Publicidade
Entretenimento
Vida

Massagem sensorial e relaxante para bebês

“O bebê quando nasce fica meio perdido, o contato com a claridade, barulho, agitação faz a criança sentir a necessidade de ficar aquecida com o colo da mãe, de ter essa aproximação. E a massagem proporciona isso para ela”, diz a pediatra Cynthia Luz 07/09/2013 às 19:27
Show 1
Criar momentos especiais entre mãe e bebê ajuda no desenvolvimento sensorial da criança
Luana Ribeiro Manaus

Os laços afetivos entre mãe e bebê se constroem também com o toque. O contato e o carinho transmitidos através da massagem fazem dela um excelente artifício para fortalecer esse vínculo e comunicar amor para os pequenos.

“O bebê quando nasce fica meio perdido, o contato com a claridade, barulho, agitação faz a criança sentir a necessidade de ficar aquecida com o colo da mãe, de ter essa aproximação. E a massagem proporciona isso para ela”, diz a pediatra Cynthia Luz, que recomenda a prática da massagem para seus pequenos pacientes. “O bebê fica mais calmo, tranquilo e seguro. Faz bem tanto para o físico quanto para a mente e qualquer mãe pode aprender e fazer em casa”, afirma a médica.

Técnica indiana
Um dos métodos mais conhecidos de massagem corporal em bebês é a Shantala. A técnica de origem indiana tem como principal objetivo fortalecer a relação entre a mãe e o filho através do toque das mãos na pele.

“Além de proporcionar um momento de proximidade, a Shantala ajuda também na saúde da criança”, afirma a terapeuta holística Tatiana Hoff. De acordo com ela, a massagem contribui para solucionar problemas comuns a todos os bebês, atuando no alívio de cólicas, prisão de ventre, regulando o sono e relaxando a criança.

Depois de ouvir uma amiga relatar os benefícios que a Shantala proporciona para a criança, a arquiteta Bruna Serfaty decidiu levar a filha Paola Serfaty, de oito meses, para algumas sessões com a terapeuta Tatiana, que atende no Amanda Beauty Center.

Sessão relaxante
Em uma pequena sala, à meia luz, temperatura agradável, música ambiente e essência relaxante, a terapeuta Tatiana começa a sessão massageando barriga, braços, pernas e pés da pequena Paola. A mãe Bruna participa de todas as etapas. Tatiana ensina o passo a passo da técnica para que seja repetida em casa. Depois da massagem, é hora do banho: mãe e filha entram em um ofurô com água morna.

“A sessão de Shantala é um jeito de proporcionar momento gostoso para ela e até de diversão, de fazer algo fora da rotina”, diz Bruna. “No meu dia a dia costumo fazer massagem na Paola, e percebo que ajuda a acalmar, principalmente quando faço antes dela dormir”, conta a mãe.

Massagem em casaDesde os primeiros meses de vida de Daniel Amorim, de oito meses, a mãe e advogada Deborah Amorim colocou a massagem na sua rotina de cuidados e carinhos com o filho em casa. Tudo recomendado pela pediatra, que indicou a prática para aliviar as cólicas com as quais o bebê sofria.

“Hoje faço massagens relaxantes, uso um óleo próprio de massagem para bebês, começo pelos pés e vou subindo, pernas, barriga, braços e mão. Aprendi com o pediatra uma massagem na barriga para estimular a digestão”, diz.

Deborah acredita que o bebê sente carinho, amor e segurança quando é massageado. “Depois da amamentação, a massagem é o método que mais aproxima a mãe do bebê, existe olhos nos olhos, toque, fazia muita massagem na minha barriga quando grávida”, relembra. “Esse tempo da massagem é um tempo nosso, converso com ele, canto e ele responde aos meus estímulos, do jeito dele, mas responde, às vezes canta comigo e logo em seguida dorme”, conta.

A massagem previne cólicas s, prisão de ventre e insônia;

Atua diretamente sobre o desenvolvimento psicomotor da criança;

Contribui para o contato afetivo de mãe e filho e promove a harmonia do bebê com o mundo exterior;

Tem uma ação relaxante e melhora o estado geral dos pequenos;

O toque e o carinho fomentam um aumento da auto-estima e consequentemente da imunidade;

Uma boa hora para fazer massagem é após o banho do bebê, ou antes de dormir;

A massagem aplaca a agitação e a irritabilidade típicas da infância, diminuindo a tensão e os choros;

A atividade ajuda no humor do bebê e da mãe, pois é uma forma de sair da rotina de forma prazerosa.




Publicidade
Publicidade