Publicidade
Entretenimento
BELEZA

Maquiadora cria looks exclusivos inspirados nos bumbás Caprichoso e Garantido

Vitória de Liz usou cores frias e quentes em um ensaio com sugestões para o corpo e o rosto de torcedores dos dois bois de Parintins 25/06/2017 às 05:00
Show 85
Foto: Camila Batista/Divulgação
Laynna Feitoza Manaus (AM)

Inspirada no Festival de Parintins, a maquiadora amazonense Vitória de Liz (@vitoriadeliz_makeup), 22, usou cores frias e quentes em um ensaio com sugestões de looks para torcedores de Caprichoso e Garantido. “O vermelho, amarelo e alaranjado estão sempre presentes nas cores do Garantido, mesmo tendo o vermelho e o branco como destaques. Para o Caprichoso foi o contrário: optei por cores frias, já que predominam o azul e branco, então utilizei vários tons de azul e fiz uma fusão entre o roxo e o azul escuro pra poder dar um efeito de profundidade”, coloca ela.

Para os torcedores neutros, que ainda não escolheram seus bois e que preferem não manifestar nenhum lado, o ideal, segundo ela, é misturar um pouco dos dois. “Misturei cores quentes e frias, mas de uma forma que elas conseguissem combinar entre si”. As cores usadas foram marrom, tons em alaranjado, verde e um pouco de pigmento vermelho pra poder se misturar com o alaranjado.


Make inspirada no boi Caprichoso (Foto: Camila Batista/Divulgação)

As cores dos batons foram escolhidas de forma que combinassem com as maquiagens. “Como os olhos da modelo de azul estão bem marcados, eu optei por uma cor mais fechada e neutra, daí então escolhi usar um batom mais puxado pro cinza. As modelos de vermelho e neutro estão com o mesmo batom, um marrom mais quente. Nelas podemos notar que mesmo usando o mesmo batom, a cor muda de acordo com a cor dos lábios de cada modelo”, comenta Vitória, que escolheu destacar mais os olhos do que os lábios.

Nas maquiagens foram desenhados traços que remetessem às pinturas faciais indígenas e que também são muito utilizadas pelos itens femininos na arena. A maquiadora utilizou delineador líquido e tinta vermelha para fazer os traços e a técnica de esfumar nas sombras. “Eu gosto de usar não só esses dois tipos de sombras, mas também pigmentos, glitteres... tudo contribui pra um bom acabamento dos olhos”, avalia Liz.


Make inspirada no boi Garantido (Foto: Camila Batista/Divulgação)

Enfeites e acessórios

Quem não tiver roupas nas cores do boi favorito pode abusar dos acessórios. A artesã Glicia Penalber (@penalber_art) produz acessórios tanto masculinos quanto femininos: colares, brincos e ombreiras customizadas ou projetadas. “Trabalho com penas artificiais, pedrarias, contas, miçangas, feltro e cordões, que contribuem para o resultado final do produto”, conta ela.

Segundo a artesã, a peça curinga do momento são  as ombreiras. “Podem tanto ser utilizadas sozinhas, se tiverem com cordões e penas, ou com colares combinando, se forem as estilo Marechal  (as menores, sem cordões). As peças se adequam ao traje informal compondo um look mais jovial (short jeans e camiseta) quanto ao visual mais sofisticado (tubinho e demais vestidos)”, destaca Glícia.

Corpo e mente

Já que estamos em temporada bovina, que tal resgatarmos o dois-pra-lá e dois-pra-cá mais buscados do momento? É isso que o aeroboi quer despertar. As academias podem tanto trabalhar com esse tipo de dança isolado, ou incluir coreografias de boi-bumbá nas aulas de ritmos. “Com o aeroboi se perde calorias, trabalha coordenação motora, cuida da saúde em geral e nos faz adquirir conhecimento sobre a cultura do Amazonas”, assegura o professor de dança Leo Kcinom.


Make neutra (Foto: Camila Batista/Divulgação)

De uns tempos para cá, os passos de boi mudaram bastante. “Antigamente eram dez passos para cada música. Agora vemos de 17 a 20 passos em uma música só”, aponta Kcinom. E quem quer aprender a dançar boi pode, segundo as dicas do professor, focar no dois-pra-lá e dois-pra-cá, usar bastante os braços para cima e lados, balançar o corpo e só. “Nas músicas há muito giro corporal, mas eram passos mais lentos. Agora são mais rápidos”, coloca.

Beneficiada

Para a química Elaine Rêgo, os benefícios adquiridos com o aeroboi foram psicológicos e físicos. “Estava passando por problemas de trabalho e as aulas de dança se tornaram uma válvula de escape”, conta ela, que pratica aeroboi todos os dias, por no mínimo uma hora - é possível perder de 600 a mil calorias neste período. “Também usava o aeroboi como meu treino de cardio antes de fazer a musculação. Isso aumenta a resistência do meu coração para segurar o impacto da musculação”, garante Rêgo.

Publicidade
Publicidade