Publicidade
Entretenimento
ESPETÁCULO

'Marília Gabriela não vai mais morrer sozinha' estreia nesta quinta (3) em Manaus

A peça marca o retorno aos palcos da companhia local UTC-4, antes chamada de Cia. Cacos de Teatro. As apresentações acontecerão no Teatro da Instalação 30/04/2018 às 11:43 - Atualizado em 02/05/2018 às 14:29
Show espet culo
A concepção do espetáculo foi realizada em conjunto entre artistas amazonense e um diretor carioca (Foto: Divulgação)
acritica.com* Manaus (AM)

O premiado diretor carioca Fabiano de Freitas (Teatro de Extremos - RJ) estreia na capital amazonense o espetáculo inédito “Marília Gabriela não vai mais morrer sozinha”, uma coprodução Manaus – Rio de Janeiro, com apoio da Secretaria de Estado da Cultura (SEC). A peça marca o retorno aos palcos da companhia local UTC-4, antes chamada de Cia. Cacos de Teatro.

A estreia será dia 3 de maio, com apresentações nos dias 12 e 19 de maio, às 20h, no Teatro da Instalação, em Manaus. O projeto leva à cena uma condição de bastidores da própria companhia teatral: a reflexão sobre a finitude, bem como a necessidade de se reinventar, se recriar e se refazer.

Com 10 anos e muitos prêmios no currículo, a antiga Cia. Caos de Teatro resignifica a sua concepção artística e se transforma em UTC-4, se lançando na construção de uma nova fase, inclusive com o desafio do uso da palavra em cena, algo até então inédito na história do grupo. “A dramaturgia não deixa de ser um espelho da condição que o próprio grupo UTC-4 se viu: a necessidade de deixar alguma coisa para trás para poder permanecer vivo. Encerrar um ciclo para começar outro”, explica o diretor Fabiano de Freitas.

A proposta de que “para que uma coisa nasça, uma outra precisa morrer”, como cita dramaturgo alemão Heiner Müller, não é exclusivamente um reflexo do momento da companhia, mas se apresenta na montagem como um questionamento do cenário atual em que vivemos, onde qualquer pessoa pode estar submetida, seja nas coisas, nas relações humanas ou mesmo no corpo físico (com a morte) a condição da finitude. “O que dizer no tempo em vivemos? O que falar com tantas contradições acontecendo aos nossos olhos? O espetáculo buscar ser uma resposta à essa contemporaneidade”, destaca Fabiano de Freitas.

O anseio por essas respostas se apresenta pela visão dos quatro atores em cena. Eles apresentam uma história não linear, repleta de cenas curtas e colagens de diversas cenas para formar uma narrativa completa. Na montagem, os artistas são personagens de si mesmos, se encontram para dizer, mesmo não sabendo ao certo que palavras usar. Há uma série de questionamentos e sentimentos bivalentes, mas há também algumas certezas, entre elas que algo precisa ser dito e que o teatro é o lugar para se dizer. É a partir da visão destes artistas que peça tenta ser uma resposta à contemporaneidade.

A concepção do espetáculo, realizada em conjunto entre os artistas amazonense e o diretor carioca, teve como fonte de estudo textos de diversos autores, entre eles Marcelino Freire e o amazonense Milton Hatoum, ambos com contos teatralizados na íntegra. Há também fragmentos de trechos do autor franco-argentino Copi e do francês Valere Novarina, entre outros dramaturgos utilizados para pesquisa e exercício cênico.

História

O grupo UTC-4, antes chamado de Cia. Cacos de Teatro, comemora 10 anos em 2018 e acumula prêmios como melhor espetáculo no Festival de Teatro da Amazônia com o espetáculo “Trans- , apresentado inclusive nos Estados Unidos; melhor direção, também no  Festival de teatro da Amazônia, com {“off} inferno ou lave os céus para que eu morra”; prêmio de circulação no  projeto Sesc Amazônia das Artes, com turnê em diversas cidades brasileiras, com “mãe in loco”; além de apresentações nacionais com os espetáculos já citados e a montagem “Romeu jukebox”.

Diretor

Além da "Marília Gabriela não vai mais morrer sozinha", do coletivo UTC-4, Fabiano de Freitas atualmente dirige o espetáculo "O Grelo em Obras", que comemora os 20 anos do coletivo feminino de humor O Grelo Falante, com estreia este mês no Rio de Janeiro.

Ator, dramaturgo, diretor e pesquisador, ele percorre de forma eclética pela artes cênicas. É diretor artístico de Teatro de Extremos, companhia que atualmente viaja o país com o espetáculo Balé Ralé, que ganhou o Prêmio Questão de Crítica que estará em cartaz em Porto Alegre no mês de maio e em Sâo Paulo no mês de junho. Ao completar 10 anos em 2015, o grupo montou o aclamado espetáculo “O Homossexual ou a dificuldade de se expressar” que recebeu 13 indicações aos Prêmios Shell, Cesgranrio, APTR e o Questão de Crítica, tendo conquistado o APTR e Questão de Crítica. Já dirigiu o clipe da música “Meu Coração é Brega”, de Fafá de Belém. Também está em cartaz como diretor do o espetáculo-show “Rival Rebolado”, ao lado de Leandra Leal.

Atualmente cursa o Mestrado em Artes pela UERJ, pesquisando performance, política e sexualidade a partir da obra de Copi.

Sinopse completa

“Marília Gabriela não vai mais morrer sozinha”

Em um universo distópico, quatro atores, personagens de si mesmos, se encontram apenas pra dizer. Mas eles não sabem como é que se começa. Eles só sabem que precisam dizer. Procuram palavras. Talvez elas não estejam ali, nem nesse planeta, nem nesse universo. Se há alguém do outro lado, esse alguém deixará que se diga alguma coisa? Estes atores se encontram no palco: o teatro é o lugar pra se dizer. O que se diz no teatro deve ser visto. Mas o que se vê realmente se vê ou serão miragens de um lunático?

 Como se diz a um filho o que deve ser dito porque é maior do quesi mesmo? E se um índio resolver explodir esse universo ele mesmo? E existe amor? Quais os caminhos que se encontra pra prosseguir? O fim é uma escolha? Diante da finitude estes quatro atores podem se reinventar. Mas eles serão eles mesmos ou personagens saídos de um livro? Onde começa a ficção e termina a realidade? O que é a verdade? Marília Gabriela existe? E se existe ela está viva? Esse espetáculo não responderá nenhuma destas perguntas. Só as transformará na mais visceral e possível das cenas. Porque é teatro e é sobre teatro. Com uma única certeza: Marília Gabriela Não Vai Mais Morrer Sozinha.

*Com informações de assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade