apoio internacional

Márcio Souza foi a Yerevan também como candidato a um assento no conselho executivo internacional do ITI, que realiza eleições durante o congresso. Ele diz ter aceito o convite por estar interessado em captar recursos da Unesco para turbinar o curso de Teatro da UEA.

“Fechando um convênio como esse, é possível tornar a universidade uma grande escola aberta para os estudantes dos estados e países vizinhos que queiram fazer artes cênicas aqui. Uma parceria como essa também viabiliza intercâmbios com especialistas da como grandes encenadores e iluminadores do mundo”.

Como preparação para o 35º Congresso do ITI, segundo Souza, a Prefeitura de Manaus tem planos de realizar aqui um encontro internacional com jornalistas de cultura e turismo. “A ideia é manter a cidade na superfície da informação mundial com o que ganhamos com a Copa”.

Publicidade
Publicidade